21 de junho de 2016

Livro x Filme | Como Eu Era Antes de Você

Oi, gente, tudo bem com vocês? Hoje, finalmente, é dia de falar sobre a adaptação cinematográfica do livro Como Eu Era Antes de Você. Eu assisti ao filme na estreia e no dia seguinte já tinha começado a esboçar este texto. Porém, preferi esperar o entusiasmo inicial passar para poder analisar o filme com uma visão mais crítica. Algumas pessoas dizem que livros e suas adaptações não devem ser comparados, como assim? Claro que devem, sem o livro o filme não existiria, correto? Por isso existem roteiros originais e roteiros adaptados. O que não deve ser feito é achar que tudo deve colocado EXATAMENTE como acontece no livro.

Título original: Me Before You

Gênero: Drama, Romance

Duração: 1 hora 50 minutos

Diretora: Thea Sharrock

Roteiro: Jojo Moyes

Distribuidor: Warner Bros.

Saiba mais: IMDb - Adoro Cinema

Elenco: Sam Claflin, Emilia Clarke, Vanessa Kirby, Jenna Coleman, Matthew Lewis, Janet McTeer, Charles Dance, Stephen Peacocke, entre outros.

Sinopse: Rico e bem sucedido, Will (Sam Claflin) leva uma vida repleta de conquistas, viagens e esportes radicais até ser atingido por uma moto, ao atravessar a rua em um dia chuvoso. O acidente o torna tetraplégico, obrigando-o a permanecer em uma cadeira de rodas. A situação o torna depressivo e extremamente cínico, para a preocupação de seus pais (Janet McTeer e Charles Dance). É neste contexto que Louisa Clark (Emilia Clarke) é contratada para cuidar de Will. De origem modesta, com dificuldades financeiras e sem grandes aspirações na vida, ela faz o possível para melhorar o estado de espírito de Will e, aos poucos, acaba se envolvendo com ele.

Quando me perguntaram o que eu achei do filme minha primeira reação, como uma fã incondicional da história de Louisa Clark e William Traynor desde 2013, foi dizer que foi perfeito. Mudei de ideia? Não! Para mim o filme foi perfeito, mesmo com um roteiro muito enxuto.

Quando digo perfeito quero dizer que vi ali quase tudo o que de mais importante a história possui quando a intenção é emocionar. Quando digo roteiro muito enxuto quero dizer que Jojo Moyes, como roteirista e profunda conhecedora de sua historia, optou por mostrar a construção, mesmo que muito rápida, do relacionamento amoroso de Lou e Will e não do relacionamento pessoal deles. Sim, são coisas diferentes. No livro temos várias passagens onde Will faz Louisa almejar coisas novas e tenta fazer com que ela expanda seus horizontes, no filme não há isso. Há algumas das frases famosas do livro como a já conhecida “Você só vive uma vez. É sua obrigação aproveitar a vida da melhor forma possível”, mas há tanta interação bacana no livro que não foi aproveitada...


Há algumas mudanças que, para mim, não deveriam ter sido feitas. A família de Lou, no livro, não é tão amorosa e compreensiva. Eles são como sanguessugas que viam em Lou um salário a mais para botar comida na mesa. A família de Traynor também sofreu algumas mudanças, principalmente na personalidade dos pais de Will. E a irmã dele, Georgina, sequer aparece.

Senti falta, principalmente, da interação de Lou com outros tetraplégicos sob o codinome Abelha Atarefada. Quando fez isso ela pôde ter mais perspectiva e entender melhor a vida e as limitações de Will. Outra coisa que não foi mostrada é o momento em que ela e Will fazem suas respectivas tatuagens que, apesar de parecer banal, foi um momento muito libertador, pois Lou deixava de fazer muitas coisas por medo do que sua família e Patrick, seu namorado, poderiam pensar dela. Outra parte que foi cortada é a do labirinto, que era uma que eu queria muito ver, mas compreendo que para fazê-la seria necessário a utilização de flashbacks e isso não combinaria com o filme que foi entregue.


Emilia Clarke está muito confortável na pele de Lou. Mas achei que houve um certo exagero, principalmente nas expressões faciais. As sobrancelhas dela não paravam quietas e aquilo já estava me dando um certo desconforto. 😀 Mas foi uma grata surpresa ver o quanto ela está diferente dos seus mais recentes papéis. Em nada ela lembra Daenerys Targaryen, a primeira do seu nome, filha da tormenta, a não-queimada, mãe de dragões, Rainha de Mereen, Rainha dos... ok, parei!

Já Sam Claflin, o rei das adaptações, nasceu para interpretar William Traynor. É impressionante a sua interpretação dos movimentos limitados de Will! A posição dos dedos das mãos nos braços cadeira de rodas, o movimento dos olhos tentando alcançar um ponto cego, é tudo muito verossímil. Além disso, ele consegue transmitir toda a amargura do personagem com muita competência.


Não vou falar muito sobre os coadjuvantes porque eles são apenas isso mesmo. Mas vou dar um destaque especial para Stephen Peacocke que interpretou Nathan... que Peacocke!


A trilha sonora é um show à parte. As músicas são lindíssimas e combinam perfeitamente com a história. Mas eu diria que a trilha sonora oficial do filme é o funga-funga! Quando o filme terminou era tanta mulher fungando que deu até vontade de rir! Em suma, a adaptação de Como Eu Era Antes de Você, mesmo com algumas ressalvas, é uma das melhores adaptações que eu já assisti. Com esse pequeno texto eu quis mostrar que ela tem, sim, todas as limitações que o injusto tempo de 1h50m impõe, mas Jojo, como roteirista, não quis contar uma história somente para os leitores do livro, ela quis contar uma história para todos, e conseguiu, junto com Thea Sharrock, entregar um filme belo e inspirador.

Observação: Conteúdo postado quando a plataforma do blog ainda era WordPress. Com a mudança, todos os comentários foram perdidos.

Nenhum comentário

Postar um comentário