15 de outubro de 2018

Resenha | Como Num Filme - Lauren Layne


ARC cedida pela editora através da NetGalley.

Autora: Lauren Layne

Tradutor: Lígia Azevedo

Série: Recomeços #2

Número de páginas: 224

Ano: 2018

Editora: Paralela

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: As únicas coisas que o mauricinho Ethan e a rebelde Stephanie têm em comum são o curso de cinema na Universidade de Nova York e o roteiro que precisam desenvolver juntos. Mas, quando a proposta de recriar clássicos de Hollywood se confunde com a realidade, eles acabam se tornando os protagonistas de uma história de amor digna de Oscar!

Ela quer um quarto confortável em uma boa casa. Ele quer ficar longe de sua ex. Eles precisam de uma boa nota. Convencidos a ajudar um ao outro, os dois entram em um acordo: Stephanie será a namorada de mentirinha de Ethan enquanto ele a deixa morar em seu apartamento. Para isso, ela deverá fingir ser uma perfeita lady: discreta, arrumadinha e, claro, completamente apaixonada… igualzinha à personagem do filme que estão criando. Contudo, à medida que os dois se aproximam, Ethan se vê completamente apaixonado pela garota cheia de mistérios e contradições ao seu lado.

Agora, ele vai ter que decidir: será que seus sentimentos são pela Stephanie de verdade? Ou apenas pela versão que ele criou?


Quem diria que fingir que não está se apaixonando por alguém seria muito mais difícil que o contrário?

Ethan Price sofreu perdas significativas recentemente. Para respirar novos ares e ter outras perspectivas, ele troca o estágio de verão na empresa do pai - empresa esta que comandará no futuro - por uma optativa de roteiros de filmes clássicos na Universidade de Nova York. Normalmente esta não seria uma matéria que um estudante de Administração escolheria, mas Ethan quer apenas fugir de sua realidade e de todas as pessoas que estão presentes nela. Logo no primeiro dia de aula, Ethan esbarra em uma apressada garota vestida de preto da cabeça aos pés.

Stephanie Kendrick também está fugindo de sua realidade e por isso escolheu passar as férias de verão no campus ao invés de voltar para a casa do pai e de sua nova madrasta, na Carolina do Norte. Estudante de Artes, ela está muito animada com a optativa ministrada por um professor que já havia recebido dois Globo de Ouro e um Oscar. Como detesta chegar atrasada nos lugares, Stephanie anda apressada pelo campus quando, de repente, esbarra em uma versão humana do Ken.

Após alguns minuto de impropérios, Ethan e Stephanie seguem seu rumo. Porém, qual não é a surpresa de ambos quando eles se encontram na mesma sala de aula.

"O mau humor vem com o visual gótico?", ele pergunta, me olhando de cima a baixo. "Ou vende separado?"
Levanto a mão para esconder meus olhos. "Cuidado pra onde aponta seus dentes, por favor. O brilho está me cegando."

A implicância segue durante a aula, mas eles não contavam com uma ironia do destino. Acontece que Martin Holbrook, o prestigiado professor, divide a turma em duplas que terão que escrever o roteiro de um filme. Claro que Ethan e Stephanie são colocados juntos e eles não encaram bem a novidade. Mas Stephanie é prática e não quer que a animosidade entre eles prejudique o desempenho do trabalho, deste modo, ela decide fazer com que as coisas funcionem, o que é meio difícil já que Ethan não possui o menor conhecimento sobre cinema e elaboração de roteiros.

Enquanto lida com seu leigo parceiro, Stephanie precisa resolver seu pequeno problema de moradia, pois os alojamentos da universidade serão pintados e todos terão que sair. Inicialmente ela ficaria no apartamento da prima, mas as coisas acabam não saindo como o planejado e ela se vê sem ter para onde ir. Sua única saída é a casa de David, seu ex-namorado traidor que acha uma boa ideia dividir o apartamento com a ex e a atual. Sem ter para onde ir, Stephanie vai levando a situação como pode.

Ethan e Stephanie já haviam decidido que o roteiro deles seria baseado em Pigmalião, onde o homem cria uma mulher ideal e acaba se apaixonando por sua criação. Quando está pensando sobre o roteiro, Ethan tem a brilhante ideia de pedir ajuda a Stephanie para que ela se passe por sua namorada para que assim ele possa enfrentar os próximos compromissos sociais com sua família sem ter que dar explicações sobre o término com Olivia, sua ex-namorada. Deste modo, eles iriam colocar em prática o próprio roteiro, fazendo com que ele se tornasse o mais verossímil possível. Quando Ethan surge com esta ideia totalmente louca e de quebra ainda convida Stephanie para morar em seu quarto de hóspedes durante o acordo, ela hesita, mas como a situação no apartamento de David estava ficando insustentável, acaba concordando.

