11 de abril de 2015

Resenha | Um Caso Perdido - Colleen Hoover


Título: Um Caso Perdido

Autora: Colleen Hoover

Número de páginas: 384

Ano: 2014

Editora: Galera Record

Skoob: AQUI
Sinopse: Às vezes, descobrir a verdade pode te deixar com menos esperança do que acreditar em mentiras…

Em seu último ano de escola, Sky conhece Dean Holder, um rapaz com uma reputação capaz de rivalizar com a dela. Em um único encontro, ele conseguiu amedrontá-la e cativá-la. E algo nele faz com que memórias de seu passado conturbado comecem a voltar, mesmo depois de todo o trabalho que teve para enterrá-las. Mas o misterioso Holder também tem sua parcela de segredos e quando eles são revelados, a vida de Sky muda drasticamente.

 

Começamos o livro conhecendo Sky e sua melhor amiga, Six, que na verdade se chama Seven. Six é bem soltinha e vive levando meninos para o quarto dela à noite. Sky vai na onda de Six e também leva alguns meninos para seu quarto, mas a diferença é que Sky não sente o menor interesse por eles. E não, Sky não é lésbica. Ela apenas não sente atração por menino nenhum.

Apesar de ter uma má reputação por conta da quantidade de garotos com os quais se envolveu, Sky nunca fez sexo com nenhum deles. Ela os beija, dá uns amassos, mas simplesmente não consegue sentir nada com isso. Ela costuma dizer que entra meio que em um estado de torpor, ela se desliga. Além disso, Sky tem uma vida bem atípica para uma garota de dezessete anos. Sua mãe adotiva, Karen, é avessa à tecnologia. Para ela, a tecnologia é a grande responsável pelas desgraças do mundo. Sky também nunca foi para uma escola de verdade. Ela sempre foi educada em casa, pois Karen diz não acreditar no sistema de ensino das escolas.

A parte da tecnologia foi uma das três coisas que me incomodaram no livro! Como uma menina de dezessete anos não sabe enviar um SMS? Não sabe enviar um email? Ok, ela foi privada disso durante toda a sua vida, mas ela vivia na casa de Six e Six vivia na casa dela. Six tinha computador, tinha celular, será que ela nunca teve curiosidade de ver como as coisas funcionavam? Em um dado momento da história ela chega a perguntar como se envia um email... achei um pouco surreal! Bom, continuando…

Sky nunca questionou essa aversão de Karen pela tecnologia, para ela a mãe adotiva era apenas estranha. A única coisa que Sky não aceitava bem era o fato de nunca ter podido frequentar uma escola. Ela sempre pedia, mas Karen nunca permitia. Até que, com uma ajudinha de Six, Sky consegue convencer Karen a deixá-la frequentar o último ano do ensino médio na escola pública local. O plano era Sky e Six irem juntas à escola e aproveitar ao máximo o último ano antes de começarem a universidade, só que Six acaba conseguindo um intercâmbio fora do país, deixando Sky sozinha para enfrentar o desconhecido.

A escola pública retratada no livro é bem clichê, cheia de meninas malvadas qua maltratam Sky e a perturbam chamando-a de vagabunda, vadia e seus derivados. Todo mundo na escola sabe da "rotatividade" de Sky. Ela tem que retirar bilhetes ofensivos da porta de seu armário várias vezes por dia. Mas o que as garotas da escola não esperavam era que Sky não fosse dar a mínima pra isso!

Após o primeiro dia de aula, Sky passa em uma loja de conveniência para comprar alguns doces e lá conhece Dean Holder. E só de olhá-lo Sky sente algo que nunca sentiu nem ao beijar outros garotos.

Holder parece estar hipnotizado por Sky, ela fica olhando-a fixamente, como se a conhecesse e estivesse tentando lembrar de onde. Mais tarde, naquele mesmo dia, o que parecia impossível acontece: Sky começa a pensar em Holder e ela nem ao menos o conhece. Nem o toque de outros garotos a fez sentir o que apenas o olhar de Holder fez!

The moment my lips touch yours, it will be your first kiss. Because if you’ve never felt anything when someone’s kissed you, then no one’s ever really kissed you. Not the way I plan on kissing you.

No momento em que meus lábios tocarem os seus, esse será seu primeiro beijo. Porque se você nunca sentiu nada quando alguém beijou você, então ninguém nunca beijou você de verdade. Não do jeito que eu planejo beijá-la.

Como não consegue parar de pensar nele, Sky resolver sair para correr. Mas no meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho. E o nome dessa pedra tinha nome e sobrenome. Nome: Dean. Sobrenome: Holder! (desculpem, não resisti) 😀

Sky parece não acreditar que encontrou justamente o garoto que despertou nela sentimentos tão novos e intensos. Holder ainda parece meio estranho em relação a ela. Só que a vontade de conhecê-lo melhor fala mais alto e Sky se vê mergulhando de cabeça nessa nova, por enquanto, amizade. Sky e Holder vão ficando cada vez mais próximos e vão confidenciando coisas um para o outro. Do momento em que eles se conhecem até o momento em que eles se beijam pela primeira vez é uma avalanche de diálogos intensos e fofos ao mesmo tempo.

I want to tell you exactly how I feel but there isn’t a single goddamned word in the entire dictionary that can describe this point between liking you and loving you, but I need that word. I need it because I need you to hear me say it.

Eu quero te dizer como eu me sinto, mas não existe uma única palavra em todo o dicionário que possa descrever esse ponto entre o gostar de você e o amar você, mas eu preciso dessa palavra. Eu preciso dela porque preciso que você me ouça dizê-la.

Holder é extremamente sedutor. E o que ele tem de mais sedutor poucos homens têm: as palavras! Ele sabe exatamente o que dizer e diz na hora certa. Só que como estamos falando de Colleen Hoover, o livro não poderia ser somente uma história de amor. Holder guarda um segredo, algo que ele apenas desconfiava se confirma e ele não sabe como lidar com isso.

Sky, por sua vez, está apaixonada por Holder e decide que finalmente quer perder sua virgindade. Só que o que acontece na noite em que ela tenta fazer sexo com Holder é perturbador e ele é obrigado a revelar algo que vai virar a vida de Sky de cabeça para baixo!

Acho que não posso falar muito mais do que isso... 

Como eu disse, três coisas me incomodaram. Uma eu já comentei lá em cima. A segunda é que os diálogos são muito maduros. Holder dá conselhos como se tivesse vivido sessenta anos ao invés de dezoito!

A terceira coisa que me incomodou, e essa foi a que incomodou mais, foi o fato das lembranças serem tão profundamente recuperadas, nos mínimos detalhes! Gente, como uma pessoa de dezoito anos lembra do que fez aos seis anos de idade? Eu sei, dá pra lembrar de algumas coisas, eu tenho lembranças da minha infância, mas Holder e Sky lembram de detalhes, de cores de parede, de diálogos completos, de perguntas que fizeram e de respostas que obtiveram… para mim isso ficou muito estranho e inverossímil.

Então vocês talvez estejam se perguntando o por quê de eu ter escrito que Colleen é demais…

Sometimes you have to choose between a bunch of wrong choices and no right ones. You just have to choose which wrong choices feels the least wrong.

Às vezes você tem que escolher entre várias escolhas erradas e nenhuma certa. Você apenas tem que escolher aquela que parece ser a menos errada.

Gente, Colleen tem uma forma de escrever muito diferente e singular! Ela faz um jogo de palavras espetacular. Os títulos dos seus livros resumem o livro todo! Um Caso Perdido foi uma tradução muito pífia para Hopeless, título original! Hopeless tem um significado TÃO grande que chega a dar raiva de terem traduzido!

Esse pode não ter sido o melhor livro dela, mas ela é tão sagaz que o livro não fica cansativo em momento algum!

Observação: Conteúdo postado quando a plataforma do blog ainda era WordPress. Com a mudança, todos os comentários foram perdidos.

Nenhum comentário

Postar um comentário