2 de outubro de 2018

Resenha | Mais Lindo Que a Lua - Julia Quinn


Livro cedido em parceria com a editora.

Autora: Julia Quinn

Tradutora: Viviane Diniz

Série: Irmãs Lyndon #1

Número de páginas: 272

Ano: 2018

Editora: Arqueiro

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Foi amor à primeira vista. Mas Victoria Lyndon era a filha do vigário, e Robert Kemble, o elegante conde de Macclesfield. Foi o que bastou para os pais dos dois serem contra a união. Assim, quando o plano de fuga dos jovens deu errado, todos acreditaram que foi melhor assim.

Sete anos depois, quando Robert encontra Victoria por acaso, não consegue acreditar no que acontece: a garota que um dia destruiu seus sonhos ainda o deixa sem fôlego. E Victoria também logo vê que continua impossível resistir aos encantos dele. Mas como ela poderia dar uma segunda chance ao homem que lhe prometeu casamento e depois despedaçou suas esperanças?

Então, quando Robert lhe oferece um emprego um tanto incomum – ser sua amante –, Victoria não aceita, incapaz de sacrificar a dignidade, mesmo por ele. Mas Robert promete que Victoria será dele, não importa o que tenha que fazer. Depois de tantas mágoas, será que esses dois corações maltratados algum dia serão capazes de perdoar e permitir que o amor cure suas feridas?


— Milorde! Acabamos de nos conhecer!
Robert virou-se para ela, a frivolidade deixando seus olhos com uma rapidez surpreendente.
— Eu sei. Em minha mente, entendo que a vi pela primeira vez há dez minutos, mas meu coração a conhece desde sempre. E minha alma também.

Robert Kemble, conde de Macclesfield, e Victoria Lyndon, se apaixonaram à primeira vista. Bastou um olhar para que os dois soubessem que pertenciam um ao outro. Por mais louca que aquela situação fosse, já que Robert nunca havia sentido algo semelhante por outra mulher e Victoria sequer havia experimentado as vantagens e desvantagens de estar apaixonada, ambos sabiam que o sentimento era forte e genuíno.

Robert era filho de Hugh Kemble, marquês de Castleford, um homem que era obcecado por seu título e que queria que o filho fizesse um bom casamento. Quando descobre o interesse de Robert pela filha do vigário, Hugh tenta convencer o filho de que a jovem só está interessada em suas posses. O reverendo Lyndon, por sua vez, também exige que Victoria pare de se encontrar com Robert, pois tem certeza que o conde está apenas se divertindo e se aproveitando da juventude e inocência de sua filha.

Por conta da irredutibilidade de seus pais, os dois decidem fugir para que assim possam se casar. Porém, o plano não funciona. O veneno de seus genitores começa a fazer efeito e Victoria e Robert passam a pensar o pior um do outro. Decepcionado, Robert parte para Londres. Já Victoria, coagida, é obrigada a deixar Kent para nunca mais voltar.


Sete anos se passam e Victoria agora trabalha como preceptora em Norfolk. Neville, a criança pela qual é responsável, é um verdadeiro monstrinho. Lady Hollingwood, sua patroa, a trata com desdém e é conivente com todas as pirraças de Neville, tornando o trabalho de Victoria ainda mais difícil. A verdade é que Victoria não aprecia sua função, mas gosta de ganhar seu dinheiro e de ser independente. Porém, sua vida é monótona e ela sente falta de alguma emoção, ela só não contava que essa emoção seria justamente um reencontro com aquele que partiu seu coração.

— Nunca é tarde demais para sonhar, não é?
— Este é um sonho que nunca se realizará.
Ele deu de ombros, com uma expressão que dizia que não se importava.
— Deus do céu, signifiquei tão pouco para você, não foi? — sussurrou ela.
Robert olhou para ela, incapaz de acreditar em suas palavras. Ela significara tudo para ele. Tudo. Ele lhe prometera a lua e estava sendo sincero. Ele a amara tanto que teria dado um jeito de puxar aquela esfera do céu para lhe entregar em uma bandeja, se ela quisesse. 

Robert parece se divertir com a possibilidade de seduzir Victoria novamente e até lhe faz uma proposta indecorosa, porém, ele não contava com o fato de não estar imune ao retorno dos sentimentos que nutria por ela. À medida que ela lhe nega, Robert vai ficando cada vez mais desconfiado, e quando ele descobre a verdade por trás dos acontecimentos de sete anos atrás, ele começa a fazer de tudo para se redimir.

Victoria, por sua vez, fica muito dividida. Ela não consegue confiar em Robert, mas também não consegue lidar com a força dos sentimentos que ainda nutre por ele. Também há o fato dela não querer perder sua independência, já que, casando-se com ele, passaria a ser considerada sua propriedade. Isso, para uma jovem que lutou para se manter sozinha durante sete anos, é inadmissível.


Agora, essas duas pessoas que pensaram ter sido vítimas uma da outra, precisarão dar o braço a torcer antes que passem a ser vítimas de suas próprias decisões... ou da falta delas.

No fundo de seu coração, Victoria sabia que Robert tinha o poder de fazê-la feliz além de seus maiores sonhos. Mas também tinha o poder de destruir seu coração. E ele já havia feito isso uma vez... Não, duas vezes.
E ela não aguentava mais sentir dor.

••••••••••

Assim que Mais Lindo Que a Lua foi lançado, começaram a sair resenhas super negativas sobre o mesmo. Eu sou super fã da autora, logo, quis conferir se o livro era mesmo tão ruim quanto estavam falando. Obviamente respeito a opinião de todos e compreendo os motivos que fizeram com que o livro fosse tão, digamos, odiado. Pelo que eu pude perceber, a grande questão da maioria dos leitores foi o comportamento de Robert. O personagem, de fato, é um mala e tem atitudes extremamente irritantes, mas não posso ser injusta com ele quando Victoria é tão irritante quanto! São dois personagens ruins jogados em uma história mediana, e foi esse meu problema.

Mais Lindo Que a Lua possui um enredo pobre, requentado, personagens esquecíveis e nenhum momento memorável, entretanto, não é uma leitura sofrível ou desagradável. Como eu sempre digo, autores têm momentos bons e ruins, principalmente autores que escrevem muitos livros. Eles não acertam sempre, vez ou outra dão uma escorregada, isso é absolutamente normal.

Robert é um personagem exageradamente imaturo, e é essa imaturidade que o leva a tomar decisões inconsequentes. Sabe aquele tipo de pessoa que faz o que quer, na hora que quer, e que só depois para pra pensar na burrada que fez? Este é Robert. Ele acha que pode vencer pelo cansaço e por isso impõe sua presença, pois acredita que assim fará Victoria admitir seus sentimentos. Tirando uma atitude bem de mau gosto que não posso abordar por se tratar de um spoiler, o que eu vi foi um menininho mimado, que sempre teve tudo o que quis, aprendendo a lidar com os nãos da vida. Porque sim, ele evolui, ele melhora, mas ainda assim não compensa e o livro termina antes dele alcançar outro patamar.


Já Victoria testou minha paciência. Enquanto o problema da maioria dos leitores foi o Robert, meu problema foi ela! Victoria tinha o direito de se sentir traída e tinha o direito de ficar ressabiada, mas a forma como Julia trabalhou o reencontro foi extremamente cansativa e repetitiva. São cenas e mais cenas onde ela nega o osso, mas não o larga. O orgulho dela me irritou muito mais que a imaturidade de Robert.

A dinâmica entre o casal é bem pobre, não há grandes diálogos ou momentos fofos. Acho que o grande problema aqui foi a própria descrença da autora, que inicia o livro com uma nota onde fala que não acredita em amor à primeira vista. Como casal, Robert e Victoria não funcionam, essa é a realidade.

Os personagens secundários são bem subaproveitados, mas surge uma curiosidade acerca de Eleanor, irmã de Victoria e protagonista do segundo livro da duologia que, ao contrário deste primeiro volume, teve uma boa recepção.

Mais Lindo Que a Lua possui uma capa maravilhosa. Aliás, preciso novamente elogiar a editora, pois ela vem investindo muito nas capas de seus romances de época, é uma mais linda que a outra! O livro, que é narrado em terceira pessoa, possui folhas amareladas, diagramação confortável e não encontrei erros de revisão.


O enredo de Mais Lindo Que a Lua poderia ter sido melhor trabalhado, mas vale a leitura. Vá sem grandes expectativas, assim a chance de se decepcionar é menor. 😉


17 comentários

  1. Impossível não amar os livros da Júlia, né? São apaixonantes! Esse ainda não conhecia, mas já quero!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Tami,
    Uma pena que a leitura não fluiu do jeito que gostaria. Mas é bem verdade, li bastante críticas em relação a esse livro e sempre sobre o rapaz. E sempre acredito que tenha mais problemas por trás, já que é a construção de uma relação né?

    até mais,
    Nana e Leticia - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  3. Que pena que o livro deixa tanto a desejar em relação a enredo e personagens.. é triste quando tem um autor que gostamos e publica um livro que fica ruim..

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Tami, tudo bem? Olha, eu tenho o livro na estante, mas justamente por tantos comentários negativos ainda não me animei à leitura. Infelizmente tendo a não gostar da história, por melhor que seja, quando os personagens não conquistam e, pelo que puder ver, nem o enredo tem a capacidade de cativar muito o leitor. Por enquanto vou deixar o livro por lá e dar atenção a outros.
    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lê quando você quiser ler algo sem muita pretensão! ;)

      Excluir
  5. Oii Tamires.
    Eu também amo a Julia Quinn, mas não nutro sentimentos de continuar lendo livros dela por enquanto. Essa duologia é uma dessas leituras que não pretendo fazer.
    Por ter lido vários livros da autora, acabei me perdendo um pouco com algumas mesmices que eles tem. E pelo visto, eu odiaria entende o romance de Victoria e Robert pois tanto a imaturidade, quanto o orgulho me irritariam.
    Amei sua resenha.
    Beijos.

    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
  6. Oi Tami, na segunda parte do livro a Victoria começa a ficar chatinha mesmo, mas de modo geral eu particularmente gostei da história!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  7. Olá, Tamires.
    Até agora só gostei dos Bridgertosn da autora. Todos os outros que li me decepcionaram. Eu vou tentar ler esse sem muitas expectativas, até porque já gastei meu dinheiro hehe, mas já sinto que sera mais um casal decepcionante na minha lista. E que vou passar raiva com eles hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas os mais novos dela estão agradando, tenho esperança! Hahahah

      Excluir
  8. Oi Tami, sua linda, tudo bem?
    Quando vi que a resenha era sobre esse livro fiquei curiosa sobre sua opinião, pois eu também só li resenhas negativas sobre ele. Uma pena mesmo que a autora errou de mão. E fiquei chocada com a declaração dela de não acreditar em amor à primeira vista, como romântica ela deu um golpe em meu coração, risos..De cara já não gostei dele por não ter confiado nela e a tratar dessa forma. Estou com vontade de ler o livro da autora Uma Dama Fora dos Padrões, tomara que seja melhor. Adorei sua resenha.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Tamires,
    ainda não tinha lido nenhuma resenha, não sabia que o livro era decepcionante. Para mim o casal precisa ter química e eu preciso torcer por eles. Quem sabe outros livros dela não são melhores? Você já leu aquela duologia agentes da coroa? Sabe se vale a pena?
    bjs.
    Pri.
    http://nastuaspaginas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Tami, tudo bem?
    Eu ainda nem li Julia Quinn, mas já tenho ranço desse livro especificamente, tamanhas as resenhas negativas que li por aí.
    Mas dizem que o segundo volume é maravilhoso! Tomara que você goste mais.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  11. Oi, Tami!
    Quando eu for ler, vou levar em consideração que foi um dos primeiros livros da Julia... mas acho que pior que A Duquesa Feia ele não vai ser hahahah
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir