11 de setembro de 2018

Resenha | O Destino de Tearling - Erika Johansen


Autora: Erika Johansen

Tradutora: Regiane Winarski

Série: A Rainha de Tearling #3

Número de páginas: 360

Ano: 2018

Editora: Suma

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Desde que assumiu o trono de Tearling, Kelsea Glynn passou de princesa inexperiente a rainha destemida. Sua busca por justiça fez com que todo o reino mudasse com ela, mas quando os inimigos que fez ao longo do caminho ameaçam destruir seu povo, ela toma uma decisão inimaginável: se rende à Rainha Vermelha em troca de salvar Tearling.

Trancafiada em Mortmesne e sem as suas safiras nem seus homens de confiança, Kelsea precisa recorrer mais uma vez ao passado, às experiências de mulheres que viveram antes dela, buscando em suas histórias a saída para uma situação impossível.

O jogo está para terminar, e o futuro de Tearling será decidido de uma vez por todas.


Talvez nós não sejamos capazes de ficar satisfeitos, pensou Kelsea, e a ideia pareceu abrir um buraco dentro dela. Talvez a utopia seja inalcançável.

Não contém spoilers dos volumes anteriores!

O grupo de sonhadores comprometidos que fez a Travessia original com William Tear compartilhava um ideal grandioso de uma sociedade superior, pacífica e igualitária. Chegando a quase dois mil, eles ocuparam a área no sopé das Montanhas Clayton, na base do contraforte alto que se tornaria a Nova Londres dos dias modernos. Eles aprenderam a cultivar, votavam em reuniões municipais e cuidavam uns dos outros. Nesse ambiente idílico, a cidade cresceu a passos largos; a população explodiu, quase dobrando na geração seguinte à Travessia. A religião era um assunto estritamente particular, e todo tipo de violência era proibido. Ao que parecia, William Tear tinha dado vida à sua grandiosa visão.

— A antiga história de Tearling, CONTADA POR MERWINIAN

Ao final de A Invasão de Tearling, Kelsea tomou uma decisão inesperada. Agora ela está nas mãos da Rainha Vermelha, de quem já conhece a identidade. Quando chega à Demesne, Kelsea é mantida prisioneira e não pode contar com a ajuda de suas safiras, que agora estão nas mãos de sua algoz. Tudo o que Kelsea pode fazer é esperar; esperar pela morte, esperar pela vida, esperar por qualquer que seja o seu destino.

Sendo o novo regente do Tearling, Lazarus, o Clava, tem muitas responsabilidades em suas mãos, mas deixa tudo de lado para montar um plano de resgate que, ele sabe, será muito arriscado. E no momento ele não pode nem contar com Pen, um de seus melhores soldados que, após a partida de Kelsea, não é mais o mesmo. Mas Clava tem uma adição muito bem vinda em sua guarda, a pequena e perspicaz Aisa.


E se antes Kelsea tinha visões da era pré-travessia através dos olhos de Lily Meyhew, agora ela passa a conhecer os primeiros anos do que viria a se tornar o Tearling através de Katie Rice. E é através de Katie que Kelsea conhece a história dos dois homens que, centenas de anos depois, teriam papel fundamental em algumas de suas decisões.

É através dos olhos de Katie que Kelsea passa conhecer a verdadeira história do lugar pelo qual tanto se sacrifica. Ela conhece os primeiros anos da utopia de Tear, onde tudo parecia funcionar perfeitamente bem, até que a ganância e a intolerância começaram a se sobrepor à vontade do coletivo. É através do passado que Kelsea passa a compreender o presente. E é através do passado que Kelsea compreende o que precisa fazer.

Só que utilizar informações do passado para salvar o presente pode comprometer algo sobre o qual Kelsea não tem nenhum controle: o futuro.

O erro da utopia é presumir que tudo vai ser perfeito. A perfeição pode ser a definição, mas nós somos humanos, e mesmo para a utopia levamos nossas dores, erros, invejas e desgostos. Não podemos renunciar aos nossos defeitos, mesmo com a promessa do paraíso no horizonte, e, por isso, planejar uma nova sociedade sem levar em conta a natureza humana é destinar essa sociedade ao fracasso.

— As palavras da rainha Glynn, COMPILADAS PELO PADRE TYLER

••••••••••

Esse pequeno apanhado minúsculo não conta praticamente nada sobre o livro e isso foi proposital, pois eu preciso deixar vocês curiosos já que eu sinto a necessidade de fazer o maior número de pessoas conhecer essa trilogia. Além, claro, do fato de tudo ser spoiler... é tudo tão conectado com os acontecimentos dos livros anteriores que a tarefa de falar sobre a história torna-se algo muito difícil.

Li O Destino de Tearling em abril, mas só agora me sinto capaz de falar sobre ele. Testemunhei calada todo o desgosto que este desfecho causou, mas agora chegou a hora de discorrer sobre o final de uma das trilogias mais incríveis que eu já tive a oportunidade de ler.

