9 de julho de 2015

Livro x Filme | Uma Longa Jornada

Oi, gente, tudo bem? Acho que eu já cheguei a comentar aqui o meu problema com o Nicholas Sparks, não é? Eu costumava não curtir os livros dele, mas adorava os filmes. Foi assim com Um Amor Para Recordar, Diário de Uma Paixão, Querido John... comecei a achar que o meu problema era a ordem em que eu fazia as coisas, vendo primeiro o filme para depois ler o livro. Como era possível eu adorar os filmes e não gostar dos livros se, no geral, a história era a mesma? Sendo assim, quando assisti ao trailer de Uma Longa Jornada, ano passado, resolvi fazer as coisas de outro modo, ou seja, ler primeiro o livro para aí então assistir ao filme.

Lançamento: 30 de abril de 2015

Duração: 2 horas e 19 minutos

Direção: George Tillman Jr.

Gênero: Romance, Drama

Elenco: Britt Robertson, Scott Eastwood, Alan Alda, Jack Huston, Oona Chaplin, Melissa Benoist.

Saiba mais: IMDb - Adoro Cinema
Sinopse: Aos 91 anos, com a saúde debilitada e sozinho no mundo, Ira Levinson (Alan Alda) sofre um acidente de carro e se vê abandonado em um lugar isolado. A poucos quilômetros de distância, a bela Sophia Danko (Britt Robertson) conhece o jovem cowboy Luke (Scott Eastwood), que a apresenta a um mundo de aventuras e riscos. De forma inesperada, os dois casais vão ter suas vidas cruzadas. 

Antes de qualquer coisa, leia a resenha do livro Uma Longa Jornada clicando AQUI. 😉

AMEI o livro. A história me conquistou e me surpreendi com o quanto gostei da leitura! Então, em abril, o filme estreou. Vi ontem à noite e, infelizmente, não curti. Quando comecei a ler o livro, depois de assistir ao trailer, pude perceber que eles haviam mudado muitas coisas.

Algumas ficaram até melhores, como a maneira que Sophia e Luke se conheceram. Achei a ideia de excluir o ex-boyfriend drama do filme bem legal, havia muitas coisas para serem exploradas, perder tempo com isso seria burrice.

Mas eles alteraram muitas coisas importantes e profundas! Coisas que causam impacto no leitor e que, consequentemente, poderiam causar o mesmo impacto no espectador. Como, por exemplo, o acidente de Ira, que se pronuncia Aira. Toda a sua agonia e suas alucinações com Ruth não foram mostradas!


Para mim, os capítulos narrados por Ira no livro foram, muitas vezes, lindos, cheios de amor, ternura e devoção à Ruth. Não senti a mesma coisa com a maneira como eles conduziram a inserção das memórias de Ira no filme…

Eu sei que isso é uma adaptação e que é querer demais que tudo fique igual, mas há certas particularidades que, se retiradas, fazem com que a história perca sua essência e sua beleza.

Britt Robertson, no papel de Sophia Danko, também não me conquistou. Não estou falando da atuação dela, que, não posso negar, foi muito boa. Britt, que tem vinte e cinco anos, aparenta ter quinze, dezesseis… então foram várias as vezes em que enxerguei uma adolescente.


Já Scott Eastwood ficou perfeito no papel de Luke! Eles também mudaram um pouco o drama do personagem, mas não foi uma coisa tão grave assim. Scott conseguiu transmitir muito bem a personalidade do cowboy.

Oona Chaplin, neta de Charles Chaplin, diga-se de passagem, que interpretou Ruth Levinson, atuou perfeitamente! A personalidade de Ruth, forte e alegre, foi muito bem absorvida por ela. Já Jack Huston, o ator que interpretou Ira na juventude, pecou pela falta de expressão. Sabe quando a boca fala, mas os olhos não transmitem? Então…


Os romances foram açucarados na medida certa, mas senti falta de certas passagens do livro, passagens bonitas. A química entre os atores foi muito boa. A de Britt e Scott foi ainda maior. Enquanto o olhar de Jack não transmitia praticamente nada, Britt e Scott, quando contracenavam, conseguiam me convencer que ali havia, sim, amor.

Já Alan Alda, que interpretou o idoso Ira… quanta fofura! Se fosse para definir a interpretação dele com uma única palavra eu escolheria desolação! O que é perfeito, pois Ira era isso, um homem desolado, um homem que perdeu metade dele mesmo.


Enfim, o filme não é nenhuma maravilha, mas também não é ruim! Para quem leu o livro e entendeu perfeitamente a mensagem que ele passa, acredito que a adaptação não vai lhes agradar. Porém, para quem nunca leu o livro, acho que os romances e essa peculiaridade de ser, mais ou menos, dois filmes em um só, serão interessante.

Observação: Conteúdo postado quando a plataforma do blog ainda era WordPress. Com a mudança, todos os comentários foram perdidos.

Nenhum comentário

Postar um comentário