22 de janeiro de 2019

Resenha | Justiça a Qualquer Preço - John Grisham


Livro cedido em parceria com a editora.

Autor: John Grisham

Tradutora: Fernanda Abreu

Número de páginas: 336

Ano: 2018

Editora: Arqueiro

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Mark, Todd e Zola ingressaram na faculdade de Direito porque queriam mudar o mundo e torná-lo um lugar melhor. Fizeram empréstimos altíssimos para pagar uma instituição de ponta e agora, cursando o último semestre, descobrem que os formandos raramente passam no exame da Ordem dos Advogados e, muito menos, conseguem bons empregos.

Quando ficam sabendo que a universidade pertence a um obscuro operador de investimentos de alto risco que, por acaso, também é dono de um banco especializado em empréstimos estudantis, os três se dão conta de que caíram no grande golpe das faculdades de Direito.

Então eles começam a bolar uma forma de se livrar da dívida esmagadora, desmascarar o banco e o esquema fraudulento e ainda ganhar alguns trocados no caminho. Mas, para isso, precisam abandonar a faculdade, fingir que são habilitados a exercer a profissão e entrar em uma batalha contra um bilionário e o FBI.

 

— São erros, não arrependimentos. Arrependimentos são águas passadas, uma perda de tempo ficar remoendo. Mas erros são decisões ruins do passado que podem afetar o futuro.

Mark Frazier, Todd Lucero e Zola Maal estão perdidos. Atolados em dívidas e sem nenhuma perspectiva de um futuro promissor pela frente, os estudantes de Direito da Foggy Bottom não faziam ideia de que haviam caído em um golpe. Quando Gordy, amigo dos três - e algo a mais de Zola - entra em um colapso nervoso, eles descobrem que caíram no que chamam de Golpe das Faculdades de Direito. Juntando esta nova informação aos seus diversos problemas, os três amigos ficam sem saber o que fazer. É somente quando Gordy sai de cena que Mark e Todd resolvem tomar uma atitude.

— Ele afundou numa poltrona de couro surrada e se deixou tomar pelo clima soturno do ambiente. Será que aquilo era mesmo uma faculdade ou era apenas uma fábrica de diplomas? A resposta estava ficando cada vez mais clara. Pela milésima vez, ele desejou jamais ter atravessado aquelas portas como um calouro inocente. Agora, quase três anos depois, estava afundado em dívidas que não conseguia imaginar como um dia poderia saldar. Se havia uma luz no fim do túnel, ele não conseguia ver.

Mark, que trabalhava em um escritório que não o valorizava, e Todd, que gostava mais da possibilidade de ser barman do que a de ser um advogado, resolvem largar a Foggy Bottom, mudam de nome e começam a advogar ilegalmente. A princípio eles pegariam apenas casos simples, multas por embriaguez ou por excesso de velocidade, pois já haviam se deparado com advogados que faziam o mesmo nos fóruns e que nunca sequer eram indagados acerca de seus números de registro na Ordem. Logo depois eles resolvem pegar casos de acidentes e negligência médica. Para isso, eles recrutam Zola, que estava em uma situação difícil envolvendo toda a situação de Gordy e a de sua família, que estava prestes a ser deportada para o Senegal.


Isso tudo deveria ser um meio para um fim: desmascarar a Foggy Bottom, seus donos, e todo o esquema de captação de novos estudantes, que, assim como os três amigos, precisavam contrair dívidas altíssimas a fim de arcar com os custos de seus estudos. Porém, à medida que o dinheiro entrava, Mark e Todd iam ficando cada vez mais ousados, e, consequentemente, os erros começaram a surgir. Zola, em contrapartida, sentia-se cada vez mais desconfortável com toda aquela situação.

Sua pescaria somava 1.600 dólares em dinheiro vivo, com promissórias para outros 1.400. Some-se a isso o fato de que os lucros era não declarados e livres de impostos, e eles ficaram quase tontos com a perspectiva de ganhar rios de dinheiro. A beleza daquela farsa era sua ousadia.

Como tudo o que é bom dura pouco, não demora muito para que a farsa seja descoberta. Agora, os três terão que deixar muito mais coisas para trás se quiserem realmente fazer justiça a qualquer preço.

••••••••••

Há anos ouço falar sobre John Grisham e seus livros. Quando a Arqueiro anunciou a publicação de Justiça a Qualquer Preço eu não quis deixar a oportunidade de finalmente conhecer a escrita do autor passar. Porém, o que encontrei me deixou um tanto quanto confusa. Não sei muito bem como falar sobre essa história porque eu, honestamente, não compreendi qual foi o objetivo da mesma. Quando a trama finalmente começa a tomar rumos mais interessantes ela simplesmente termina, deixando aquela sensação meio frustrante no ar.

O começo do livro é promissor, temos uma teia de informações muito bem orquestrada por Gordy, que poderia tranquilamente ser utilizada em um episódio de Suits, por exemplo. Todavia, quando o personagem sai de cena, a qualidade da narrativa decai consideravelmente, tornando-se cada vez mais prolixa e cansativa.

Não há intrigas, não há conspirações, não há conflitos; o que temos é somente a vida de três jovens que, revoltados com o buraco negro pelo qual foram tragados, resolvem jogar tudo para o alto e começam a advogar ilegalmente a fim de expor os golpistas. Até aí tudo bem, ainda havia possibilidades interessantes, mas o desenvolvimento do plano dos três deixa muito a desejar. O amadorismo do trio é nítido e logo o foco passa a ser "ganhar dinheiro" e não "fazer justiça".

O trio de protagonistas não possui carisma algum, muito pelo contrário. Pelos dois homens eu senti ranço, essa é a verdade. Mark e Todd se acham muito espertos, mas estão bem longe disso. A sensação que ficou foi a de que eles estavam naquela situação muito mais por incompetência do que por inocência. Já por Zola eu consegui sentir uma certa empatia, mas isso aconteceu única e exclusivamente por conta da situação de sua família. Ela, ao contrário dos amigos, é inteligente, mas foi tola ao acreditar neles. Tenho certeza de que se fosse de Zola todo o controle operacional do esquema, as coisas teriam sido muito mais interessantes.


A edição da Arqueiro segue o padrão de qualidade da editora. Gosto da capa mais sóbria e gosto também do esquema de cores. A diagramação é simples, confortável, com folhas amareladas e foram poucos os errinhos encontrados. A história é narrada em terceira pessoa e aqui esse artifício funcionou bem.

Me desculpem pela qualidade e tamanho desta resenha, vocês sabem que eu sou muito mais articulada do que isso. Porém, como eu disse alguns parágrafos acima, não compreendi o propósito do livro. Por isso resolvi discorrer sobre o básico, não quero me aprofundar e falar besteira, sabe? Como fã de séries jurídicas, eu esperava encontrar audiências tensas e embates calorosos, mas não foi o caso. Deste modo, Justiça a Qualquer Preço acabou se tornando uma decepção, entretanto, não desencorajo a leitura do livro. Talvez seja este o estilo do autor e eu, embalada por sua fama, acabei criando expectativas altas demais.


21 comentários

  1. Oi Tami!
    Eu nunca li nada dele mas fiquei curiosa sabendo que a Netflix vai adaptar uma de suas obras.
    Pena que a história passou longe das expectativas...
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Tami!
    Que triste que a leitura foi tão decepcionante, mas protagonistas que não possuem carisma não ajuda. Você já perde 50% do livro quando não se apega ao quem está sendo narrado ou narrando :(

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. ah, que pena que o livro foi decepcionante, eu tenho curiosidade em ler algo do autor...

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  4. Oi Tami, tudo bem? Eu li alguns livros do autor há MUITO tempo atrás e lembro de ter adorado quase todos, mas claro que meu senso crítico não estava tão amadurecido quanto hoje em dia. Adoro livros que tenham o ambiente jurídico como pano de fundo, mas é muito frustrante quando a sinopse promete algo que o livro não entrega ao leitor e, pelo que pude notar na tua resenha e pela sinopse, é isso o que acontece, pois também imaginava que haveria mais intrigas, conspirações e embates jurídicos. Que pena, talvez nessa história o autor não tenha conseguido atender às expectativas e estar a altura do nome que construiu.
    Beijos, Adri
    Espiral de Livros

    ResponderExcluir
  5. Essa é a primeira vez que vejo uma resenha sobre esse livro e confesso que adorei a história, uma pena ela não ter fluido bem e você não ter entendido o próposito do livro!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Tamires.
    Meio que desanimei agora porque tenho esse livro aqui em casa hehe. É uma pena porque já li vários livros do autor e todos eles foram muito bons, inclusive tem vários filmes baseados em seus livros. Talvez não fosse o momento certo de você ter lido ele. Já o meu vou deixar para depois a leitura hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Oi Tami,
    Uma pena que a leitura tenha desandado tanto assim.
    Parece mesmo que faltam certos conflitos, sinto que ele quis trazer mais drama, mas algo deu errado né?
    Sei que o autor tem grande nome no mercado, mas perdi a vontade de ler qualquer coisa dele, quando descobri uns podrinhos.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  8. Oi Tami,

    Confesso que fujo de livros confusos kkkkk.
    Uma pena que o livro não tenha sido tudo isso, confesso que não sei se leria, pois o autor não faz muito meu estilo.
    Bjs e um bom fim de semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
  9. Oi Tami! Li alguns livros mais antigos deles e achei muito bons. O Juri, Tempo de Matar, O Dôssie Pelicano, A Firma, O Cliente (e as adaptações também vi), e não foram leituras que me decepcionaram. O Juri, entre estes, é o que classifico como mediano. Sobre os novos livros, eu não tenho como opinar, mas fica a impressão de que ele perdeu a mão. Pena não ter sido um boa leitura. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  10. Oie Tami =)

    Quando fui voluntária na biblioteca pública de Joinville, por várias vezes tentei ler os livros do John. Mas, talvez fosse por eu ser muito novinha nunca conseguia me sentir envolvida pela obras do autor.

    Agora acho que vale a pena dar uma segunda chance, apesar de não ser o meu estilo favorito. Porém, acho que vou procurar outro livro, pois lendo a sua resenha tive a sensação que esse não é uma boa opção para uma reaproximação rs...

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Tami!

    Sempre ouço falar do autor, mas nunca tive muita curiosidade (seria por que ele é homem? ou pq é thriller? Ou pq as sinopses nunca me atraíram? Só Deus sabe). Sinto muito que tenha sido uma leitura tão sem graça para você. Espero que o próximo livro da sua lista compense isso!

    bjs
    Queria Estar Lendo

    ResponderExcluir
  12. Oi Tami, tudo bem?
    Tinha visto esse livro no site esses dias atrás e já não tinha me chamado muito atenção...
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  13. Oiii Tami

    Eu fiquei chateada por vc não ter gostado do livro, eu queria ler mas desanimei, essa narrativa que decai simplesmente é frustrante, que pena porque eu também sempre ouvia falar dos livros desse autor e queria começar justamente por esse por causa da sinopse interessante, mas pelos problemas apontados acho que melhor ir por outro, porque acho que tb não vou gostar tanto desse.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  14. Oi, Tami
    Esse enredo parece daqueles filmes ruins de segunda categoria sobre golpe, tá ligada? Eu não curti e pela sua nota, já sei que vou passar longe. Os autores esquecem de explorar o potencial das histórias e entregam absolutamente nada envolvido em nada, aí fica difícil gostar.
    Beijo
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oi, Tami!
    Um dos meus livros favoritos da vida é do Grisham, mas faz tanto tempo que não leio suas histórias que hoje em dia poderia acabar como você; entendendo vários nadas.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  16. Oi Tami. Eu nunca li nada do autor, mas fico curiosa pelo tema, ler seria sair um pouco da minha zona de conforto, mas agora fiquei nas duvidas se encaro ou não rsrsrs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  17. Oi, Tami!
    Não li nada do autor e nem conhecia o livro. Como nós temos um gosto parecido, acho que vou passar longe dele hahaha Mesmo a premissa dele não me chamou muito a atenção, então quem sabe em um outro livro do autor, né?
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  18. Oi Tami, tudo bem?
    Eu nunca nem tinha ouvido falar do autor, mas depois dessa resenha acho que vou me manter assim. Menina, que pena que suas expectativas tenham sido tão decepcionadas. :( Isso é beeem frustrante.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  19. Não conheço o livro, mas é triste quando acabamos nos decepcionando com uma leitura que tinha tudo para ser interessante..

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  20. Oi, Tami!
    Pena que não gostou do livro.
    Já li v;arios di Grisham e amei.
    Não deixe essa experiência ruim estragar o autor.
    Recomendo O Último Jurado e O Juri. Excelentes!
    Achei a premissa desse bacana, mas pelos seus apontamentos tenho certeza que não vou gostar. Nem vou perder tempo.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  21. Tami! Que lindeza de resenha. Sempre com a honestidade escancarada e nos emitindo diversos alertas. Uma pena que a obra foi tão decepcionante, faltando até carisma para os personagens. Mas imagino que o autor possa ter outros trabalhos bacanas. E, de qualquer forma, nada deixa de valer, não é? Lindezura!

    semquases.com

    ResponderExcluir