O final da trilogia é muito contemplativo; logo, creio que a razão de eu ter gostado tanto se deve ao fato de como eu interpretei e absorvi tudo que aconteceu ao longo de toda a história. Compreendo os motivos que causaram tanta decepção, entretanto, para mim, o final não poderia ter sido outro. Depois de tudo que passou, de tudo que viu, ouviu e sofreu, nesta e em outras vidas, sinto que qualquer outro desfecho para Kelsea teria sido incoerente, ainda mais após descobrir o real propósito de William Tear e as reais circunstâncias, com seus erros e acertos, da tão misteriosa Travessia.


Já disse anteriormente e repito: qualquer semelhança dessa trilogia com a realidade não é mera coincidência. É assustador, de verdade! É de se ler sorrindo todas as alfinetadas políticas, sociais e religiosas presentes na história. E o mais importante e maravilhoso de tudo: os personagens mais importantes da história são mulheres. Mulheres que sofrem, já que muitas delas são humilhadas, abusadas e subjugadas, mas não deixam de ser fortes, corajosas e empoderadas.

E o que falar sobre Kelsea, essa personagem tão cheia de qualidades e ao mesmo tempo tão cheia de defeitos? Kelsea é real, erra tentando acertar, mas erra por muitas vezes acreditar que não precisa ouvir. Kelsea cresce, evolui, aprende com seus erros, e até mesmo por isso seu final tenha causado tanto desagrado. Porém, mais uma vez eu reitero: seu final não poderia ter sido outro. Ela passou o livro todo abrindo mão de si em nome do bem maior... era o final que eu esperava? Absolutamente não, mas depois de parar, contemplar, analisar e absorver, foi sem sombra de dúvidas o final mais coerente, agridoce como deveria ser.

É tanta gente que merece destaque e não tem como falar de todo mundo, pois para enaltecer suas qualidades teria que discorrer sobre os motivos de seus méritos -- e deméritos. Sendo assim, serei bem objetiva:

Clava, leal e cuidadoso;
Pen, apaixonado e ingênuo;
Andalie, conformada e altruísta;
Rainha Vermelha, perdida e amedrontada.

Ahhh a pequena Aisa, que personagem fascinante! Lembram que na resenha do volume anterior eu falei para prestar atenção nela? Neste volume Aisa está gigante, apesar de sua pouca idade. Ela toma decisões que muitos adultos não teriam culhões para tomar, agindo como uma mulher experiente, com empatia, solidariedade e sabedoria. Todo meu amor por você, Aisa. 💜

Sobre Padre Tyler, deixo uma frase de Nelson Mandela: "Coragem não é a ausência do medo, mas o triunfo sobre ele."

Há defeitos na história, claro, mas o todo é tão infinitamente melhor que eu honestamente não me importei. A revelação da identidade do pai de Kelsea foi meio decepcionante, assim como a participação de Fetch, cuja origem é revelada. A maneira como esses dois arcos foram trabalhados deixou a desejar, porém, como eu disse, pra mim foi o de menos.

E além de toda crítica política, religiosa e social, ainda temos a abordagem de assuntos já antes explorados pela autora, entre eles a pedofilia, a corrupção, a homossexualidade e, o que eu mais gosto, toda a sujeira da igreja e o poder ludibriante da religião.


A edição da Suma segue o padrão dos volumes anteriores, com uma diagramação mais apertada e uma fonte ligeiramente menor. Devo elogiar a tradução de Regiane Winarski, que manteve-se em um nível super elevado durante toda a trilogia, não perdendo a coesão em nenhum momento em um texto mega complicado. Vou me abster de falar sobre a revisão, já que li o livro há alguns meses e realmente não me recordo se havia ou não algum erro. Entretanto, conhecendo o bom trabalho da editora, caso haja algum, é coisa mínima.

A autora já deu entrevistas falando que vai continuar escrevendo sobre o Tearling e que já está trabalhando nisso, pois muitos personagens ainda têm história para contar. Já sobre o filme não há atualizações, ele segue "em desenvolvimento". Só espero que a adaptação não suba no telhado.

Eu poderia escrever um livro sobre esse livro, mas aqui não é lugar para isso. Portanto, caso você que está lendo essa resenha queira conversar sobre esta história, me chame nas redes sociais, pois eu vou adorar papear com você! 😉

Vou confessar uma coisa para vocês: fico revoltada com o fato dessa trilogia ser tão esquecida no churrasco. Como uma história dessa não caiu na boca do povo? Como é que, a cada lançamento, as pessoas não surtavam e corriam para ler o novo exemplar? Eu, honestamente, não entendo. Por favor, deem uma chance para essa história, vocês não vão se arrepender!


Leia mais:

https://www.meuepilogo.com/2017/06/resenha-rainha-de-tearling-erika.html
https://www.meuepilogo.com/2018/01/resenha-invasao-de-tearling-erika_15.html

23 comentários

  1. Hi, Tami. Tudo numa nice?!
    Eu não li nenhum desses livros apesar de ter tido muita vontade há um tempo atrás. Li algumas resenhas e percebi que não teria estômago para ler essa obra. A sua não corroborou isso, mas me fez perceber que eu não acharia assim tão interessante, sorry. Acho que preferiria uma fantasia mais suave e com aquela parte fantástica de mitologias. Mas para quem está interessado em uma fantasia crítica, que essa me parece ser assim, é uma boa pedida.
    XO XO
    https://piecesofalanagabriela.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já não curto fantasias muito irreal, prefiro as com um pé na realidade, como essa.

