21 de agosto de 2018

HBO | O Conto

No último sábado, a HBO exibiu O Conto, filme escrito e dirigido por Jennifer Fox que conta a história de sua própria vida. É um filme pesado, doloroso, difícil de assistir, mas muito, muito necessário.

Título original: The Tale

Lançamento: 18 de setembro de 2018

Duração: 1h 54min

Direção: Jennifer Fox

Gênero: Drama

Elenco: Laura Dern, Isabelle Nélisse, Elizabeth Debicki, Frances Conroy, Jason Ritter, John Heard, entre outros.

Saiba mais: IMDb
Sinopse: Uma mulher que filma um documentário sobre vítimas de estupro na infância começa a questionar a natureza de sua relação de infância com seu instrutor de equitação e treinador de corrida.


Jennifer (Laura Dern) é uma cineasta de quarenta e oito anos que nunca se casou ou teve filhos. Namorando Martin (Commom) há algum tempo, os planos de casamento surgem, mas ela está sempre dispersa, como se essa fosse umas das suas últimas preocupações. Jennifer começa a entender todos os caminhos que sua vida tomou quando Nettie (Ellen Burstyn), sua mãe, encontra um conto que a filha escreveu quando tinha apenas treze anos.

Aos treze anos, Jennifer treinava equitação com Jane (Elizabeth Debicki), personagem que em boa parte do filme é chamada apenas de Sra. G, por quem Jennifer nutria uma profunda admiração. Mas todo o empenho de Sra. G em tornar-se amiga de Jennifer continha uma terrível má intenção, que era a de introduzir a menina em seu romance clandestino com Bill (Jason Ritter). Sim, vocês não leram errado. E sim, este filme aborda a pedofilia de uma forma crua e realista.

Meu sentimento durante todo o filme foi apenas um, o de revolta! O Conto é pura e simplesmente a desromantização de um abuso. Jennifer se recusa a ser uma vítima, mas é isso o que ela é; vê-la percorrer todo o caminho até o momento em que realmente entende o que lhe aconteceu é desolador. O filme é muito bem dividido entre a Jennifer adulta e a Jennifer criança (Isabelle Nélisse), e assim podemos ver o quão tortas são suas lembranças sobre seu passado. Ela maquiou tanto suas memórias que nem o fato de produzir um documentário sobre abuso sexual infantil fez com que ela saísse de seu transe.

Em suas nebulosas lembranças, Jennifer encarava tudo aquilo como um romance! Mas como ela, aos treze anos, poderia viver um romance com um homem na casa dos quarenta? É conversando com pessoas de seu passado, muitas delas com as quais nem mantinha mais contato, que Jennifer vai compreendendo a gravidade do que lhe aconteceu.

Photo by Kyle Kaplan - © 2018 - HBO
Photo by Kyle Kaplan - © 2018 - HBO
O mais interessante deste filme é a troca entre a Jennifer adulta e a Jennifer criança através das lembranças desta primeira. Há uma cena quase no finalzinho do filme, onde a Jennifer de treze anos está andando por um corredor argumentando com a Jennifer de quarenta e oito que nossa, me arrepio só de lembrar, estou arrepiada neste momento ao escrever este parágrafo!

Já adianto: se você for sensível a este tipo de conteúdo não assista a este filme, pois há cenas muito chocantes! Saber que o filme é dirigido pela pessoa que sofreu tais abusos deixa tudo ainda mais real, imagino como deve ter sido difícil trabalhar tal enredo com uma criança envolvida nas filmagens. Todas as cenas sexuais são obviamente filmadas com uma dublê adulta, mas mesmo tendo esse conhecimento não há como não sentir nojo de tudo aquilo. Como eu disse lá no início da postagem: é revoltante!!! Jennifer foi muito corajosa ao se expor dessa maneira. Imagino quantas pessoas ela vai ajudar com este filme, inúmeras, milhares!

O elenco é excelente! Laura Dern, que foi indicada ao Emmy por sua performance, dá um verdadeiro show de atuação. Ela começa com o ceticismo, passa pela confusão, pela negação, pela revolta... até chegar ao luto, luto pela criança que foi violada, luto por aquilo que ela poderia ter se tornado se sua história fosse outra. Isabelle Nélisse não fica atrás, ela conseguiu captar toda a importância da história que estava contando e em uma entrevista disse até que aceitou o papel para poder ajudar crianças que estão passando pela mesma situação. E o mais importante deste filme é que ele não retrata os abusadores como pessoas más, muito pelo contrário. Ele reforça que o abusador, na maioria das vezes, é o lobo em pele de cordeiro, é uma pessoa próxima, não é aquele que força, que deixa marcas aparentes, é aquele que ludibria.

O Conto foi um dos melhores filmes que assisti nos últimos tempos e espero que ele ganha cada vez mais admiradores, pois quanto mais gente o conhecer, mais longe ele vai chegar... e mais vidas ele vai salvar!


24 comentários

  1. Oiii Tami

    eu gosto demais da Laura Dern como atriz, acho ela versátil. A trama é bem dura, imagino que seja em muitos momentos chocante mesmo e o fato da Jennifer ter sofrido os abusos deve deixar no espectador uma sensação de desconforto e tensão, revolta até. Eu sou bem sensivel com esses temas, não sei se assistiria, mas gostei de saber mais sobre

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desconforto nem chega a definir, é muito mais do que isso.

      Excluir
  2. Oi, Tami
    Só conseguia pensar Que Pesado! Eu já assisti filmes com essa temática, mas acho que retratar a história da diretora do filme dá um ar mais crível. Me enoja saber algo assim, fico triste ao saber que uma mulher ajuda o namorado a fazer esse tipo de coisa com uma criança, isso é horrendo e absurdo. Com certeza quero ver, será que tem na internet? Eu não tenho TV a cabo.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  3. Hey Tamires! Tudo bom?
    Eu não conhecia esse filme, mas vou procurar por ele pra assistir, pois concordo com vc que (apesar de difícil) é necessário assisti-lo.
    Obrigada pelo comentário lá no blog.
    Volte sempre!

    ~ miiistoquente

    ResponderExcluir
  4. Oi, Tami!
    Menina do céu, eu já quero ver esse filme. Faz tanto tempo que eu vejo propagandas e pôsteres... Tem que ter estômago forte mesmo.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  5. Oie Tami =)

    Li uma resenha desse filme e fiquei interessada, já que gosto de um bom drama. Porém, sei que aqui a carga dramática é ainda mais pesada visto que a história é baseada em uma história real.

    Espero ter a oportunidade de assistir em breve.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  6. Oi Tamires!
    Eu não conhecia o filme e esse é o segundo post que leio hoje sobre ele. Não tenho duvidas de que deve ser um filme extremamente pesado, difícil de engolir e revoltante, como você disse, mas parece que conseguiu abordar muito bem o tema. Fiquei curiosa para assistir.
    Beijos,
    Alem da Contracapa

    ResponderExcluir
  7. Oi Tami! A sua é a segunda resenha do filme que leio e acho que o tema é bem relevante e pelo visto foi abordado de maneira digna, mas no momento não estou no clima para algo tão denso. Vou ver, mas não agora. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz bem em esperar o momento certo, esse filme precisa disso.

      Excluir
  8. Oi Tami, tudo bem? Pelas resenhas que ando lendo o filme parece ser realmente bem mais forte do que eu esperava. Vou precisar me preparar psicologicamente pra poder assistir.... mas que bom que vc curtiu.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Oi Tami, tudo bem?
    Nunca tinha ouvido falar, mas tendo a Laura Dern já fiquei interessada, ela é ótima.
    Eu adoro enredos que mexem com o leitor/espectador, acho que isso é importante pra sairmos da zona de conforto. Entretanto, pedofilia é algo punk demais, nojento demais. Não sei se vou encarar. :(
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você acha muito pesado melhor não assistir mesmo, Priih.

      Excluir
  10. Oi Tami,

    Gosto da Laura Dern. A história parece ser bem pesada pelos fatos. Não sei se assistiria agora, acho que estou em outra ''vibe'' no momento.
    Mas a dica está guardada.
    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
  11. Olá, Tamires.
    Eu já tinha visto uma resenha dele lá no blog da Nana. E como disse lá, não tenho coragem de assistir. Ainda mais sabendo que aconteceu tudo aquilo mesmo. Mas como você disse, ele pode salvar vidas. Foi lendo um livro do tipo que reconheci que já passei por aquilo. E acredito que filmes são ainda mais impactantes e servem para dar coragem as pessoas que estão passando por isso.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, por isso quanto mais longe ele chegar, melhor.

      Excluir
  12. Oi, Tami!
    É a segunda vez que vejo alguém falando desse filme e nas duas foram comentários positivos. Se eu já estava com vontade de assistir, agora estou mais ainda! hahaha Adoro filmes com tramas impactantes e que são fortes. Quero assistir em breve.
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero muito que você aprecie o filme, Mari! :*

      Excluir