15 de julho de 2019

Netflix | I Am Mother


Título original: I Am Mother

Lançamento: 7 de junho de 2019

Duração: 1h 53min

Direção: Grant Sputore

Gênero: Drama, Horror, Sci-Fi

Elenco: Rose Byrne, Clara Rugaard, Hilary Swank e Luke Hawker

Saiba mais: IMDb - Filmow
Sinopse: Após a extinção da humanidade, uma robô chamada "Mãe" é desenvolvida para repovoar a Terra. A primeira de uma nova geração de humanos é uma jovem que logo desenvolve um laço emocional com a inteligência artificial. Mas as coisas tomam rumos inesperados quando uma mulher aparece, questionando tudo sobre o que foi dito sobre o mundo exterior.


Não sou uma das maiores entusiastas de ficção científica, porém, o trailer de I Am Mother chamou minha atenção. Demorei um pouco para assisti-lo, mas ontem finalmente o fiz e, apesar de ter curtido, acho que o filme não conseguiu explorar todo potencial que tinha.

I Am Mother começa explicando que a humanidade foi extinta, mas antes houve a criação de uma Unidade de Repovoamento que conta com mais de 63 mil embriões. A responsável por essa unidade é uma robô chamada Mãe, cuja inteligência artificial tem a tarefa de desenvolver e criar os embriões, fazendo deles seres humanos melhores do que aqueles que foram extintos. Para que isso funcione, ela precisa realizar testes, criar o ser humano perfeito para que possa replicar com os demais o mesmo parâmetro. Do embrião EPX03 surge Filha (Clara Rugaard), uma jovem que tem Mãe como única companhia e por quem nutre um amor genuíno.

A medida que cresce, Filha começa a questionar as circunstâncias de seu isolamento. Ela não entende porque Mãe não desenvolveu mais nenhum embrião e se sente muito sozinha. Mãe sempre consegue contornar a situação, explicando que o dia de um novo embrião ser desenvolvido está cada vez mais próximo. Enquanto espera, Filha é submetida aos mais variados testes de aptidão e inteligência.

© Sundance Institute
© Sundance Institute
Toda calmaria e disciplina da unidade é posta à prova quando uma mulher baleada (Hilary Swank) bate à porta pedindo ajuda. Assustada, mas acima de tudo curiosa já que a mulher era o primeiro ser humano que via pessoalmente, Filha contorna os dispositivos de segurança e permite a entrada da mulher.

Assim que vê Mãe, a mulher fica violenta e conta para Filha que foi baleada por um robô muito parecido. Filha começa a ficar confusa, já que Mãe nunca mencionou a existência de outros robôs muito menos a de outros seres humanos. Mãe se diz tão surpresa quanto ela, pois um humano não conseguiria sobreviver às condições do ambiente externo.

Mas conforme vai ouvindo as histórias da mulher sobre o mundo exterior e sobre outros sobreviventes, Filha começa a questionar se tudo o que aprendeu desde que nasceu, da única mãe que conheceu, não passava de uma mentira.

I Am Mother é um filme muito interessante e, ao contrário da maioria das ficções científicas, é fácil de compreender. Prestem bastante atenção em tudo o que aparece na tela, ouçam com atenção todos os diálogos, pois se fizerem isso vocês vão pescar o fio da meada com facilidade. O meu problema foi a subjetividade excessiva da trama. Os personagens, como vocês puderam perceber, não têm nome, e a história se utiliza muito do momento presente (ainda que propositalmente), deixando o espectador no escuro em relação a muitas coisas.

O filme tem um tom reflexivo e um embasamento religioso bem pronunciados. O Mãe presente no título não é aleatório e a devoção da mulher à Virgem Maria, entre outras coisas, prova isso. Para eu falar mais sobre os pormenores da narrativa eu teria que me aprofundar muito no enredo, o que estragaria a experiência de vocês. Deste modo, caso tenham assistido e não tenham entendido alguma coisa, me chamem no Instagram (@tami_marins) pra gente conversar! 😉

© Sundance Institute
O elenco do filme é enxuto, mas muito talentoso. Clara Rugaard e Hilary Swank estão ótimas! A primeira me surpreendeu, sua atuação é segura e ela se destaca principalmente quando Filha tem que lidar com a confusão de sentimentos que Mãe desperta nela. Hilary também dá um show, apesar de eu ter achado que sua personagem deveria ter sido melhor aproveitada dada a sua origem e seu propósito dentro da narrativa. Destaco também Rose Byrne (Sobrenatural), responsável pela voz de Mãe. A atriz encontrou um tom cadenciado perfeito, que chega a ser incômodo de tão aveludado.

Luke Hawker, que é a pessoa por baixo da carcaça de Mãe, fez um bom trabalho na maior parte do tempo, mas em alguns momentos fica nítido que há uma pessoa embaixo daquela parafernália toda. O mesmo amadorismo pode ser visto quando o mundo exterior é revelado. O cenário deixa muito a desejar e o chroma key é perceptível.

O final do filme é bem poético e nele compreendemos as motivações da robô. Há toda uma lógica por trás de suas atitudes e observamos que ela, dentro de todas as suas limitações sentimentais, queria o melhor para a nova humanidade. Ela tinha um objetivo e não "descansou" até alcançá-lo.

I Am Mother deixa ganchos para uma possível sequência, mas duvido muito que um novo filme seja produzido. Por mais que peque em alguns aspectos, a produção consegue prender a atenção do espectador e nos faz refletir sobre ética e dilemas morais. Recomendo para uma sessão pipoca bem despretensiosa, mas ainda sedenta por alguma profundidade.


22 comentários

  1. Também acho que a personagem da Hillary devia ser mais bem aproveitada e aprofundada na história. E concordo com vc quanto aos efeitos especiais amadores. Eu não sabia que tinha mesmo um ator embaixo da carcaça da mãe, mas desconfiei desde o princípio, hahaha.
    Eu assisti o filme sem esperar muito dele, acho que por isso no geral eu gostei dele.
    Estou te seguindo no insta, o meu é @apenasleite
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥ | Instagram - Vem interagir no Insta tbm!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No começo eu estava desconfiando, mas quando a robô dá aquela corrida quando a filha abre a porta eu tive certeza. Parecia o Usain Bolt! Hahahahahah

      Excluir
  2. Oi Tami!
    Eu so cheguei a ve o trailer porque achei que era uma parada de ficção cientifica, mas depois tenha uns trecos de terror no meio e eu sai logo KKKK. Não me animo com filme de suspense, ainda mais no espaço. Jesus.

    Abraços
    David
    https://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Essa história é bem diferente do que costumo assistir, mas fiquei super curiosa para assistir esse filme. Já anotei a dica!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Tami.
    Este filme parece ser daqueles que nos jogam pra fora de nossa zona de conforto. Anotei sua dica.
    Bjus

    ResponderExcluir
  5. Oi Tami, eu vi que entrou na Netflix mas ainda não tive a oportunidade de conferir. Apesar das ressalvas achei a premissa muito boa, particularmente gosto de ficção <3

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Interessante. Eu não tinha ainda ouvido falar dessa série, primeira vez. Mesmo com os poréns, parece ser interessante.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  7. Eu gosto desse tipo de filme, apesar de não conhecer esse. Eu preciso tirar um tempo para colocar meus filmes e leituras em dia. Vou começar sexta feira se der tempo assisto esse também, vou fazer uma maratona.
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi!

    Quando o filme chegou fiquei meio em dúvida se assistia ou não, até que vi sua resenha :) gostei muito!

    Beijão

    ldesaturno.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, Tamires!

    Quero muito assistir a este filme, desde que vi o trailer na Netflix. Agora que li sua resenha, sei que valerá a pena, apesar de alguns aspectos não terem sido bem desenvolvidos.

    Beijocas!
    https://artesaliteraria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá, Tamires.
    Hoje vou deixar passar a dica. Ficção cientifica é um gênero que não me atrai muito. A ideia tem que ser bem interessante mesmo para eu querer assistir. E como estou meio sem tempo ultimamente, só estou assistindo mais as series que já acompanho mesmo, e nem isso estou dando conta hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu deveria fazer somente isso, mas não resisto aos lançamentos! Hahahah

      Excluir
  11. Oi Tami!
    Nem vi esse filme na netflix :O
    Eu não sou muito chegada em ficção científica tbm não, mas vi o trailer aqui e me prendeu, fiquei curiosa!
    Essa atriz Hilary Swank é muito boa!
    Bjs
    A Colecionadora de Histórias - Blog

    ResponderExcluir
  12. Oi Tami, tudo bem?
    Achei a dica bem interessante, e até assistiria em algum momento de ócio. Eu não sou a maior fã de ficção científica, mas acho a Hillary Swank uma ótima atriz. E achei interessante a abordagem sobre os sentimentos do robô, essa humanização sempre rende alguma discussão interessante.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir