10 de janeiro de 2018

Resenha | Antes da Tempestade - Dinah Jefferies


Livro cedido em parceria com a editora.

Autora: Dinah Jefferies

Número de páginas: 344

Ano: 2017

Editora: Paralela

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Rajputana, Índia, 1930. Desde a morte de seu marido, a jovem inglesa Eliza tem como única companhia sua câmera. Determinada a se firmar como fotógrafa profissional, ela acaba de aceitar um convite do governo britânico para se hospedar durante um ano no castelo da família real local. Sua missão: fotografar, para o acervo da Coroa britânica, a vida no Estado principesco de Juraipore.

Ao conhecer Jayant, irmão mais novo do marajá, Eliza embarca na aventura mais transformadora de sua vida. Acompanhada pelo príncipe rebelde e misterioso, ela conhecerá uma terra marcada por contrastes — com paisagens de beleza incomparável, cultura rica e vibrante e, ao mesmo tempo, a mais devastadora das misérias.

Enquanto Eliza desperta Jayant para a pobreza que circunda o castelo, ele mostra a ela as injustiças do domínio britânico na Índia. Juntos, descobrem uma afinidade de alma e uma paixão arrebatadora. Mas a família real fará de tudo — até o impensável — para impedir a aproximação entre o nobre indiano e a viúva inglesa.


Só conhecem o amor aqueles que o amor destrói.

Delhi, Índia, 1912. Eliza Fraser era apenas uma criança alegre quando testemunhou uma grande tragédia, tragédia esta que teria um grande impacto em sua vida e na vida de sua mãe, Anna. Após o ocorrido, Eliza e sua mãe retornam à Londres para tentar seguir a vida. Os anos passam e agora estamos em 1930, Eliza acaba se casando com Oliver, mas o enlace não dura muito e a jovem fica viúva repentinamente.

Anna entra em contato com Clifford Salter, um amigo da família, com o intuito de conseguir um emprego para Eliza, que cismava em ser fotógrafa, uma paixão recém-descoberta que Anna abominava. Acontece que o tiro acaba saindo pela culatra, pois Clifford, que é o representante da Coroa britânica na Índia, acaba convidando Eliza para trabalhar justamente como fotógrafa, documentando em imagens a vida da família real e dos arredores de Juraipore, em Rajputana. Eliza encara essa viagem como uma nova chance que a vida está lhe dando para finalmente ser feliz e embarca para Índia sem ao menos olhar para trás.

Em Juraipore, Eliza fica impressionada com a imponência do castelo que seria sua moradia pelos próximos doze meses. As cores, os aromas e as pessoas levam-na a crer que seu trabalho será deveras enriquecedor. Só que nem todos os moradores do castelo ficam felizes com sua presença, já que, por ser inglesa, ela representa a dominação da qual eles tanto querem se ver livres. Os únicos que tratam Eliza com cortesia são Laxmi, ex-maharani do Estado principesco, o rajá Jayant e Indira, uma jovem acolhida pela família real; além, claro, do próprio Clifford.

Jayant possui um espírito aventureiro e não tem nenhuma pretensão de ocupar o posto de marajá que agora está nas mãos de Anish, seu irmão. Ele gosta de fazer expedições pela terra que tanto ama e da qual tanto se orgulha, o que faz com que ele ganhe rapidamente a simpatia de Eliza.

O príncipe parecia muito sossegado enquanto continuavam a conversar sobre a vida em Rajputana. Dava para ver o quanto amava sua terra natal. Apesar de ter sido educado na Inglaterra, era evidente que ali era seu lugar. O nervosismo inicial que ela sentira na véspera se dissipara completamente. Ao final do segundo dia em sua companhia, Eliza se sentia razoavelmente à vontade.

As semanas vão passando e Eliza e Jayant vão ficando cada vez mais próximos. Enquanto ele mostra para a jovem as belezas e os segredos de Juraipore e adjacências, Eliza abre os olhos do rapaz para a miséria e a injustiça que os circunda. Juntos eles pensam em melhorias para o povo da região e, quanto mais tempo passam na companhia um do outro, maiores ficam seus sentimentos.

