27 de maio de 2019

Resenha | A Casa das Orquídeas - Lucinda Riley


Livro cedido em parceria com a editora.

Autora: Lucinda Riley

Tradutora: Fernanda Abreu

Número de páginas: 528

Ano: 2018

Editora: Arqueiro

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Quando criança, Julia viveu na grandiosa propriedade de Wharton Park, na Inglaterra, ao lado de seus avós. Lá, a tímida menina cresceu entre o perfume das orquídeas e a paixão pelo piano.

Décadas mais tarde, agora uma pianista famosa, Julia é obrigada a retornar ao local de infância na pacata Norfolk após uma tragédia familiar. Abalada e frágil, ela terá que reconstruir sua vida.

Durante sua recuperação, ela conhece Kit Crawford, herdeiro de Wharton Park, que também carrega marcas do passado. Ele lhe entrega um velho diário que trará à tona um grande mistério, antes guardado a sete chaves pela avó dela.

Ao mergulhar em suas páginas, Julia descobre a história de amor que provocou a ruína da propriedade: separados pela Segunda Guerra Mundial, Olivia e Harry Crawford acabaram influenciando o destino e a felicidade das gerações futuras.

Repleto de suspense, A casa das orquídeas viaja da conturbada Europa dos anos 1940 às paisagens multicoloridas da Tailândia, tecendo uma trama complexa e inesquecível.


— Lembre-se: nunca perca as esperanças. A vida tem um jeito engraçado de se resolver. Espere e verá.

Julia Forrester é uma renomada pianista que acabou de perder tudo de mais importante que tinha em sua vida. De volta a Norfolk, cidade onde cresceu, ela tenta superar sua dor e seguir em frente, mas isso não está sendo nada fácil. Alicia, sua irmã, tenta levantar seu ânimo de todas as maneiras possíveis e acredita que um leilão de objetos em Wharton Park vai ajudar.

Dizem que os sonhos são importantes e revelam coisas que estamos escondendo de nós mesmos.
Eu não estou escondendo nada de mim mesma. Até gostaria que isso fosse possível.
Durmo para esquecer. Para encontrar paz, porque passo o dia inteiro lembrando.

Wharton Park é um lugar muito importante para Julia. Era lá que Bill, seu querido avô, era jardineiro e cultivava as mais raras espécies de orquídeas. Durante a infância, Julia passou muito tempo na propriedade e agora guarda com muito carinho as lembranças daquele tempo, por isso é com pesar que ela recebe a notícia de que os bens de Wharton Park serão leiloados e de que a propriedade será vendida.

Chegando lá, Julia acaba reencontrando Kit Crawford, o herdeiro da propriedade e responsável pela venda da mesma. Julia e Kit se conheceram quando eram crianças, mas nunca foram amigos. Eles trocam amabilidades, mas é somente quando, alguns dias depois, Kit procura Julia para entregar-lhe um diário que seria de Bill, que a história deles realmente começa.



No diário, Bill descreve sua experiência em Changi, prisão em Singapura onde os japoneses mantinham soldados ingleses durante a Segunda Guerra Mundial. Julia não se lembra de nenhum comentário do avô acerca de sua estadia em Changi, sendo assim, ela resolve procurar Elsie, sua avó, para que esta lhe confirme se o diário pertencera mesmo a Bill. E sim, ele pertencera, e Elsie temia o dia em que teria que revelar a história por detrás do mesmo.

Os relatos de Elsie começam em 1939, pouco antes do início da guerra. Ela começa a contar a história de Olivia Drew-Norris e Harry Crawford, cuja união deu início à ruína de Wharton Park e cuja derrocada afetou a vida de muitas pessoas... inclusive a de Julia.

De repente, dou-me conta da verdade nua e crua. Mas será que ela me reconforta ou me assusta?
Wharton Park não pertence aos Crawfords.
Nós pertencemos a ela.

••••••••••

Sabe quando a gente compra ou recebe um livro que queríamos muito, mas assim que ele chega a vontade de ler simplesmente desaparece? Foi exatamente isso que aconteceu com A Casa das Orquídeas. O livro estava aqui em casa há meses, só esperando uma oportunidade. Quando eu finalmente cedi, que arrependimento! Mas não é este tipo de arrependimento que vocês estão pensando, e sim arrependimento por não ter lido esta riqueza assim que ela chegou em minhas mãos!

