20 de maio de 2019

Resenha | Esse Duque é Meu - Eloisa James


eBook cedido em parceria com a editora.

Autora: Eloisa James

Tradutora: Livia de Almeida

Série: Contos de Fadas #5

Número de páginas: 344

Ano: 2019

Editora: Arqueiro

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Era uma vez, numa época não muito distante…

Para Olivia Lytton, seu noivado com o duque de Canterwick é mais uma maldição do que uma promessa de ser feliz para sempre. Pelo menos o título de nobreza dele ajudará sua irmã, Georgiana, a garantir o próprio noivado com o carrancudo – e lindo – Quin, o duque de Sconce, um par perfeito para ela em todos os sentidos.

Quer dizer, menos em um, porque Quin está apaixonado por Olivia. A curvilínea, teimosa e inconformista irmã gêmea de sua noiva desperta um desejo desconhecido nele. Mas Quin nunca coloca a paixão à frente da razão, e a razão lhe diz que Georgiana é a noiva perfeita.

Quando eles não conseguem resistir à paixão, correm o risco de colocar tudo a perder – o noivado de Olivia, a amizade dela com a irmã e o próprio amor dos dois.

Agora só há uma coisa capaz de salvá-los, e ela espera no quarto, onde um magnífico colchão guarda respostas transformadoras ao enigma mais romântico de todos.

No quinto livro da coleção Contos de Fadas, Eloisa James traz de volta à baila uma pergunta antiga: será que a perfeição tem alguma coisa a ver com o amor?


— ... Você tem tudo o que ela não tem.
Olivia abriu a boca, pronta para discutir.
— Tudo o que ela não tem.
Ela fez uma careta.
— Inclusive eu.

As irmãs Lytton nasceram com seus destinos traçados. Quando o pai delas estudava em Eton, ele tornou-se amigo do jovem duque de Canterwick. A amizade fora tão forte que os dois fizeram um pacto de sangue, onde prometeram, mesmo antes de terem filhos, que a filha mais velha de Lytton se casaria com o filho mais velho de Canterwick. Quis o destino que Lytton tivesse duas filhas de uma só vez, as gêmeas Olivia e Georgiana. Os Lytton não quiseram arriscar, pois sempre havia o risco de algo acontecer com Olivia, a mais velha. Por este motivo, tanto Olivia quanto Georgiana foram moldadas, ou melhor, duquesificadas desde cedo, a fim de se tornarem futuras duquesas perfeitas.

No fim das contas, nada acontece com Olivia. Aos vinte e três anos, é ela quem terá de se casar com Rupert Forrest G. Blakemore, o futuro duque de Canterwick, cinco anos mais novo que ela e intelectualmente peculiar. Quando Rupert insiste em ir para a guerra, Olivia vê com alívio o seu iminente casamento ser adiado, mas não antes de ter que ceder a caprichos questionáveis de seus pais e de Canterwick.

Para a alegria dos Lytton, surge uma oportunidade de ouro para Georgiana, onde ela também poderia colocar em prática toda a sua duquesificação. Georgiana é convidada para passar uma temporada em Littlebourne Manor, a propriedade ducal de Tarquin Brook-Chatfield, o duque de Sconce. Enquanto não tem que encarar seu tedioso destino com Rupert, Olivia decide que vai ajudar a irmã a conquistar seu próprio duque, mas não contava que a irmã teria que enfrentar uma série de testes propostos por Amaryllis, mãe do duque que leva a finesse muito a sério.

Quin, como Tarquin é mais conhecido, não se importa com o show que sua mãe está armando. Viúvo, ele sabe que precisa de um herdeiro e quando casou-se por amor as coisas terminaram muito mal. Amor é a última coisa que ele almeja em um casamento, tudo o que ele quer é uma dama que não o faça passar por tudo o que ele já havia passado. Uma dama culta, educada, inteligente... uma dama parecida com Georgiana Lytton, que rapidamente torna-se a preferida de Amaryllis na corrida ducal.

Todavia, quando Quin e Olivia se conhecem, as coisas se complicam. O primeiro encontro deles fica marcado na mente de Quin, que mesmo sabendo que Olivia é toda errada para ele, com sua personalidade forte e decidida, não consegue tirá-la da cabeça. Quando descobre que ela é noiva, Quin fica ainda mais consternado, pois como ele poderia desejar a futura esposa de outro homem, um homem que estava defendendo seu país em uma guerra?


Olivia também fica muito confusa, afinal, ela fora para Littlebourne Manor com o intuito de ajudar a irmã e agora estava se apaixonando pelo possível pretendente da mesma. Porém, por mais que tente evitar, Olivia não consegue fugir do bem-estar que Quin lhe proporciona. Perto dele, Olivia consegue ser ela mesma. Perto dele, ela esquece do futuro que lhe aguarda. Perto dele, a vida parece interessante e as possibilidades são infinitas.

Se eles assumirem esta paixão, há o risco de muita gente se machucar. Mas ao não assumi-la, os machucados serão eles. E agora, o que escolher?

Ficaram ali, sem se mover muito por longos minutos. Não eram beijos do jeito que Quin sempre pensava em beijos. Achava que sabia exatamente o que era um beijo: uma carícia de lábios que poderia ou não envolver a exploração da boca da destinatária pela língua do doador.
Mas nada se comparava àquilo. Era um inferno e uma conversa, tudo ao mesmo tempo.

••••••••••

Com a publicação de Esse Duque é Meu, chega ao fim a controversa série Contos de Fadas. Digo controversa porque durante estes cinco volumes houve muitos altos e baixos, porém, para mim, o saldo foi positivo. A história de Olivia e Quin fecha a série com chave de ouro, com aquela mistura de romance, sensualidade, irreverência e diversão que todo Romance de Época deve possuir. Esse Duque é Meu é baseado no conto A Princesa e a Ervilha, história que eu não conhecia. Sendo assim, qualquer discrepância ou falta de referências não puderam ser observadas.

Arrisco dizer que dentre todas as protagonistas femininas da série, Olivia é a melhor. A sagacidade da personagem foi o que mais me agradou. Olivia possui uma malícia com pitadas de inocência - estranho, eu sei, mas é isso aí mesmo - que fizeram-na única e extremamente divertida. Dividida entre honrar aos pais e ser dona da própria vida, Olivia aproveita cada brecha de liberdade que surge em seu caminho como se estivesse sedenta por aquele momento. Seu relacionamento com Georgiana é muito bacana e nesta história Eloisa arriscou-se bastante fazendo com que Olivia se envolvesse com o noivo em potencial da própria irmã. Confesso que fiquei receosa quando percebi o que estava rolando, mas a autora conduziu tudo muito bem e aquele sentimento de traição não surgiu em nenhum momento.

Quin, o protagonista masculino da vez, é ótimo. Vi que algumas pessoas não simpatizaram muito com ele e compreendo os motivos. Ele é um intelectual que passa a maior parte do tempo envolto em uma bolha quase impenetrável. Ele sofreu um baque terrível e tem motivos para ser descrente. Junte isto ao fato dele ser um duque, alguém cuja imponência assusta e não é qualquer um que tem coragem para chamá-lo para a realidade. Sua passividade e desilusão exigem um pouco mais de paciência, mas basta Olivia surgir, com sua impetuosidade e falta de papas na língua, para ele perceber que a vida ainda pode ser divertida e que talvez ainda haja tempo para uma segunda chance.

O desenvolvimento do relacionamento dos protagonistas tem um ritmo muito bom. Começamos com a animosidade, passamos pelo reconhecimento dos respectivos potenciais e enfim chegamos na admiração mútua, onde cada um consegue enxergar os pontos fortes do outro e onde eles começam a dividir dores, desejos, sonhos...

A química entre Quin e Olivia é enorme, as faíscas estão lá desde o primeiro momento. É muito legal acompanhar essas pequenas fagulhas transformando-se em brasa para aí então dar início ao incêndio. Os momentos sensuais são bem envolventes e eu diria que até inusitados, tudo escrito com muito bom gosto.


Esse Duque é Meu, ao contrário de seus antecessores, traz personagens secundários mais relevantes. Georgiana é o total oposto da irmã em fisionomia e personalidade. Confesso que se fosse ela a protagonista do livro, a leitura não teria sido tão prazerosa. Georgiana tende a ser muito ligada aos costumes e convenções sociais e vive questionando as atitudes de Olivia, algo no mínimo contraditório para alguém que tem anseios tão visionários. Outra personagem que merece ser mencionada é Amaryllis, mãe de Quin. Ela acha que sabe o que é melhor para o filho e aproveita-se da passividade do mesmo para fazer o que quer e o que bem entende. Sua pequena competição para escolher a futura duquesa poderia ter rendido mais, confesso; mas achei suas intromissões bem-vindas, principalmente pelo fato de que elas sempre levam a bons embates. Justin, primo de Quin, é divertidíssimo e dado a divagações que não levam a lugar nenhum, mas que rendem boas risadas. E por último, mas não menos importante, temos Rupert, o atual/ex-noivo de Olivia que poderia se tornar um estorvo, mas ele é ótimo e ganhou um lugar no meu coração. Ele é inspirado em um dos personagens mais memoráveis da história do cinema, não deixem de ler as notas históricas para descobrir.

Eu li o eBook e o mesmo está muito bem formatado. Há pequenas ilustrações no início de cada capítulo, o que deixou tudo bem charmoso. A história é narrada em terceira pessoa e encontrei apenas alguns errinhos que foram prontamente reportados. As capas dos livros da série Contos de Fadas não são conhecidas por sua beleza, mas todas tem a ver com a história que representam. A narrativa da trama é ágil e dentre todos os livros da série esta foi a leitura que mais fluiu para mim, li muito rapidinho.

Como eu disse no início das minhas considerações, esta foi uma série controversa. O primeiro livro ainda fez algum barulho, mas depois as coisas foram esfriando por vários motivos. Espero do fundo do meu coração que a editora continue apostando na autora apesar dos pesares, pois a Eloisa merece!


Leia mais:

Quando a Bela Domou a Fera  Um Beijo à Meia-Noite A Duquesa Feia A Torre do Amor

28 comentários

  1. Oi, Tami! Tudo bom?
    Fiquei feliz de saber que depois do que me apontaram como bomba nas sequências ao primeiro livro, esse seguiu A Torre do Amor e foi bom!
    Acho que vou pular o 2 e o 3 mesmo UHSUHASUHUHASUHASUHASUH
    Amo uma trama com coadjuvantes que existem mais do que pra ser capacho dos protagonistas <3

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Tami,
    Essa capa é tão estranha... Mas ok, o que vale é o conteúdo, certo?
    E eu super concordo que o único que realmente fez barulho foi o da Bela e a Fera, porém ainda acho que foi pelo momento no qual foi lançado, perto do lançamento do filme. E no meu caso, como não foi tão bom, eu nem dei continuidade a série.
    beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena, Alê. Eu não gosto de deixar série inacabada, então segui em frente. Hahaha

      Excluir
  3. Oi Tami, tudo bem? Infelizmente essa é uma série que não desperta nem um pinguinho do meu interesse, porque eu não gosto muito de releituras de contos de fadas. Eu quero conhecer alguma obra que a autora tenha escrito, porque já li muitos comentários positivos sobre ela. Que bom que ao final o saldo da série foi positivo, porque é sempre um tempo dedicado à leitura que acaba dando aquela sensação de frustração se termina de forma negativa.
    Beijos, Adri
    Espiral de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem a duologia A Dama Mais... que a editora Arqueiro começou a publicar este mês. ;)

      Excluir
  4. Olá!! Eu amei a capa de todos os livros da série. Eu estou esperando um bom momento para ler os livros, gostei muito da sua resenha apesar de saber que não foi as melhores leituras da vida para você. Mesmo assim quero muito ler.
    Beijocas.


    www.parafraseandocomvanessa.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, Tamires.
    Eu tenho esse livro aqui, mas ainda falta eu ler A Torre do Amor. Eu gostei das capas da série, mas essa só se tiver muito a ver com a história mesmo porque mais parece de romance erótico. Que bom que no fim das contas o saldo da série foi positivo. Eu gostei tanto de Quando a Bela Domou a Fera que espero que a editora traga outros livros dela para cá sim. E já tem um com a Julia hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos torcer, Sil. Tem o da Julia, mas é a seis mãos, ela merece mais um crédito como autora individual, né?

      Excluir
  6. Oi Tami! Eu amei muito o primeiro, mas depois os outros não conseguiram supere ele. Falta eu ler este e o antecessor e espero que ambos me deixem contente. De fato, foi uma série controversa Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse e o antecessor foram justamente os que redimiram a série para mim.

      Excluir
  7. Oi Tami, que bom que o saldo da série foi positivo! Eu gosto da escrita da Eloisa e espero gostar desse tb, agora a capa é horrível, cruz credo.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  8. Oi, Tami!

    Eu li pouquíssimos livros de época, mas gosto bastante desses romances. Quem acompanha mais é a Carol. Fico feliz que o saldo da série tenha sido positivo, apesar dos altos e baixos. Gosto bastante de séries com personagens secundários relevantes assim.

    Adorei a resenha e a foto com os livros de fundo <3

    Beijos,
    Caverna Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Personagens secundários relevantes sempre me deixam satisfeita.

      Excluir
  9. Oi, Tami!
    Que bom que a leitura foi boa porque eu sinto o mesmo em relação as obras da Eloisa, só espero que agora só melhore. Eu adoro personagens que não tem nada a ver e se apaixonam por acaso, com toda certeza vou ler a obra. Essa característica da Olivia de ser maliciosa inocente parece muito com a da Pippa, de Entre a culpa e o desejo, eu simplesmente amei e morri de rir.
    Beijo

    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Tami,
    Não consigo gostar das capas dessa série :(
    Nunca ouvi falar nesse conto que foi baseado, acho que só lendo o livro pra ver se pesca referência de outra releitura talvez.
    E que ótimo que no geral foi bacana conhecer a série.
    Quero ler em breve.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  11. Oi
    que bom que a serie terminou de forma positiva, eu já vi resenhas negativas e positivas dos livros anteriores, mas parecem interessante, tenho curiosidade com a escrita da autora e que bom que gostou desse.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oiii Tami

    Nossa, nem imaginava que essa série já tivesse 5 livros, dá um alivio terminar né? E mais ainda quando no geral o saldo foi positivo. Eu adoro livros onde os secundários tem peso e se tornam relevantes, acho que isso deixa a história mais ampla e mais interessante, quase sempre dá certo. Quero conferir o primeiro desses da autora, o da Bela acho... se eu gostar quem sabe invisto em ler a série toda.

    Beijos, ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O primeiro é o d'A Bela e a Fera sim. Tomara que você goste!

      Excluir
  13. Oi, Tami!
    Pra mim essa série também foi de altos e baixos. Ainda vou ler esse livro, mas queria mesmo que Arqueiro publicasse (nem que fosse em ebook) os contos, que são maravilhosos!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  14. Não é um livro que me enche os olhos.
    Não curto o gênero. Então vou acabar passando a sua dica, rs

    Tenha uma ótima noite.
    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br/

    ResponderExcluir