Mas as coisas não serão assim tão fáceis, pois sendo um rajá, Jayant precisa fazer um bom e vantajoso casamento, casar-se com uma estrangeira, ainda mais uma inglesa, está fora de cogitação. E o fato de Eliza ser viúva - o que ela esconde de quase todo mundo - torna tudo ainda pior, pois antigamente as viúvas eram queimadas por não terem sido capazes de manter os maridos vivos. Uma viúva era sinal de má sorte.

Também tem início uma grande animosidade entre os movimentos em prol da independência da Índia contra o domínio britânico, o que coloca mais um obstáculo entre Eliza e Jayant. E, para completar, a jovem ainda começa a suspeitar que o convite de Clifford não era tão bem intencionado quanto ela imaginava.


Eliza não sabe se o amor que sentem um pelo outro será capaz de resistir a tantos empecilhos, a ela só resta uma opção: tentar fazer dar certo. Cabe ao destino cooperar ou não.

Eliza nunca fora tão feliz. Acordava animada e ia dormir com um sorriso no rosto. Por que ninguém nunca havia dito a ela que aquilo era possível? O pensamento a fez imaginar como seus pais conviviam. Não era possível que alguém que tivesse vivido aquilo, pelo menos uma vez na vida, não pudesse amar a vida para sempre.

••••••••••

Quem nunca foi trollado pelo monstrinho da expectativa que atire a primeira pedra. O Perfume da Folha de Chá foi uma das minhas melhores leituras do ano passado e eu sou aquele tipo de leitora que, quando ama um livro de determinado autor, acha que vai amar tudo o que ele escreve. Culpa do autor? Jamais! Culpa minha, óbvio! Cada trama é única e singular, e a história de Eliza e Jayant não tem nada a ver com a de Gwen e Laurence. A única semelhança está na incrível e sensorial narrativa de Dinah, que novamente consegue fazer o leitor enxergar cores e texturas e sentir os aromas descritos ao longo da história. E como a trama é ambientada na Índia, país tão colorido e conhecido por seus temperos fortes e perfumes, o que não faltou foi essa projeção que tanto amo e que pouco acontece, pelo menos comigo.

Dinah é uma autora detalhista, ela gosta de descrever tudo com minúcia e há quem não curta muito isso... eu sou uma dessas pessoas. Gosto de histórias mais sucintas, que vão direto ao ponto sem muitos rodeios. Mas por incrível que pareça meu problema não foi esse, pois, como já mencionei acima, amo a narrativa da Dinah. O que não me agradou em Antes da Tempestade foi a história em si, que infelizmente não conseguiu me conquistar. Fiquei muito mais encantada com tudo o que estava sendo descrito do que com a própria história.

Esse livro tem um teor bem sociopolítico, teor este que foi e ao mesmo tempo não foi bem explorado, entendem? Ele estava ali sendo mencionado, estava ali atravancando as coisas para os protagonistas, mas ao mesmo tempo não foi aprofundado de uma maneira relevante. O mesmo acontece com o romance, que não é instantâneo, o que é uma vitória, mas que ficou ali na superfície e não fez com que eu torcesse para dar certo.


Eliza não é uma personagem carismática, mas admirei sua coragem de se impor e de se colocar no lugar do próximo. Ela estava ali apenas para retratar uma realidade, mas ela quis ir além, ela quis mudá-la, quis fazer com que as pessoas tivessem mais dignidade e eu achei isso um grande acerto da autora, o de não fazer da ida de Eliza à Índia apenas o meio para um fim, que seria o final feliz com Jayant. Ela realmente queria fazer a diferença e isso foi interessante de acompanhar. Já Jayant foi meio irrelevante para mim, enxerguei-o mais como uma ponte entre a Eliza do passado a nova Eliza, não consegui enxergá-lo como um líder, nem mesmo quando Eliza fez com que ele finalmente percebesse toda a desigualdade que o rodeava. Em que mundo ele estava vivendo? Ok, às vezes a gente precisa que outra pessoa abra os nossos olhos, mas logo ele, que fazia questão de demonstrar o orgulho que sentia por sua cultura, não enxergava as dificuldades do seu povo?

Também senti falta de um maior desenvolvimento de tramas secundárias. Os demais personagens quase não têm função, os dois que ainda têm uma trama mais interessante são Chatur, homem que é uma espécie de administrador do castelo e que não é flor que se cheire, e Indira, que em dado momento fica no meio de uma reviravolta que não chegou a me surpreender.

A edição da Paralela está linda e essa capa é uma coisa maravilhosa, dá vontade de deixar virada para frente na estante! 💜 Não encontrei erros de revisão e a diagramação está ótima, simples e confortável, como é o padrão da editora.


Ainda que Antes da Tempestade não tenha sido uma leitura 100% prazerosa, digo que é uma história que merece atenção por seus cenários bem construídos e pela visível pesquisa histórica no qual ela foi embasada. Continuarei lendo as histórias de Dinah Jefferies e espero que o próximo livro seja publicado o quanto antes, não desisto fácil e sei que a autora ainda vai me fazer sentir daquele jeito novamente.

36 comentários

  1. Oi Tami!
    Me lembro da resenha do outro livro da autora q vc fez, tinha gostado tanto!
    Confesso que o enredo de Antes da tempestade não me chamou muita atenção logo de cara...
    As capas desses livros são tão lindas, né? *-*
    Bjs, te indiquei num prêmio lá no blog <3
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tami!

    Sei bem como é essa sensação de se apaixonar por uma obra, achar que por conta disso vai amar todos os outros livros do autor, e no fim dar de cara no chão. Tive essa mesma experiência com a Jojo Moyes, e é bom pra gente aprender pra não cometer o mesmo erro nas próximas vezes haha. Uma pena que Antes da Tempestade tenha tantos pontos que poderiam ter sido melhor desenvolvidos. Basicamente, a melhor parte da história acaba sendo as descrições, e eu que não sou muito chegada em descrições excessivas, acho que não daria uma obra pra chance, não :( ótima resenha!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jojo também já me decepcionou bastante, até desisti dela! Hahaha

      Excluir
  3. Oi, Tami!
    Nem me fala em decepção de livros... teve uns na minha vida que eu queria esquecer que li.
    Pena que a autora não soube desenvolver algumas coisas, principalmente o teor sociopolítico.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  4. Oi Tami! Uma colaboradora do blog leu e teve a mesma impressão que parece que este difere um tanto do primeiro, já que tem menos romance. De qualquer forma eu ainda tenho certa curiosidade em ler algo da autora. Espero que o próximo seja melhor.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lê sim, Mi. Lê O Perfume da Folha de Chá, você não vai se arrepender!

      Excluir
  5. Oi, Tami. Acho que você fez isso com uma outra obra da Tillie Cole kkk mas todo mundo tem expectativas né? Eu ainda não li o primeiro livro, na real, a capa já me deixa receosa que seja uma história enfadonha, por isso ainda não comecei, mas mesmo assim é bom se surpreender. É uma pena que você não tenha gostado. Ultimamente tô lendo livros que os autores não estão conseguindo desenvolver bem a história, tá sendo frustrante.
    Beijo!
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmmmm, o outro da Tillie foi Sweet Home. Como faz pra esquecer aquilo? Hahahahah

      Excluir
  6. Oie, tudo bem?
    Nossa, nem comenta sobre decepção com livros, acho que todo mundo já passou por isso né, e como você mesma disse, a culpa não está no autor, e sim em nós que vamos depositando milhões de expectativas no livro.
    Eu ainda não conheço a autora pois não faz meu tipo de leitura, mas achei tudo muito maravilhoso e principalmente o cenário que ela escolheu, a Índia, um lugar tão maravilhoso que sonho em conhecer um dia.
    Parabéns pela sua resenha <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sonho em conhecer a Índia, acho um país fantástico!

      Excluir
  7. Ai que resenha linda! Amei!
    Eu conheço O Perfume da Folha de Chá, mas nunca li. As meninas de um grupo que eu participo no face simplesmente VENERAM esse livro. Até ver a foto dos dois juntinhos ali não tinha me tocado que era da mesma autora (mesmo com a semelhança das capas), de quem eu nunca tinha prestado atenção no nome pra ser sincera.
    Apesar de ter lido a resenha desse (eu estava até interessada, mas parece que temos um jeito pareceido de pensar, apesar de eu adorar descrições) miou a minha vontade mas acendeu muito a de ler OPdFdC, que já tava na minha lista. Vou lá caçar sua resenha desse pra ler rs

    Bjão!

    http://www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então leia sim O Perfume da Folha de Chá, pois é muito maravilhoso!

      Excluir
  8. Olá, Tamires.
    Estou com medo de ler esse livro agora. A sua não é a primeira resenha falando sobre ter se decepcionado com o livro. Eu também amei o outro livro dela e estou com as expectativas bem altas. Tomara que eu goste mais do que você. Essas capas são demais e te entendo hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Oi Tami,
    Estou muito ansiosa pra ler algo da autora, principalmente o primeiro lançado. O cenário que difere das maiores narrativas, já me agrada bastante. Gostei da premissa, apesar das ressalvas. Na verdade, são boas pra gente ir com calma. Ah, mas acho que até os nossos autores favoritos tem derrapadas, mas a gente segue amando ahaha Ótima resenha.

    P.S.: Também estou querendo assistir Fala Sério, MãE! HAHA mas nem vai rolar no cine, vou esperar chegar no Telecine kkkk

    Quando vc começar a ler Boneco de Neve e estiver um pouco depois da parte da Sylvia, dá um grito em uma das redes sociais, q te falo hahahaha mas presta atenção na maneira q ela morre e nas coisas que eles falam sobre o instrumento!

    bjs
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que se interessou apesar das minhas ressalvas, Nana! É assim que tem que ser, ler pra tirar as próprias conclusões!

      E sobre dar o grito, deixa comigo!

      Excluir
  10. Oi! Confesso que me apaixonei pelas capas dos livros e sinto uma vontade enorme de ler. As resenhas dela são positivas, mas sempre carregadas de um "mas". No entanto, como disse no final é uma história que merece atenção. Bjos <3

    Click Literário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo menos a minha de O Perfume da Folha de Chá não teve nenhum mas... hahahahaha

      Excluir
  11. Eu amei o primeiro livro dessa autora e confesso que estava com as expectativas lá em cima pra essa obra hahaha uma pena ela nao ter agradado você, Tami. Acho fundamental que os personagens secundários e suas tramas sejam bem desenvolvidos, se não fica uma enorme lacuna, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Day. Mas aí também depende do que o leitor considera bom desenvolvimento ou não, né? Por isso que sempre digo que, se a pessoa quer ler o livro, melhor não levar uma resenha ao pé da letra.

      Excluir
  12. Confesso que ao começo da resenha até me interessei pela historia e tals, mas quando chegou na sua opinião eu percebei que não seria uma boa leitura para mim...não gosto de leitura descritiva me da sono e não sei, posso estar enganada mas pareceu uma leitura mas arrastada, então prefiro passar. Mas sua resenha esta perfeita, vc conseguiu dizer tudo do livro. Parabéns
    Bruna
    https://odiariodoleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Parece ser um bom enredo, que apresenta uma cultura diferente das que estamos habituadas nos romances, sem contar nos fatos históricos que você mencionou. Eliza parece uma mulher forte, chamando ainda mais minha atenção para tal leitura. Ótima dica.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oi, também li O perfume da folha de chá e foi uma das melhores leituras do ano, assim como foi pra você. Nossa, não esperava uma quebra de expectativa em relação ao segundo livro da autora. E também concordo que o problema é nosso por esperar demais, haha. Mas mesmo assim queria ter minha opinião, então vou lê-lo. E volto pra te contar se concordo com você!

    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir
  15. Heiii, tudo bem?
    Sempre quis ler algo da Dinah Jefferies, ainda mais que o livro anterior publicado foi um sucesso, como vc disse, uma das suas melhores leituras.
    Eu ainda nao li nenhuma resenha do novo livro e pelo que vejo ela nao conseguiu sustentar a mesma força do anterior.
    Mas ainda assim, quero ler os dois livros e realmente a edição está maravilhosa.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  16. Olá, tudo bom?