Juntos eles constroem um novo visual para Stephanie. Saem as roupas pretas e entram os tons claros. Saem os coturnos e entram os scarpins. Sai a maquiagem pesada e entra a neutra. Eles começam a interpretar e precisam convencer os amigos e os pais de Ethan de que estão apaixonados antes da prova final: a confraternização anual oferecida pelos Price, nos Hamptons, onde Olivia estaria presente. Eles se empenham tanto em passar verdade em seus toques e palavras que eles próprios começam a desconfiar da neutralidade de seus sentimentos.

Acontece que Stephanie não é aquela Barbie perfeitinha e tem certeza que não há lugar para ela no mundo de Ethan.

Sento em um dos assentos livres no fundo do barco quando a constatação me atinge como uma tonelada de tijolos: estou louco por Stephanie Kendrick.
...
Fui eu que confundi as coisas. Eu quebrei a regra de ouro desta pequena farsa em que nos envolvemos: esqueci que é uma farsa.

A pergunta que não quer calar é: o que eles farão após cruzarem a linha tênue que separa a realidade da ficção?

••••••••••

Tive duas experiências recentes com a Lauren Layne. Me apaixonei por Mais Que Amigos e me decepcionei com Em Pedaços que, inclusive, é o antecessor de Como Num Filme. Sendo assim, a leitura desse segundo volume da série Recomeços veio para desempatar esse jogo. E é com muita satisfação que digo que a mistura de diversão e sensualidade que me conquistou em Mais Que Amigos está de volta! 💜

Como Num Filme entrega uma história gostosa, daquelas que a gente lê e nem sente o tempo passar. Foram aproximadamente quatro horas de diversão e suspiros, aquela mistura que toda comédia romântica deve possuir. Algumas pessoas não são fãs de prequels, pois preferem ler as histórias em uma ordem cronológica. Eu, em contrapartida, adoro quando me deparo com uma história que justifica acontecimentos de outro volume dentro de uma série. Os livros possuem histórias independentes e dá para ler tranquilamente como standalones, mas aqui nos deparamos com tudo o que é necessário para dar início à história de Olivia, que conhecemos em Em Pedaços.

O contraste entre as personalidades de Ethan e Stephanie funcionou super bem. Ethan é bonito, rico e cheio de privilégios, mas não é alheio ao que acontece ao seu redor. Desde o volume anterior percebemos que ele é diferente, pois poucas são as pessoas que agem como ele após passar pelo que ele passou. Ele tinha tudo para ser um playboy mimado, mas é uma pessoa íntegra que, quando se sente confortável, passa a ser dono de uma personalidade divertida e um bom humor contagiante. Stephanie, por sua vez, não é uma rebelde sem causa. Na verdade de rebelde ela não tem quase nada, e, ao meu ver, ela se encontrou quando achou que estava perdida e só se deu conta disso depois. Suas atitudes não são nada forçadas e seu jeito de ser, digamos, mais azedo, lhe cai como uma luva.

As interações entre os dois são repletas de sarcasmo e a tensão sexual entre eles permeia toda a leitura, dá para perceber a química que eles possuem antes mesmo deles se tocarem. A implicância mutua é divertida e muito bem dosada. É bem fofo acompanhar o desenvolvimento de tudo o que acontece quando eles finalmente se dão conta de que cruzaram uma linha e não há como voltar atrás.

Não há personagens secundários muito relevantes e senti que algumas tramas paralelas poderiam ter sido melhor trabalhadas, como é o caso da situação entre Ethan e sua mãe e de Stephanie com seu pai, mas esse pequeno detalhe não chegou a me incomodar, é apenas uma observação. Neste livro também podemos conhecer um outro lado de Olivia. Ela aparece bem pouco, mas é presença constante nas entrelinhas, afinal, é a justificativa de todo o lance da farsa. Porém, eu até consegui sentir um pouco de empatia por ela, algo que faltou na leitura de Em Pedaços.

A proposta da história se baseia na construção do roteiro de um filme, logo, temos aqui dois enredos; o enredo do livro em si e o enredo do roteiro do filme. Porém, não se trata de duas histórias em uma. Quem conhece Pigmalião e já assistiu a filmes baseados em seu mito sabe que uma das características dos mesmos é a confusão que rola quando realidade e ficção entram em conflito. Essa confusão foi muito bem trabalhada pela autora, mas o clímax, aquilo que faria com que a realidade dos personagens se fundisse com a ficção que criaram, não fez justiça à história. A conclusão da trama é bem abrupta e não condiz com a fluidez com a qual a autora conduz grande parte do livro. Foi minha única ressalva e foi apenas por isso não dei nota máxima.

Eu li a ARC do eBook, por isso não posso falar sobre a edição e nem posso apontar erros encontrados, já que não se trata da versão finalizada. Porém, a Paralela vem fazendo um trabalho bem bacana em sua nova fase. Já falei anteriormente que estou adorando as novas apostas da editora e, como estou sempre em contato com suas obras, tenho certeza que essa edição não deixa nada a desejar. A história é narrada em primeira pessoa com o POV se alternando entre os protagonistas. E por mais que os modelos da capa não sejam parecidos com os protagonistas, eu curti o trabalho. Ela segue o padrão do volume anterior e isso já me deixa satisfeita.

Fiquei muito satisfeita com essa leitura e agora espero que o terceiro volume, Crushed, ainda sem previsão de lançamento e sem título em português, feche a série com chave de ouro!


Leia mais:

Em Pedaços

28 comentários

  1. Oi Tami! Eu terminei a leitura ontem e adorei. Quero conferir os outros dois da autora, pois achei a escrita dela adorável e fácil. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  2. Oi Tami, estou esperando meu exemplar chegar! Eu gosto da narrativa da autora e tenho boas expectativas para esse livro, espero curtir tb!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Oi, Tami
    Eu amei esse livro, tanto que li tudo hoje ahha mas eu achei que os dois ficavam presos demais a estereótipos, mesmo assim amei de todo coração esse casal improvável. Só que eu acho que ele deveria vir antes de Em pedaços, fui descobrir sobre a Olivia já no finalzinho porque sou lerda.
    ]Beijo
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não os achei estereotipados. Acho que a distância das personalidades dá essa impressão, mas no fundo eles não são nada daquilo que aparentam.

      Excluir
  4. Interessante a proposta da história de ter uma construção de roteiro de filme ali dentro da própria história.. deve ser bem interessante, praticamente ler duas histórias no mesmo livro..

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há essa distinção não, é tudo bem intrínseco.

      Excluir
  5. Oi Tami,

    Curti muito Mais que Amigos e quando vi esse livro na lista de lançamentos fiquei curiosa.
    Em Pedaços não me chamou tanto atenção, então vou direto para esse e espero gostar da leitura assim como você.
    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
  6. Olá, Tamires.
    Por enquanto nenhum dos livros da autora me deixou tão interessada a ponto de eu querer comprar eles. As histórias são bem clichês, mas clichês que eu não sou tão fã. Porque nunca aconteceu comigo isso de esbarrar em alguém e depois me apaixonar pela pessoa? hehe. Acontece tanto nos livros.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez você esteja andando pelos lugares errados e tá perdendo o esbarrão! Hahahah

      Excluir
  7. Amei sua resenha, ainda não conheço as obras dessa autora, mas fiquei bem curiosa para conhecer esse livro!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Tamires.
    Amei a resenha.
    Esse não é meu tipo de livro, mas gostei bastante da premissa dele e dos sentimentos que te despertou, mesmo sendo um clichê.
    Espero ter a oportunidade de ler em breve.
    Beijos.

    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que a oportunidade chegue mesmo, Jessica.

      Excluir
  9. Oiii Tami

    Você é a segunda pessoa que super se decepcionou com Em Pedaços. Ainda bem que esse desempate com Como num filme foi positivo. Eu quero muito ler algum livro da Lauren Layne e acho que vou começar por Mais que Amigos.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  10. Oi, Tami!
    Menina, eu quero passar longe desse Em Pedaços, mas me interessei por esse. Pela sua resenha, acho que dá pra ler sem problemas...
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  11. Oi Tai, tudo bem?

    Ler a sua resenha me trouxe um alívio na alma, apenas pela sua descrição, já senti que vou gostar e muito deste livro, eu sou insistente e eu gostei tanto de Mais que amigos, que mesmo com a experiência ruim no livro Em Pedaços, não me fez desistir de querer ler algo mais da autora. Adorei saber que a escrita da autora voltou neste volume. Xero!

    https://minhasescriturasdih.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Não é fácil fingir, em nenhuma das situações.
    Principalmente nesse caso.
    Esconder é uma tarefa árdua.

    Tenha uma ótima noite!

    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fingir dá muito trabalho, eu não conseguiria.

      Excluir
  13. Oi Tami,
    Ainda não solicitei esse, pois estou lendo Zália.
    E também estou lendo Em Pedaços, e acho que terei mais ou menos a mesma opinião que você. Não consegui simpatizar com nenhum dos dois ainda, o cara é um chatão.
    Gostei de saber mais sobre esse, gosto de romances assim, que o povo se vê antes e depois se reencontra em lugares que não deveria, como a sala de aula. Eu to rindo do quote da gótica. To vendo mesmo que tem até mais humor que o outro.

    até mais,
    Nana e Leticia - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  14. Oi, Tami!

    Pela premissa não achei que o romance tivesse um grande diferencial dos demais, mas só de saber que a história conquista assim como Mais que amigos já me deixou mais interessada. Fiquei bem dividida com Em Pedaços e até a metade eu estava odiando as atitudes do cara, então se fosse depender desse livro provavelmente eu não leria o segundo volume. Fico feliz de saber que é melhor que o primeiro!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir