11 de maio de 2015

Resenha | Dias de Sangue e Estrelas - Laini Taylor


Título: Dias de Sangue e Estrelas

Autora: Laini Taylor

Número de páginas: 444

Ano: 2013

Editora: Intrínseca

Skoob: AQUI
Sinopse: Karou, uma estudante de artes plásticas e aprendiz de um monstro, por fim encontrou as respostas que sempre buscou. Agora ela sabe quem é – e o que é. Mas, com isso, também descobriu algo que, se fosse possível, ela faria de tudo para mudar: tempos atrás Karou se apaixonou pelo inimigo, que a traiu, e por sua culpa o mundo inteiro foi punido. Na deslumbrante sequência de Feita de fumaça e osso, ela terá que decidir até onde está disposta a ir para vingar seu povo. Dias de sangue e estrelas mostra Karou e Akiva em lados opostos de uma guerra ancestral. Enquanto os quimeras, com a ajuda da garota de cabelo azul, criam um exército de monstros em uma terra distante e desértica, Akiva trava outro tipo de batalha: uma batalha por redenção… por esperança. Mas restará alguma esperança no mundo destruído pelos dois?

 
Eu demorei dois meses para terminar este livro! O inicio é muito chato. Muito mesmo! Pensei várias vezes em abandoná-lo, mas, sabendo do potencial que a história tem, pensei que, de repente, o livro ia melhorar e me surpreender! Fui lendo um pouquinho por dia e quando estava ficando chato demais eu parava no meio da página mesmo, nem me dava ao trabalho de lê-la até o fim. Foi uma leitura muito complicada, o que é uma pena.

Era uma vez um anjo e um demônio segurando um osso da sorte, que, ao ser partido dividiu o mundo em dois.

Dias de Sangue e Estrelas começa com um grande vácuo! Laini Taylor não começa esse livro do ponto onde parou o outro. A retomada da história foi infeliz e, se para mim que comecei a leitura de Dias de Sangue e Estrelas mais ou menos um mês após ter terminado Feita de Fumaça e Osso, foi confuso, imagine para quem leu meses depois?!

Em Feita de Fumaça e Osso, Karou e Akiva partiram o osso da sorte. Quando o osso foi partido, Karou lembrou-se de tudo. Lembrou-se de quem ela era, a que mundo pertencia, e quais consequências sofreu por ter amado o inimigo.

Após uma série de eventos, Karou e Akiva se separam e tomam rumos diferentes. Karou vai para Loramendi com a ajuda do anjo decaído Razgut e, ao chegar lá, só o que encontra é destruição. Os serafins acabaram com tudo – e todos. Não há mais Brimstone, não há mais Issa, não há mais Yasri, não há mais ninguém…aparentemente.

Vagando pelas terras destruídas de Loramendi, Karou acaba sendo encontrada por Thiago, o lobo branco, líder do exército quimera, que tomado pelo desejo de vingança vê em Karou uma chance de vencer a guerra.

Por ter sido ajudante de Brimstone no passado, Karou passa a ser a nova ressurreicionista dos quimeras. Só que essa missão é muito mais difícil do que parece. Os quimeras veem Karou como uma traidora, uma amante de anjo, por ela ter amado o inimigo, mas sabem que precisam dela para reconstruir seu povo.

Thiago, então, dá uma missão para Karou: fazê-los mais fortes e mais mortais. Para isso, ele faz com que seus soldados se atirem em um fosso para depois terem suas almas realojadas nos corpos monstruosos conjurados por Karou.

Karou nem parece aquela menina forte e corajosa do primeiro livro. Agora ela vive assustada e coberta de hematomas devido ao dízimo que tem que pagar para fazer as ressurreições.

Akiva, o Ruína das Feras, está totalmente devastado pelo que fez. Ele nem sabe se Karou está viva. E, caso esteja, será ela capaz de perdoar toda a destruição e toda a dor que ele infligiu à ela?

Akiva está cansado da guerra. Ele ainda deseja aquele mundo imaginado por ele e Karou, onde os quimeras e os serafins vivem em paz. Ele também está cansado de ser considerado um lixo, um bastardo, alguém que só veio ao mundo para tornar-se um soldado, uma máquina de matar quimeras. Com a ajuda de seus irmãos Liraz e Hazael, Akiva bola um plano para afastar Joram, o imperador dos serafins, do poder de uma vez por todas.

A narrativa continua em terceira pessoa, só que agora tivemos a oportunidade de conhecer outros personagens. Só achei tudo muito desorganizado! Uma hora a narrativa era no presente, outra hora no passado, outra hora ela estava narrando uma mesma cena do ponto de vista de outro personagem, confuso demais!

Enfim, não vou me alongar muito mais. Quis fazer essa resenha meia boca só para a leitura não passar em branco! Se você não entendeu a resenha não se preocupe. Os livros de Laini Taylor são muito peculiares, é uma história muito complexa para entender sem ter lido o primeiro livro!

O livro só foi ficar bom nos cinco últimos capítulos mais ou menos e terminou de uma maneira bem promissora. O terceiro livro, Sonhos com Deuses e Monstros, foi lançado esse ano e é um livro grandinho, com mais de 500 páginas. Eu vou ler porque, por mais chata que tenha sido a leitura de Dias de Sangue e Estrelas, eu ainda tenho esperança!

Observação: Conteúdo postado quando a plataforma do blog ainda era WordPress. Com a mudança, todos os comentários foram perdidos.

Nenhum comentário

Postar um comentário