    Ainda não conheço o trabalho da Dinah, mas já me interessei só pelo ambiente que é retratado. Nunca li nenhum livro que se passe na Índia e gostei bastante que ela tenha retratado esse confronto entre ela e a Inglaterra. É uma pena que isso não foi bem explorado, nem que o Jayant não tenha percebido, antes de Eliza, as mazelas que o país passava. Realmente, como alguém que poderia ser o líder não percebeu isso antes? Mas, pelo menos, a narrativa é daquelas que nos fazem entrar na história, nos fazendo enxergar cores e texturas. Parece ótimo e eu, com certeza, fiquei curiosa para ler o livro anterior, O Perfume da Folha de Chá.

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Olá Tamiris, tudo bem?

    Eu não tive a oportunidade de ler O perfume da folha de chá, embora só sabia que gostava da capa e nunca fui atrás de sinopse nem nada do tipo... Eu não sei porque tenho uma certa aversão com personagens e enredos que envolvem o oriente, então vou deixar essa dica passar.

    Beijo
    @blogodiariodoleitor

    ResponderExcluir
  18. Comecei a ler ontem esta obra e por enquanto não estou achando ruim, mas vi várias resenhas negativas deste livro e fico com o pé meio atrás sabe. Mas é um estilo de escrita que não estou muito acostumada e uma cultura que também não leio muito.

    ResponderExcluir
  19. Oi, tudo bem?
    No entanto, achei uma pena você ter se decepcionado. Como você, quando gosto do livro de um autor sempre acho que vou gostar de todas as suas obras e também já quebrei a cara por isso.
    Eu admito que não senti curiosidade nem pelo outro livro da autora, que é muito elogiado, inclusive por você. Não parece o tipo de leitura que me prende. Lendo sua resenha, tive ainda menos vontade de Antes da Tempestade. Acho que iria me incomodar com esse conteúdo sociopolítico que não é explorado com profundidade, mas atrapalha os protagonistas.[
    De qualquer forma, adorei a sinceridade de sua resenha e, apesar de não ter intenção de ler Antes da Tempestade, talvez, dê uma chance para O perfume da folha de chá futuramente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Oiee Tamires ^^
    Assim como você, eu fui com muita sede no pote e acabei decepcionada. "O perfume da folha de chá" não chegou a ser um dos melhores livros que eu li, mas gostei bastante da história, e esperava que o mesmo fosse acontecer com "Antes da tempestade". Eu gostei do teor político da história, e os costumes citados no livro (sobre as viúvas) me deixaram tremendo toda, mas eu não consegui gostar dos personagens :/
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br/2018/01/underground-airlines.html

    ResponderExcluir
  21. Oi Tami!
    Estou bem animada pra conhecer a escrita da autora e sou bem desse jeito quando gosto da escrita quero ler tudo que lançam. Acredito que todo pano de fundo que consiste a história deve estar lindo e uma pena que os personagens não te arrebataram dessa vez.
    Mesmo assim quero dar uma chance a essa leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes.

    ResponderExcluir
  22. Olá Tamires!!!
    Eu juro qie tinha visto os livros autora, mas não tinha me encantado pelo enredo. Porém, lendo sua resenha o livro e a escrita da autora me interessaram.
    Eu sou do mesmo jeito quando gosto de um livro de um autor, eu acho qhe vou amar todos que ele vai escrever.
    Uma pena o livro não ter lhe agradado tanto, porém fiquei curiosa pela história.

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Oi, tammy. Me senti igual a você, e fui pega pelo bichinho da expectativa, que claro, acabou me decepcionando bastante. Mas assim como você não perderei as esperanças de um enredo melhor dessa autora, tão incrível como foi o perfume da folha de chá.

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bem?

    Eu quero muito ler o outro livro da autora. Eu tinha visto uma indicação dele num blog e fiquei mega curiosa com o enredo. Ainda não consegui comprar, mas já está na minha lista de leituras deste ano. Espero conseguir. Uma pena que o livro não tenha sido o que você esperava, mesmo assim ainda quero muito lê-lo.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  25. Oi,
    ainda não li nenhum livro dessa autora, estou louca para ler "O perfume da folha de chá", mas como ainda não tenho meu exemplar vou começar a leitura por "Antes da tempestade", de qualquer forma já estarei atenta para o caso de não me ver fisgada totalmente por esta história, ainda dar uma chance para a escrita da autora.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir