12 de agosto de 2019

Resenha | All Your Perfects - Colleen Hoover


Autora: Colleen Hoover

Número de páginas: 310

Ano: 2018

Editora: Atria Books

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Antes: A última coisa que Quinn esperava era encontrar o amor de sua vida do lado de fora do apartamento de seu noivo. Um ano após deixarem seus parceiros traidores para trás, Quinn e Graham vivem um relacionamento perfeito que parece designado pelo destino.

Agora: Sete anos depois, seu amor perfeito está ameaçado por um casamento imperfeito. As memórias, erros e sonhos que eles acumularam durante os anos está os destruindo. A única coisa que poderia salvá-los pode ser a mesma coisa que vai empurrar o casamento deles para além do ponto de retorno.

Escrito com a mesma profundidade emocional e percepção aguçada que fez It Ends With Us e Ugly Love bestsellers instantâneos do New York Times, All Your Perfects é uma poderosa e comovente história sobre um casal destruído cujo futuro depende de promessas feitas no passado, nos fazendo lembrar que o poder duradouro do amor é a única salvação.


"If you only shine light on your flaws, all your perfects will dim."
"Se você iluminar apenas as suas falhas, todas as suas qualidades se turvarão."

Assim que retorna de uma viagem, tudo o que Quinn deseja é fazer uma surpresa para seu noivo, Ethan. Chegando ao apartamento dele, ela estranha o fato de Vincent, o simpático porteiro, sequer sorrir para ela. Quando chega ao andar correto, ela se surpreende com um homem andando de um lado para o outro, aparentando certo nervosismo. Assustada, ela se aproxima cautelosamente da porta, até que é surpreendida quando o homem em questão, que mais tarde descobre se chamar Graham, fala que a namorada dele, Sasha, está lá dentro. A principio Quinn não acredita, mas os barulhos que vêm do outro lado da porta não negam.

Após um embate elegante e silencioso com seus parceiros traidores, Quinn e Graham vão parar em um restaurante. Há algo entre eles que Quinn não sabe se é adrenalina por terem compartilhado o pior dia de suas vidas ou se é algo mais. Eles acabam indo para o apartamento de Quinn, mas ficam apenas conversando. Graham deixa seu número de telefone e fala para ela ligar para ele quando estiver pronta, mas Quinn decide que não é uma boa ideia, já que provavelmente sempre vai associá-lo àquele momento humilhante.

Seis meses depois, Quinn e Graham acabam se encontrando em um restaurante. Ambos estão em um encontro, mas aquela faísca ainda permanece acesa. Mais tarde, naquele mesmo dia, Graham acaba aparecendo no apartamento de Quinn, e desse dia em diante eles nunca mais se separam.

Sete anos depois, porém, as coisas não poderiam estar mais diferentes. Quinn começou a tentar engravidar um ano após o casamento, mas nunca conseguiu. Foram três tentativas de inseminação artificial malsucedidas, que drenaram as economias do casal e não trouxeram nada além de frustração. A adoção também não se mostra um caminho fácil, já que Graham tem ficha criminal por ter se envolvido em um acidente automobilístico com abuso de álcool quando tinha dezenove anos.


Quinn não consegue externalizar sua dor, por isso acaba guardando tudo para si, afastando Graham no processo. Para ela, cada toque, cada beijo, coisas que antes precediam uma relação sexual maravilhosa, agora são sinônimos de dor e sofrimento. Ela começa a evitar o contato físico com seu marido, pois começa a associar todas as etapas da intimidade com a devastação de descobrir, todo mês, que o sexo não tinha dado em nada, ou seja, que ela não havia concebido.

"Even without social media, not a single day goes by without being reminded that I might never be a mother. Every time I see a child. Every time I see a pregnant woman. ... Almost every movie I watch, every book I read, every song I hear.
And lately... every time my husband touches me."
"Mesmo sem mídia social, não há um único dia em que eu não seja lembrada de que eu provavelmente nunca poderei ser mãe. Toda vez que vejo uma criança. Toda vez que vejo uma mulher grávida. ... Em quase todos os filmes que assisto, todos os livros que leio, todas as músicas que ouço.
E ultimamente ... toda vez que meu marido me toca."

Para Quinn, é uma questão de tempo até que o divórcio aconteça, pois, apesar de amar Graham, ela está profundamente infeliz. Além de evitar o contato físico, ela começa a evitar os diálogos. Em sua concepção, diálogos levam a confrontos... e ela não estava preparada para dizer adeus.

O que Quinn não consegue perceber, já que está tão absorta em sua autocomiseração, são todas as pequenas atitudes de Graham, todos os pequenos gestos de seu marido que não quer nada além de consolá-la e ajudá-la neste momento tão difícil. Ele quer que ela divida toda sua dor com ele, pois para ele não importa se eles serão ou não pais um dia, o que importa para ele é que eles têm um ao outro. Mas será que para ela isso é o suficiente? Como fazê-la enxergar todas as coisas boas que eles ainda podem viver e conquistar?

Graham presses his mouth to mine. I can taste his tears. Or maybe they're my tears. He pulls back and presses his forehead to mine. "I miss you, Quinn. So much. You're right here, but you aren't. I don't know where you went or when you left, but I have no idea how to bring you back. I am so alone. We live together. We eat together. We sleep together. But I have never felt more alone in my entire life."
Graham pressiona sua boca na minha. Eu posso sentir o gosto de suas lágrimas. Ou talvez sejam minhas lágrimas. Ele se afasta e pressiona a testa na minha. "Eu sinto sua falta, Quinn. Tanto. Você está bem aqui, mas você não está. Eu não sei onde você foi ou quando você foi embora, mas eu não tenho ideia de como trazer você de volta. Eu estou tão sozinho. Nós vivemos juntos. Comemos juntos. Dormimos juntos. Mas eu nunca me senti tão sozinho em toda a minha vida."

••••••••••

All Your Perfects foi lançado ano passado e foi lido prontamente, assim que meu exemplar chegou por aqui. Todavia, o impacto que eu senti foi tão grande que eu simplesmente não consegui resenhá-lo. Cheguei a rascunhar algumas coisas, mas nada estava à altura da perfeição da história de Quinn e Graham. Esta resenha com certeza também não estará, porém, cá estou eu, um ano depois, pronta para finalmente dar meu parecer sobre o que eu considero o melhor - dentre os que eu já li - livro de Colleen Hoover até o momento.

Aproveitei o timing do lançamento de Todas as Suas (Im)Perfeições, versão brasileira da história, para fazer uma releitura. Eu pensei que seria mais fácil, afinal, eu já conhecia a trama... mas eu estava redondamente enganada! Eu sofri e me emocionei como se este tivesse sido meu primeiro contato com estes incríveis personagens.


Quero deixar um alerta: All Your Perfects é um livro muito difícil. É um livro adulto, com dramas adultos, sendo o principal deles a infertilidade. Achei um grande equívoco o fato do Grupo Editorial Record ter decidido lançar esta história pelo selo Galera. Se você enfrentou ou está enfrentando problemas para engravidar, saiba que este livro possui gatilhos muito pesados, mas ao mesmo tempo é uma das mais belas histórias sobre esperança, persistência e comprometimento conjugal que já tive a oportunidade de ler.

Vou falar uma coisa que não faz muito sentido, mas é a mais pura verdade: há uma romantização excessiva do amor. Ué, como assim, Tami? Gente, o amor não é um sentimento fácil. Manter uma relação é uma das coisas mais difíceis que existem e poucos são aqueles que são suficientemente fortes para passar por todas as provações e percalços da vida a dois e ainda assim permanecerem juntos. E aqui eu não estou falando de sofrimentos causados pelo cônjuge, e sim de efeitos colaterais causados por situações que fogem do controle do mesmo.

Falar sobre os meus sentimentos para com este livro é complicado, pois acredito que a absorção da história vai depender muito da bagagem emocional do leitor. Alguém que nunca se relacionou com ninguém e que nunca passou pelas mazelas de um relacionamento não vai encarar a história com os mesmos olhos de uma pessoa que já enfrentou os altos e baixos de uma relação. O amor muitas vezes não é suficiente e está tudo bem. Há diversos outros fatores a serem levados em consideração. Mas e quando o amor é tão profundo e verdadeiro, mas nossas frustrações e nossa dificuldade de dividir nossos sentimentos começam a interferir e começam a afastar quem está ali apenas para somar? 

Assim que Quinn começa a enfrentar seus problemas de concepção, ela se fecha de uma maneira praticamente inalcançável. Nada do que Graham faça ou diga é capaz de trazê-la de volta. A mulher segura e divertida de antes torna-se uma mulher infeliz, que se acha indigna e incompleta. É sufocante vê-la se afogando em seu próprio sofrimento sendo que ao lado dela havia um homem ansioso para lhe estender a mão. Tudo o que Graham queria era poder ajudá-la. Ver Quinn sofrendo tanto e saber que seu passado, sua presença, seu toque e suas palavras dificultavam ainda mais o processo é muito doloroso para ele, mas em momento algum ele coloca sua dor acima da dor de sua esposa.

É preciso ter muita empatia durante a leitura de All Your Perfects. Era muito mais fácil me colocar no lugar de Quinn, afinal, sou uma mulher e também sonho em ser mãe. Mas e Graham? E os sentimentos dele? Ele poderia não estar enfrentando a infertilidade diretamente, mas estava enfrentando-a indiretamente. Se Quinn não podia ser mãe, ele também não podia ser pai. E aí? É óbvio que me compadeci muito mais com a dor de Quinn, mas felizmente sou capaz de enxergar a dor de um ser humano independentemente do seu sexo.

Acompanhar a luta desse casal foi uma lição de vida, de verdade! Desde que eu li esta história pela primeira vez prometi que nunca faltaria diálogo nas minhas relações. Se é para ser feliz, vamos ser felizes juntos. Se é para sofrer, vamos sofrer juntos. E se a pessoa não for capaz de entender que a base de um relacionamento é isso, a comunhão, aí sim a gente parte para outra. Estamos na era dos relacionamentos descartáveis, onde é muito mais fácil abandonar o barco quando ele está afundando ao invés de lutar para mantê-lo flutuando. E aqui eu repito: não confunda sofrimento causado por uma pessoa com sofrimento inerente à vida, ok?

Não há muitos personagens secundários nesta história. A mais relevante seria Ava, irmã e melhor amiga de Quinn, mas não vou discorrer sobre ela porque realmente não faz muita diferença, apesar dela ser uma fofa! Há também Avril, a mãe de Quinn que é uma verdadeira socialite, com todo o estereótipo que a palavra carrega.

Não vou me alongar muito mais, pois quando se trata de um livro favorito eu falo, falo, falo, mas nunca fico satisfeita com nada. Se eu consegui passar um pouquinho do que eu senti durante a leitura, ótimo; se eu não consegui, me desculpem. 😅

Já faz alguns anos que prefiro ler os livros da autora em seu idioma original, mas sempre quero as edições BR também porque sou dessas. Apesar da capa original não ser um exemplo de beleza, ela transmite a essência da história nos pequenos detalhes. Os paperbacks gringos têm uma qualidade muito ruim, a gramatura das folhas é baixa e as orelhas são inexistentes, por isso é preciso ter bastante cuidado até para encaixar o livro na estante. A história é narrada por Quinn e os capítulos são alternados entre o passado e o presente, tornando a leitura ainda mais agridoce. A cereja do bolo fica por conta do crossover entre este e um outro livro da autora. Não vou falar qual é porque considero um spoiler, pois seria fácil fazer a associação. Mas gente, é a coisa mais linda e o momento, ainda que bem singelo, encheu meu coração de amor e os meus olhos de lágrimas.


All Your Perfects é uma joia rara. É uma história que ajudou e vem ajudando inúmeras mulheres que enfrentaram ou estão enfrentando a infertilidade. Há um grupo de discussão em inglês no Facebook onde é possível ler inúmeros relatos de mulheres que leram a história e resolveram dividir suas experiências. No fim das contas, criou-se uma corrente de solidariedade, onde mulheres estão ajudando outras mulheres neste momento tão difícil e doloroso.

All Your Perfects é real. Ele não tem medo de ser pé no chão e não nos presenteia com o final de contos de fadas. Seu final é crível, é possível, é belo e nos enche de esperança. Ele nos faz olhar para dentro de nós mesmos e nos faz enxergar nossa própria força. Nos faz lembrar e dar valor àquilo que temos ao invés de sofrer por aquilo que não temos. É uma história que vai tocar seu coração de uma maneira profunda e visceral. E tenha certeza de uma coisa: você vai lembrar dessa história por muito, muito tempo!


31 comentários

  1. sempre quis mt ler alguma coisa dessa autora, mt bacana sua resenha e saber que é uma leitura mais densa, tbm quero acompanhar essa lição de vida

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Amei tanto sua resenha, sempre vejo comentários positivos sobre os livros dessa autora. Fiquei apaixonada pela capa e história desse!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  3. Concordo com vc, os relacionamentos atuais estão descartáveis, como fadados ao fracasso logo que começam. Falta comprometimento, então, é bem legal quando vem um livro como esse e dá um tapa na cara da sociedade. Com certeza o tema é pesado, mas necessário para se aprender e agregar algo à vida real, assim como as mulheres que passam pela mesma situação se sentiram a vtd para contar suas experiências.
    Amei sua resenha, por ela já pude sentir a essência do livro.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As pessoas não querem ter trabalho de enxergar o que está errado, é mais fácil terminar.

      Excluir
  4. Parece um livro impactante. Sei bem como é ler o livro e demorar um tempo para fazer a resenha pois é um misto de sentimentos que fica até difícil descrever o que passa e nossa mente. Muito boa a resenha e espero poder ler esse livro em breve.
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho um livro da autora aqui que tentei ler e não gostei nada. Acho que por isso eu nunca mais li nada dela então essa sua resenha me pegou mesmo de surpresa. Gosto de livros com temas adultos que saem do estereótipo de apenas hot e saber que esse traz não apenas uma história real mas bem escrita, me deixou bem interessada. Acho que nunca li nada que falasse sobre infertilidade e as dificuldades de manter o relacionamento em momentos dificeis assim.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  6. Oi, Tamires!

    Adoro os livros da CoHo e esse já está na minha lista de desejados.
    Fiquei impressionada com sua resenha, principalmente por esse ter se tornado seu livro preferido da autora.
    Parece não ser uma história fácil, vou me preparar para a leitura.

    Beijos
    Construindo Estante || Promoção de aniversário do blog

    ResponderExcluir
  7. Olá, Tamires.
    Eu vou ler ele se a Record mandar para os parceiros porque você já me intimou hehe. Mas sabe que o gênero e os livros da autora não são meus favoritos. Não sei o que eu sentiria lendo esse livro porque não tenho vontade de ser mãe, então acho que meus sentimentos seriam diferentes dos seus. Mas tenho um amiga que faz dez anos tenta engravidar e não consegue e vejo pelo o que ela passa. E o pior é que a irmã dela engravidou em nem tentar. Mas imagino como deve ser dificil ler esse livro e mais dificil ainda escrever sobre ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo sem você ter esse desejo creio que a história vai te agradar, Sil. Tem a parte do relacionamento, que é bem bonita.

      Excluir
  8. Oi, Tami!
    Eu estava relutante em ler esse livro por conta de alguns detalhes, mas decidi ler sim. E na moral, eu acho que todos os livros da CoHo deveriam vir com aviso de gatilho, porque sempre tem.. não sei que ideia de mané é essa de ainda lançarem no selo da Galera
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre tem mesmo, tinha que sair pelo Record e não pela Galera. Enfim...

      Excluir
  9. Oi Tami! Há livros da autora que amo e outros nem tanto, esse eu estou na dúvida se vou me sentir conectada com a história. Eu talvez não me sinta ligada no drama por não querer ser mãe e por isso entender a protagonista não vai ser fácil. Ainda assim, eu quero conferir mais uma obra da autora e vou ter que descobrir se essa vai ser favorita ou não. Sei que algumas mulheres sofrem muito com infertilidade, mas é complicado para mim entender essa dor. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas acho que ter empatia independe disso, sabe? É saber sentir a dor do outro mesmo não estando na pele dele. Acho que você vai curtir sim!

      Excluir
  10. Que resenha apaixonante!!!
    Interessante ver que esse livro traz importantes reflexões para a vida
    Nunca li nada dessa autora mas já admiro pela sua sensibilidade em trazer um enredo tão difícil mas muito real
    Que legal ver que a partir de um livro mulheres estão ajudando uma ás outras
    Dica anotada

    ResponderExcluir
  11. OI, Tami
    Eu gosto muito de histórias com problemas familiares, é maravilhoso ver como os autores desenvolvem esses problemas e se eles vão resolvê-lo ao longo da trama. Eu adoro as obras da Emily Giffin justamente por focar nisso, a maioria de suas obras são sobre casais que enfrentam inseguranças no casamento e precisam lidar com as crises e eu não vejo a hora de ler esse livro. Não sei quando, infelizmente eu tô sem dinheiro pra nada, mas tenho fé que conseguirei haha
    Beijo!
    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou ler um livro da Emily em breve. Já gostei de saber que segue esse estilo.

      Excluir
  12. Oi Tami!
    Linda resenha!
    Romances que trazem as realidades da vida são os melhores!
    Quero ler assim q puder 😍
    Bjs
    A Colecionadora de Histórias - Blog

    ResponderExcluir
  13. Você vai me matar se eu disser que nunca li nada da Colleen? hehehe. Acho que tem que estar bem preparado com o coração e o espírito, para os livros dela, que sempre trazem assuntos pesados mas necessários. Deste eu ainda não sabia que tinha no Brasil.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, só vou dizer que está perdendo grandes leituras. Haahah

      Excluir
  14. Oi, Tami!
    Antes de comentar sua resenha, quero dizer que também não entendi o motivo do GER lançar como Galera. Não é a primeira vez que eles erram com os avisos em livros da CoHo e acho que precisavam tomar muito mais cuidado. Enfim...
    Eu estava doida para ler sua resenha, porque sabia o quanto ela tinha te emocionado. Suas palavras foram lindas e me emocionaram de novo, lembrando do livro e de tudo que ele significou pra mim. Lembro de ter sentimentos confusos quanto ao Graham antes de realmente ver seu lado e nossa... Fez tudo mudar de figura quando entendi o que ele sentia.
    E aquele crossover também me deixou louca! Ainda bem que você abriu meus olhos quanto ao que acontecia no final ou eu teria deixado passar batido hahaha <3 Espero que o próximo lançamento dela seja tão bom quanto esse.
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  15. TÃO importante esse detalhe de termos mais empatia e lembrarmos da dor diferente do outro, sem competições. Amei a resenha e a indicação!

    semquases.com

    ResponderExcluir
  16. Oi Tami,

    Olha eu aqui atrasada rs, mas quando vi sua resenha não pude deixar de comentar.
    Não concordei com o selo do livro também e confesso que preferia a capa estrangeira, mas mesmo assim é um livro que merece estar na sua estante sendo em qualquer capa que a editora colocasse, pois a história é muito impactante.
    Confesso que fiquei igual você quando li, foi difícil escrever uma resenha, pois nada parecia chegar aos pés dessa história. Eu fiquei tão impactada, senti toda a dor e sofrimento não só da Quinn, mas do Graham também.
    É um livro que nunca vou me cansar de indicar ♥


    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Conheça o Instagram

    ResponderExcluir