25 de abril de 2015

Resenha | Kaleidoscope Hearts - Claire Contreras


Título: Kaleidoscope Hearts

Autora: Claire Contreras

Número de páginas: 295

Ano: 2015

Editora: Publicação independente

Skoob: AQUI
Sinopse: Ele era o melhor amigo de meu irmão mais velho. Ele nunca seria meu. Achei que conseguiria superá-lo e seguir em frente. Um de nós conseguiu. Um de nós partiu.

Agora ele está de volta, olhando para mim como se quisesse me devorar. Todos os sentimento que se tinham se transformado em raiva estão agora se transformando em algo mais, algo que me assusta.

Ele partiu meu coração da última vez. Dessa vez, ele o destruirá.

 

Kaleidoscope Hearts poderia muito bem ser definido como “um livro sobre segundas chances”. Não se deixe enganar pela sinopse. Se eu fosse me basear nela eu nem leria o livro, mas li algumas resenhas no goodreads e decidi tentar a sorte.

O livro conta a história de Estelle Reuben, mais conhecida como Elle, uma Artista Plástica de vinte e cinco anos e de Oliver Hart, um Médico de vinte e oito anos.

Elle está tentando refazer a sua vida. Já faz quase um ano que seu noivo morreu e só agora ela teve coragem de colocar a casa em que eles moravam juntos à venda. Foi um pouco difícil seguir em frente (e ainda é em alguns momentos), mas Elle se esforça e tenta juntar os pedaços dela mesma. Ela decide ir morar com seu irmão, Vic, enquanto coloca sua vida nos eixos. Só que essa mudança traz de volta alguns fantasmas que ela gostaria (a princípio) que continuassem a ser somente isso… fantasmas.

Só que Oliver Hart, melhor amigo de Vic, está materializado na sua frente. Oliver é, nada mais, nada menos, do que a única pessoa que já foi capaz de partir o coração de Elle (sem contar a morte do noivo, claro).

Elle e Oliver se conhecem desde sempre. No passado, Oliver via Elle simplesmente como a irmã mais nova do seu melhor amigo. Vic deixa bem claro, tanto para Oliver quanto para qualquer outro amigo seu, que qualquer envolvimento com Elle está fora de cogitação. Mas conforme o tempo vai passando, Oliver, mesmo contra sua vontade, começa a enxergar Elle com outros olhos e começa a não dar a mínima para as “regras” de Vic. Tudo que ele deseja é estar com Elle, pois ele começa a sentir coisas que ele jamais havia sentido.

Quando Elle completa dezoito anos e Oliver está com vinte e um, eles se beijam pela primeira vez. O que Oliver sente nesse momento nenhuma outra garota, e olha que foram muitas, o fez sentir! O problema é que Oliver sempre teve um plano. Antes de se relacionar de verdade com alguém, ele teria que terminar a faculdade de medicina, se estabilizar, ter uma casa e um futuro garantido…um relacionamento naquele momento estava fora dos planos dele.

— It’s a heart. They always break at some point. Sooner or later someone will come along and shatter it anyway…might as well be you.


— Isso é um coração. Eles sempre se partem em um determinado momento. Cedo ou tarde alguém virá e o despedaçará de qualquer maneira…poderia muito bem ser você.

Então ele decide que não pode ficar com Elle até estar com a vida estabilizada e, após uma noite de amor, vai embora no meio da madrugada sem ao menos dizer adeus. Mesmo após toda a dor que isso lhe causa, Elle decide seguir a sua vida e fica noiva de Wyatt, que, assim como ela, é um Artista Plástico, só que é bem mais velho do que ela.

A família e os amigos de Elle não aceitam bem o relacionamento, não só pelo fato da diferença de idade, mas também porque Wyatt exerce muita influência sobre Elle. Por ele não gostar do jeito como ela se veste, ela muda seu estilo. Por ele achar que a família dela não gosta muito dele, ela para de ir com tanta frequência para a casa dos pais…

Mas Elle ama Wyatt pelo modo como ele a ajudou a curar (em parte) o seu coração partido. Quando Wyatt morre, o coração de Elle se despedaça novamente.

Elle nunca deixou de amar Oliver, ela sabe que o que ele fez foi errado e muito egoísta, mas Oliver foi seu primeiro amor, e, como diz o ditado, o primeiro amor a gente nunca esquece. O amor sempre existiu, mas estava adormecido e, quando Elle vê Oliver novamente, todos aqueles sentimentos que ela achava que estavam guardados e adormecidos para sempre, acordam.

Elle sabe que tem que manter distância se não quiser que seu coração, já despedaçado tantas vezes, não seja, mais uma vez, vítima de suas escolhas impulsivas.

Ela passou a canalizar seu sofrimento transformando-o em arte. Ela faz lindos caleidoscópios em formato de coração usando pedaços quebrados de vidro de cores diferentes. E a conexão que esses corações têm com a história é muito interessante. A autora escolheu um título que tem um significado muito pertinente e usa esse título diversas vezes, em diálogos muito bem colocados dentro do contexto do livro.

— Shattering hearts … it’s fitting.

— They’re not shattering hearts, they’re kaleidoscope hearts. — I correct him.

— What’s the difference? You make them with broken pieces.

— The difference is that it’s already broken, but I use the pieces to rebuilt it. The difference is that the heart has a second chance, and maybe it’ll get broken again, but it’s already shattered, so maybe the fall won’t be as bad.


— Corações quebrados…é justo.

— Eles não são corações quebrados, são caleidoscópios em formato de coração — eu o corrijo.

— Qual é a diferença? Você os faz com pedaços quebrados.

— A diferença é que ele já está quebrado, mas eu uso os pedaços para reconstruí-lo. A diferença é que o coração tem uma segunda chance, talvez ele se partirá novamente, mas ele já está quebrado, então a queda não será tão ruim.

Quando Oliver vê Elle novamente e se dá conta da mulher que ele deixou escapar, ele faz de tudo para reconquistá-la e para provar para ela que se arrepende do que fez. Tudo o que ele quer é um encontro para poder provar para Elle que mudou.

Elle se vê dividida entre a razão e o coração. Quando ela seguiu o segundo, ela acabou sofrendo por muito tempo. Quem será que vai ganhar dessa vez?

— The hearts I make are shattered, but whole. They are kaleidoscopes that beam under the sun. They signify hope in love when you’re lost it because, like love, you can look at a kaleidoscope a thousand different ways and find something new every single time. Shattered or not, if you look carefully in them. And all beautiful things are a little broken.


— Os corações que eu faço são quebrados, mas completos. Eles são caleidoscópios que cintilam sob o sol. Eles significam a esperança no amor quando você está perdido, porque, como no amor, você pode olhar para um caleidoscópio de mil maneiras diferentes e encontrar algo novo em cada uma delas. Quebrado ou não, se você olhar com cuidado para eles. E todas as coisas bonitas são um pouco quebradas.

Kaleidoscope Hearts foi uma grata surpresa! É clichê? Sim, é. Mas é um clichê diferente, se é que dá para entender. Ele é narrado pelo ponto de vista de Elle, mas há alguns capítulos que retratam o passado, e esses são narrados por Oliver, onde descobrimos como ele foi se apaixonando por Elle.

O livro tem um final muito bonito. É impossível não se emocionar!

Só achei que a autora pecou um pouquinho no desenvolvimento do livro. Algumas partes não acrescentavam nada na história, só estavam lá para fazer volume, sabe? Mas não é nada muito grave. É um NA mais maduro, com expressões fortes e citações profundas. É uma história que nos ensina que feridas podem cicatrizar e que vale a pena dar uma segunda chance ao amor.

O livro ainda não foi lançado aqui no Brasil. Ele foi lançado de maneira independente pela autora em janeiro deste ano, e o sucesso lá fora foi tanto que a editora LeYa comprou os direitos para a sua publicação. Entretanto, não há data de lançamento definida.

Observação: Conteúdo postado quando a plataforma do blog ainda era WordPress. Com a mudança, todos os comentários foram perdidos.


Nenhum comentário

Postar um comentário