9 de julho de 2015

Livro x Filme | Uma Longa Jornada

Oi, gente, tudo bem? Acho que eu já cheguei a comentar aqui o meu problema com o Nicholas Sparks, não é? Eu costumava não curtir os livros dele, mas adorava os filmes. Foi assim com Um Amor Para Recordar, Diário de Uma Paixão, Querido John... comecei a achar que o meu problema era a ordem em que eu fazia as coisas, vendo primeiro o filme para depois ler o livro. Como era possível eu adorar os filmes e não gostar dos livros se, no geral, a história era a mesma? Sendo assim, quando assisti ao trailer de Uma Longa Jornada, ano passado, resolvi fazer as coisas de outro modo, ou seja, ler primeiro o livro para aí então assistir ao filme.

Lançamento: 30 de abril de 2015

Duração: 2 horas e 19 minutos

Direção: George Tillman Jr.

Gênero: Romance, Drama

Elenco: Britt Robertson, Scott Eastwood, Alan Alda, Jack Huston, Oona Chaplin, Melissa Benoist.

Saiba mais: IMDb - Adoro Cinema
Sinopse: Aos 91 anos, com a saúde debilitada e sozinho no mundo, Ira Levinson (Alan Alda) sofre um acidente de carro e se vê abandonado em um lugar isolado. A poucos quilômetros de distância, a bela Sophia Danko (Britt Robertson) conhece o jovem cowboy Luke (Scott Eastwood), que a apresenta a um mundo de aventuras e riscos. De forma inesperada, os dois casais vão ter suas vidas cruzadas. 

Antes de qualquer coisa, leia a resenha do livro Uma Longa Jornada clicando AQUI. 😉

AMEI o livro. A história me conquistou e me surpreendi com o quanto gostei da leitura! Então, em abril, o filme estreou. Vi ontem à noite e, infelizmente, não curti. Quando comecei a ler o livro, depois de assistir ao trailer, pude perceber que eles haviam mudado muitas coisas.

Algumas ficaram até melhores, como a maneira que Sophia e Luke se conheceram. Achei a ideia de excluir o ex-boyfriend drama do filme bem legal, havia muitas coisas para serem exploradas, perder tempo com isso seria burrice.

Mas eles alteraram muitas coisas importantes e profundas! Coisas que causam impacto no leitor e que, consequentemente, poderiam causar o mesmo impacto no espectador. Como, por exemplo, o acidente de Ira, que se pronuncia Aira. Toda a sua agonia e suas alucinações com Ruth não foram mostradas!


Para mim, os capítulos narrados por Ira no livro foram, muitas vezes, lindos, cheios de amor, ternura e devoção à Ruth. Não senti a mesma coisa com a maneira como eles conduziram a inserção das memórias de Ira no filme…

Eu sei que isso é uma adaptação e que é querer demais que tudo fique igual, mas há certas particularidades que, se retiradas, fazem com que a história perca sua essência e sua beleza.

Britt Robertson, no papel de Sophia Danko, também não me conquistou. Não estou falando da atuação dela, que, não posso negar, foi muito boa. Britt, que tem vinte e cinco anos, aparenta ter quinze, dezesseis… então foram várias as vezes em que enxerguei uma adolescente.


Já Scott Eastwood ficou perfeito no papel de Luke! Eles também mudaram um pouco o drama do personagem, mas não foi uma coisa tão grave assim. Scott conseguiu transmitir muito bem a personalidade do cowboy.

Oona Chaplin, neta de Charles Chaplin, diga-se de passagem, que interpretou Ruth Levinson, atuou perfeitamente! A personalidade de Ruth, forte e alegre, foi muito bem absorvida por ela. Já Jack Huston, o ator que interpretou Ira na juventude, pecou pela falta de expressão. Sabe quando a boca fala, mas os olhos não transmitem? Então…


Os romances foram açucarados na medida certa, mas senti falta de certas passagens do livro, passagens bonitas. A química entre os atores foi muito boa. A de Britt e Scott foi ainda maior. Enquanto o olhar de Jack não transmitia praticamente nada, Britt e Scott, quando contracenavam, conseguiam me convencer que ali havia, sim, amor.

Já Alan Alda, que interpretou o idoso Ira… quanta fofura! Se fosse para definir a interpretação dele com uma única palavra eu escolheria desolação! O que é perfeito, pois Ira era isso, um homem desolado, um homem que perdeu metade dele mesmo.


Enfim, o filme não é nenhuma maravilha, mas também não é ruim! Para quem leu o livro e entendeu perfeitamente a mensagem que ele passa, acredito que a adaptação não vai lhes agradar. Porém, para quem nunca leu o livro, acho que os romances e essa peculiaridade de ser, mais ou menos, dois filmes em um só, serão interessante.

Observação: Conteúdo postado quando a plataforma do blog ainda era WordPress. Com a mudança, todos os comentários foram perdidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tami Marins

Carioca e leonina, acha que nasceu na época errada. Lê desde que se entende por gente e é viciada em séries e em café. Escuta sempre as mesmas músicas, assiste sempre aos mesmos filmes e sonha escrever seu próprio livro.

Meta de leitura

2021 Reading Challenge

2021 Reading Challenge
Tamires has read 32 books toward her goal of 100 books.
hide

Buscando algo?

Instagram

Seguidores

Facebook


Lançamentos

Destaque

Resenha | Layla - Colleen Hoover

Arquivos

Mais lidos

Editoras parceiras

Eu participo!

Compre na Amazon

Meu Epílogo
<a href='https://www.meuepilogo.com/' title='Meu Epílogo'><img src='https://1.bp.blogspot.com/-xNUSD96vAUU/YVb0vkp-eJI/AAAAAAAA1_o/XS_Lbq86YRMimTG4vvdYpkdLE7EkW03DQCLcBGAsYHQ/s16000/banner_linkme.png' alt='Meu Epílogo' width="150" height="70"></a>
Tecnologia do Blogger.

Direitos Autorais

Licença Creative Commons
Este blog está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Plágio é crime! Não copie, crie.