      Excluir
  2. Olá Tamires, tudo bem?

    As resenhas que eu li dessa trilogia foram positivas e ela está na minha lista de desejados, eu acho que a capa dos livros não chama muita atenção e por isso as pessoas não foram atrás deles, apesar das resenhas positivas, as eu particularmente vejo primeira a capa depois a sinopse, não sei, mas o que sei mesmo é que eu quero ler, ótima resenha.....bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo... as pessoas preferem essas capas repetitivas com coroas do que algo diferente. Rss

      Excluir
  3. Oi Tami,

    O primeiro livro está na minha lista de leitura desde que foi lançado, mas ainda não achei um preço bacana para adquirir.
    Espero ler em breve, pois sinto que vou gostar dessa trilogia.
    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PS: Lendo os Bridgertons, parei no Colin também rsrs.

      Excluir
    2. Eles são carinhos né? Isso que quebra...

      Excluir
  4. Oi Tami! Esta série é maravilhosa e uma das que tem a história que mais me deixa impactada. Pena não ser tão divulgada. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho nem que seja casa de não ser divulgada, e sim as pessoas que não ligam pra ela mesmo.

      Excluir
  5. Oi Tami, a Ariane lá no blog tb não entende porque essa série não é tão comentada. Acho que se virar filme mesmo deve ficar mais popular e que bom que vc curtiu apesar das ressalvas rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que fique mais popular caso o filme saia mesmo, pois a história merece.

      Excluir
  6. Oi Tami, tudo bem?
    Pra ser honesta, essa trilogia nunca me chamou muito a atenção, e acho que as capas não ajudam. Mas gostei de saber que a série é boa até o final (apesar de ter ficado com medo de um final muito em aberto hahaha não costumo curtir quando acontece).
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depende do que você considera um final aberto... hehehe

      Excluir
  7. Oi, Tami
    Eu não li muito bem sua resenha porque eu ainda quero ler essa série, ela me lembra um pouco A fúria e a aurora, não sei porque KKKKK Eu vi que tu colocou lá no insta que é uma série que deveria ter maior visibilidade, eu fico bem puta quando a gente ama algo e as editoras não investem ou o público não se interessa, é uma sacanagem com o autor.
    Beijo!
    http://www.suddenlythings.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sacanagem mesmo, ainda mais quando é tão boa assim...

      Excluir
  8. Oi, Tami! Tudo bom?
    A Duda que leu essa série lá pro blog e amou tudo desde o começo até o fim. Fiquei bem animada pra conferir a história depois de ver tantos elogios; o fato de tu ter favoritado e ter curtido tanto o desenvolvimento aumentaram minha expectativa também!
    Dói meu coração quando uma série tem tanto potencial e é tão fodástica e tem tão pouca visualização (tô olhando pra ti, A Rebelde do Deserto </3)
    Só não procuro agora pra ler porque tô BEM falida, mas pretendo fazer isso em breve!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi Tami, td bem?
    Eu quero muito ler sim, já tenho o primeiro volume!
    E ainda vai virar filme né? Talvez fique mais conhecida então!
    Não li muito da resenha pra n pegar spoilers 😉
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A resenha não tem spoilers, o anúncio está no início da postagem.

      Excluir
  10. Olá, Tamires.
    Só agora consegui comprar o livro, mas confesso que estou morrendo de medo de pegar ele para ler. Li bastante comentários negativos sobre o final. Mas agora lendo sua resenha eu me animei hehe. Como raramente divergimos nas opiniões dos livros, com exceção de New Adult que eu não gosto hehe, acho que eu irei gostar do encerramento da história.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  11. Tami!!!!!!!
    adoro ler suas resenhas, sabia?
    Olha, eu confesso que já vi os livros mas sempre ignorei pela capa (não me mate por favor!) mas fiquei super interessada
    Li sua indica~çao do sorriso da hiena e amei
    então
    É CLARO que estou ponderando
    Olha, eu sou católica e frequento a igreja, mas entendo que tem os podres da religião, não só a minha não, e dependendo de como for a abordagem, acredito que pode ser realmente agregador, tanto pra nao ser tão pé nas nuvens quanto pra não ser só pé no chão...
    Fiquei interessadíssima e super me simpatizei com as capas depois das suas fotos KKKK
    Ah tami!!!
    Sobre a Bruxa Má do Oeste, em Once Upon a Time eles dizem que ela ficou verde por causa da inveja que tinha da Rainha Má HAHAHA achei genial quando vi kkk Acho que pela Disney não seria não, mas achei tão divertido... e aproveitei rsrsrs
    obrigada <3

    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhahaha ahhh não vou te matar, fique tranquila! Hahaha

      Excluir