A Casa das Orquídeas é espetacular e reúne tudo o que eu mais amo em uma história. Dramas familiares, romance, perdas, segredos, mentiras... é um pacote completo. E para completar, Lucinda Riley usa um dos artifícios que mais me agradam quando o que está sendo contado é a história de uma família: ela conta uma história dentro da história!

É impossível esmiuçar todos os meus sentimentos nesta resenha e tenho absoluta certeza de que quanto menos vocês souberem sobre esta história, melhor. O inesperado é o que faz A Casa das Orquídeas ser tão arrebatador. Este foi o meu primeiro contato com a escrita de Lucinda, mas com certeza foi o primeiro de muitos, pois essa mulher conseguiu escrever um livro com absolutamente zero defeitos. Ao longo do tempo, poucas foram as histórias impecáveis que eu encontrei, colocar um novo livro neste hall é sempre muito satisfatório.


Falar sobre os personagens de A Casa das Orquídeas é uma tarefa difícil. Eles são muitos e todos eles são super bem desenvolvidos. Até mesmo aquele que pouco aparece, mais para frente, tem uma relevância que faz toda a diferença na narrativa. Neste livro não temos nenhum personagem que é subaproveitado ou dispensável; todos são importantes, todos têm uma função.

No presente conhecemos Julia, uma mulher que está presa em uma autocomiseração da qual não consegue se livrar. É fácil sentir empatia por ela, pois nós conseguimos enxergar que ela quer sair daquele estado autodepreciativo, mas não sabe por onde começar. Temos também Kit, que tem seus próprios fantasmas e agora tem de lidar com uma propriedade falida para a qual, a propósito, nunca deu valor. No passado temos Olivia, uma jovem sonhadora que torna-se uma esposa dedicada, e Harry, um herdeiro imaturo que não sabe lidar com o peso das responsabilidades. A história desses quatro é trágica e extremamente intrincada, por isso é tão difícil discorrer sobre seus pormenores.

Além destes quatro, há ainda os personagens coadjuvantes que são tão ricos quanto! Alicia, com sua personalidade tão superprotetora que chega a ser sufocante; Elsie e Bill, com sua lealdade e compaixão; Venetia, com seu espírito livre; Adrienne, com sua complacência; Lidia, com sua ingenuidade... como eu queria falar sobre todos eles, sobre suas participações fundamentais no decorrer da narrativa, sobre suas contribuições enriquecedoras que tornaram a história aquilo que ela é. Sem eles, A Casa das Orquídeas não seria um livro tão maravilhoso.

Gostaria de destacar também a força das mulheres desta história! Como é bom ver personagens femininas que têm tramas que não dependem de um homem. Como é bom ver que seus anseios vão além do amor romântico e que, ainda que tardiamente, elas entendam que o maior amor é o amor-próprio.

Pegando a deixa do amor, A Casa das Orquídeas possui diversos relacionamentos, todavia, nenhum deles se torna mais importante do que a história que está sendo contada. Eles são necessários e indispensáveis para o desenvolvimento da narrativa, principalmente um deles, mas aqui o que move a trama são as escolhas feitas pelos personagens e as consequências das mesmas.

A Casa das Orquídeas já havia sido publicado pela Novo Conceito em 2012, mas ganhou uma nova edição ano passado através da Arqueiro. A capa é maravilhosa e se parece muito com as descrições de Wharton Park. O livro, que é narrado em terceira pessoa, possui uma diagramação simples e confortável, com folhas amareladas e de boa qualidade.


Eu poderia ficar horas e horas falando sobre este livro tamanho foi o seu impacto na minha pessoa, mas a resenha já está enorme. 🙊 Tudo o que eu posso fazer agora é pedir que vocês deem uma chance a esta maravilhosa história, pois vocês com certeza não irão se arrepender.


26 comentários

  1. Eu amo livros com essas folhas amareladas, são tão gostosos de ler, ainda não conhecia esse, mas já anotei a dica!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  2. Oi
    nunca li nada dessa autora, mas tenho muita curiosidade, na epoca que foi lançado pela NC queria muito, mas acabei esquecendo dele, agora coloquei na lista de desejado, que bom que gostou da leitura e a escrita da autora parece ser muito boa.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Tami,
    Eu li esse livro há muito tempo atrás, quando ainda era da Novo Conceito e adorei!
    Minha mãe tem toda a coleção da Lucinda e eu estou lendo aos poucos as obras dela, mas sempre são marcantes.
    beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Tami!

    A capa por si só é bem bonita, e sua resenha repleta de elogios me deixou ainda mais curiosa com a história. Nunca li nada da autora, mas só vejo críticas positivas a respeito de suas obras, e Casa das orquídeas parece ser um ótimo livro para uma primeira experiência com a escrita da autora

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Indico muito como primeiro leitura, tenho certeza que você vai se surpreender!

      Excluir
  5. OI TAMIRES
    SEMPRE vejo otimas resenhas sobre os livros dessa autora e sempre tive vontade de comprar mas os livros dela não são baratos
    ATÉ que um dia eu consegui gratuitamente o livro dela chamado A LUZ ATRAVES DA JANELA , de uma meneira que eu menos esperava .AQUI NA praça de minha cidade o jornaleiro colocou uma geladeira de livros em que a gente pode trocar livros PEGA-se um livro e deixa outro
    QUAL não foi mimha supresa um dia em fui trocar um livro e achei o livro da LUCINDA FOI UMA ALEGRIA ENORME .nem acreditava que tinha conseguido um livro dessa autora tão elogiada
    ESPERO QUE com o tempo eu possa eu consiga comprar esse que tão bem foi resenhado por voce

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os livros dela realmente não são baratos. Ela sempre escreve livros bem grandes e isso influencia no preço também. Mas que bom que você conseguiu um exemplar desta maneira tão bacana!

      Excluir
  6. Olá! Nunca tinha ouvido falar no livro, mas a história parece ser tão delicada, leve e emocionante que vou por na minha lista agora mesmo :)
    Amei conhecer sobre essa obra e agradeço por tê-la indicado aqui! Vou procurar sobre mais livros da autora

    Beijos!
    Estante Bibliográfica > blog novo!

    ResponderExcluir
  7. Olá, Tamires.
    Fico feliz que tenha gostado do livro porque ela é uma das minhas autoras favoritas. Todos os livros que li dela tem essa coisa de duas histórias. E as duas são sempre maravilhosas hehe. Estou lendo a série das sete irmãs e estou amando.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Oi Tami!
    Eu sou meio reticente qnd o assunto é Lucinda Riley, mas provavelmente eu darei uma chance a ela em algum momento da vida, é só uma questão de tempo, rs.
    AAA, a sensação de encontrar um livro perfeito ❤
    A Esther ama essa autora!
    Bjs
    A Colecionadora de Histórias - Blog

    ResponderExcluir
  9. Oi, Tami!
    Menina, você gostou mesmo do livro hein...
    Nunca li nada da autora porque sempre achei que as histórias beiravam mais para um drama e o gênero não é muito meu forte...
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse pelo menos foi um livro bem completo, não é um dramalhão, tem várias nuances.

      Excluir
  10. Oi Tami, tudo bem? Infelizmente eu perdi o interesse nos livros da autora, mas depois dessa resenha estou reavaliando e pensando melhor em dar uma oportunidade.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  11. Oi Tami!
    Parece uma historia muito tocante. Eu ja tinha lido algumas resenhas tao positivas quanto a sua. Uma historia bonita sem duvidad. Tenho uma amiga que tambem ama a autora. Ela leu esse e sempre recomenda. Quem sabe em breve eu nao morra de amores contigo e leve uns impactos na vida tambem

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. OI, Tami
    Eu não sou muito fã de livros que envolvem histórias com personagens mais antigos, tipo ter quatro personagens, dois na época atual e dois em 1950 por exemplo. Eu acho tão cansativo, morro de preguiça e por isso não leio a obra, apesar de já ter tido interesse antes.
    Beijo!

    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena, já eu acho este artifício riquíssimo, e poucos autores conseguem usá-lo satisfatoriamente.

      Excluir
  13. Oi, Tami! Tudo bom?
    Eu fiquei com uma pulga atrás da orelha pensando 'ué acho que já vi esse título em algum lugar' até tu falar que foi reedição UHASUHASUHUHASUHAS caduquei total.
    Tentei ler esse, mas alguma coisa na narrativa da Lucinda não me prende :/ acabei abandonando e nunca voltei. Mas que bom que tu curtiu tanto!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir