13 de maio de 2019

Resenha | A Viúva de Safira - Dinah Jefferies


ARC cedida pela editora através da NetGalley.

Autora: Dinah Jefferies

Tradutor: André Fontenelle

Número de páginas: 376

Ano: 2019

Editora: Paralela

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: O ano é 1935. No Ceilão, uma rica colônia britânica do sul da Ásia, Louisa e Elliot vivem um casamento feliz. Ela, filha de um importante comerciante da região; ele, um charmoso homem de negócios. Juntos, eles aparentam ser um casal que tem tudo. Exceto aquilo que mais desejam: um filho.

Durante as diversas tentativas de Louisa de engravidar, seu marido parece cada vez mais distante, passando a maior parte do tempo em uma fazenda de canela das redondezas. Mas a morte repentina de Elliot — tão trágica quanto misteriosa — é seguida de revelações chocantes, atirando a jovem numa espiral de incertezas. Quem era, de fato, aquele homem? Por que ele tinha tantos inimigos? Como foi capaz de cometer uma traição tão terrível?

Em busca de respostas, Louisa embarca em uma jornada devastadora. Quando finalmente descobre o terrível segredo por trás de seu casamento, seu mundo vira de cabeça para baixo. Será que ela encontrará forças para seguir em frente? Ou sofrerá, para sempre, as consequências do que parece imperdoável?


"Às vezes eu tenho medo."
"De quê?"
"De tudo. De nada. Do Passado, do futuro. Do marido que eu não conhecia."

Louisa Reeve tem uma vida confortável e um marido amoroso, mas carrega a dor de diversos abortos e uma filha natimorta. Apesar dos problemas de concepção, Louisa e Elliot aparentam ser felizes, mas esporadicamente há algumas rusgas causadas principalmente pela natureza imatura e mimada do rapaz, que fora criado a pão de ló por Irene, sua mãe.

Apesar de trabalhar na empresa do sogro, Elliot alega que possui parte de Cinnamon Hills, uma afastada plantação de canela. Louisa não desconfia, pois conhece o tino empreendedor do marido e sabe da sua vontade de ganhar cada vez mais dinheiro, vontade esta que no passado já lhe causou grandes problemas. Porém, as viagens de Elliot a Cinnamon Hills, antes infrequentes, passam a ser o oposto. É somente quando Elliot morre em um trágico acidente que Louisa começa a descobrir com quem fora casada.

Após o falecimento de Elliot, a agora viúva tem de lidar com homens estranhos batendo à sua porta alegando dívidas altíssimas contraídas por seu falecido marido, valores dos quais ela não tinha o menor conhecimento. Louisa resolve, então, ir a Cinnamon Hills com o intuito de reaver a certidão de propriedade para poder vender a parte de Elliot, mas é surpreendida ao descobrir que, ao contrário do que o marido alegava, ele não era dono de parte da plantação.

Leo McNairn, o verdadeiro dono de Cinnamon Hills, alega não saber explicar para Louisa o porquê de Elliot ter mentido, o que deixa a jovem viúva muito consternada. Com o passar das semanas e com todas as suas perguntas ainda sem respostas, Louisa recebe a visita de Leo e descobre o real motivo de toda aquela invenção. E então seu mundo desaba.

Agora Louisa precisa saber lidar com as consequências dos atos de Elliot, uma pessoa que ela pensava conhecer como a palma de sua mão, mas que mostrou ser um verdadeiro estranho. Enquanto tenta lutar com a enxurrada de descobertas comprometedoras, Louisa ainda precisa lidar com os sentimentos que começa a nutrir por Leo. Um envolvimento entre eles é errado de todas as formas possíveis, mas quando uma vida sólida e segura desaba, o que mais a pessoa tem a perder?

Ao se deitar na cama, sentiu-se atormentada entre a dor da perda e o peso das mentiras dele. O pior era o receio de, em doze anos, nunca ter descoberto quem Elliot realmente era.

••••••••••

Como é chato se decepcionar com um livro, né? E quando o livro em questão é um que a gente estava esperando há muito tempo, a decepção é pior ainda. Eu me apaixonei pela escrita de Dinah Jefferies em O Perfume da Folha de Chá, livro com uma das melhores e mais sensoriais ambientações que eu encontrei nos meus mais de vinte anos de leitura. Logo depois veio a leitura de Antes da Tempestade, que, ainda que tenha sido uma história inferior, ainda me cativou por conta de certos aspectos aqui e acolá. Aí chegamos em A Viúva de Safira, livro que possuía uma sinopse bem interessante e que ainda trazia de volta personagens queridos de O Perfume da Folha de Chá. Foi impossível não criar altas expectativas... e a queda foi feia.

A Viúva de Safira promete muito, mas não entrega quase nada. Em meio a um texto prolixo e a um desenvolvimento que em nada lembra a qualidade da escrita da autora, há personagens chatos, infantis e muito mal construídos, além de, infelizmente, haver uma total descaracterização e mau aproveitamento de Gwendolyn Hooper, a protagonista de O Perfume da Folha de Chá que neste livro faz participações completamente aleatórias e desnecessárias, além de não lembrar em absolutamente nada a maravilhosa personagem que fora em seu próprio livro.

Quem me acompanha há algum tempo sabe que eu não abandono livros, mas desta vez estive muito perto de fazê-lo. Quase me dói falar que senti tédio durante a leitura, de verdade; a falta de acontecimentos relevantes e a morosidade da condução da narrativa fizeram com que a história se tornasse entediante, não há outra definição.

O Ceilão, que outrora fora tão bem explorado, neste livro é quase esquecido. Não vejo motivos para ambientar uma história em uma terra tão exótica se não for para enaltecê-la. A Viúva de Safira poderia ter sido ambientado em qualquer lugar, tamanha foi a falta da abordagem de costumes e afins, o que, nos outros livros, era algo de grande destaque.

Quanto aos personagens, nenhum se salvou. Tentei sentir alguma simpatia, mas eles não me ajudaram. Louisa quer ser tudo ao mesmo tempo, mas acaba não sendo nada. De esposa a empresária, toda sua trajetória é medíocre. A autora quis construir diversas facetas para a personagem, mas nenhuma me convenceu. Seu romance com Leo também não deu liga, é repentino e superficial. A impressão que ficou foi a de que eles se uniram pelos motivos errados, no momento errado e da maneira errada. Ela a todo momento se lembrava de Elliot e foi como se estivesse buscando em um o que faltava no outro. Ainda há outras tramas que tinham potencial de gerar conflito, como por exemplo o caso extraconjugal de Margo, cunhada de Louisa, e as dívidas de Elliot, mas elas acabaram sendo um nada no meio de outro nada.

O grande segredo de Elliot, o pontapé de toda a história, é óbvio demais. E olha que sou péssima em adivinhar essas coisas! Logo depois começa o inverossímil envolvimento de Louisa; inverossímil porque acredito que nenhuma mulher faria tudo o que ela fez. É necessário um nível de altruísmo muito elevado, altruísmo este que uma mulher que descobriu tudo o que ela descobriu não seria capaz de possuir.

Eu li a ARC que a editora disponibilizou na NetGalley, por isso não posso falar sobre a edição. Mas já adianto, porém, que mesmo com todas as minhas ressalvas, vou adquirir meu exemplar porque acho a capa lindíssima e quero o livro na estante. 

Eu gostaria muito de ter vindo aqui para enaltecer este livro, mas infelizmente não rolou. Eu só espero que outras pessoas curtam esta história, pois ainda que eu tenha me decepcionado quero que a autora continue sendo publicada por aqui. E se você queria A Viúva de Safira e agora está em dúvida, não se deixe abater. Sua experiência pode ser muito diferente da minha, ok?


Leia mais:

O Perfume da Folha de Chá Antes da Tempestade




21 comentários

  1. Olá! Te entendo bem, sei bem como é iniciar um livro cheia de expectativas e o livro não rolar, meio que o livro não conversa com a gente em algum momento. Sei bem como é isso.
    Mas, não conhecia esse livro e gostei da sinopse. Quem sabe algum dia eu o leia.
    Beijocas.

    http://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu nunca tinha ouvido falar desse livro. Uma pena a história ter sido uma decepção. É triste quando isso acontece.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá, Tamires.
    Quando vi sua nota no Instagram já estava meio que esperando por isso hehe. Não acredito que vou gostar do livro porque nossas opiniões foram iguais nos dois outros livros da autora por isso nem vou querer ler esse. É uma pena porque essa capa é maravilhosa e a história prometia.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Que pena, Tami!
    Muito triste se decepcionar tanto, ainda mais que o livro aparentemente faz parte da mesma série.
    Eu acho as capas dos livros da autora super lindas e sempre vejo elogios. Mas ainda quero ler O Perfume da Folha de Chá, que você falou tão bem.
    E, caramba, Ceilão?
    Nunca li nada que se passa lá. Fiquei curiosa sobre a região.
    E só de ver a resenha, estou quase adivinhando o que o marido dela fez, hahaha.

    Beijooos

    Teca Machado
    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim O Perfume da Folha de Chá, Teca. É maravilhoso!

      Excluir
  5. Oi, Tami!
    Mulher, senti tua decepção daqui, viu? Pior que o livro tem um capa tão linda...
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  6. Oi, Tami! Tudo bom?
    Eita que quando a história estraga personagem não tem salvação mesmo. E se não deu pra salvar UM parabéns pela sua paciência, imagino a decepção e_e

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho que receber parabéns mesmo, porque foi complicado conclui-lo. Hahahah

      Excluir
  7. Puxa Tami, li muitas críticas ao primeiro livro da autora lançado por aqui, mas depois dessa resenha, eu realmente vou passar longe, parece que nada se salva. Uma pena mesmo!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Críticas ao primeiro? Onde? Só vi elogios, o livro é maravilhoso!

      Excluir
  8. Olá, Tami!
    Uma pena que não tenha gostado.
    Não é um gênero que me atraia não, mas vi muita gente louca para ler haha. Espero que eles gostem.

    Tenha uma ótima noite.

    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Tamiii,
    Fiquei chocada com sua resenha! Eu não esperava algo negativo, confesso.
    Minha mãe também adorou 'O Perfume da Folha de Chá' e quase lhe dei de presente de dias das mães essa obra.
    Ainda bem que optei por outra coisa, rs.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Amei sua resenha, principalmente pela sua sinceridade. É muito decepcionante quando a gente cria expectativas com um livro e ele não entrega nada daquilo!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria ideal um mundo onde isso não acontecesse, mas infelizmente ele não existe hahaha

      Excluir
  11. Oi Tami.
    A gente consegue sentir o seu pesar como se fosse algo palpável. Sei bem o que é isso, gostar de uma autora, da sua escrita, ler ótimos livros dela e bumm, lá vem uma bomba inesperada! Já passei por isso umas duas vezes. Eu li e gostei do primeiro livro, mas por ter achado a leitura lenta, acabei não embarcando nos outros. Mas pode ser que algum dia eu resolva dar uma chance.
    Bjus

    ResponderExcluir