1 de agosto de 2019

Resenha | The Grace Year - Kim Liggett


ARC cedida pela editora através da NetGalley.

Autora: Kim Liggett

Número de páginas: 416

Ano: 2019

Editora: Wednesday Books

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Ninguém fala do ano da graça. É proibido.

No Condado de Garner, dizem às garotas que elas têm o poder de atrair os homens, enlouquecendo suas mulheres de ciúmes. Elas acreditam que sua própria pele emite um poderoso afrodisíaco, a potente essência da juventude de uma garota à beira da feminilidade. É por isso que elas são banidas em seu décimo sexto aniversário, para liberar sua magia na natureza para que possam retornar purificadas e prontas para o casamento. Mas nem todas elas voltarão vivas.

Tierney James, de dezesseis anos, sonha com uma vida melhor - uma sociedade que não coloque amigo contra amigo ou mulher contra mulher, mas à medida que seu próprio ano da graça se aproxima, ela logo percebe que não são apenas os elementos brutais que elas devem temer. Não são os caçadores dos bosques, homens que estão esperando por uma chance de pegar uma das garotas para ganhar uma fortuna no mercado negro. Sua maior ameaça pode muito bem ser uma a outra.


Trust no one. Not even yourself.
Não confie em ninguem. Nem em você mesma.

No Condado de Garner, as mulheres não podem rezar em silêncio, têm que usar os cabelos trançados até estarem casadas e são proibidas até de sonhar. Além disso, elas acreditam que são seres maliciosos, que possuem poderes que podem atrair os homens, fazendo com que eles sucumbam à tentação. Os homens dizem que elas são descendentes de Eva, a responsável pelo Pecado Original, logo, são tão perigosas quanto.

E é por isso que, ao completarem dezesseis anos, as meninas passam por um momento de transição. É nessa idade que elas são escolhidas como esposas na chamada Cerimônia do Véu e é logo depois da cerimônia que elas partem para o Ano da Graça, período em que elas são enviadas a um acampamento fora dos limites do Condado. Lá elas têm que se livrar de sua magia para voltarem purificadas para seus maridos.

They call us the weaker sex. It's pounded into us every Sunday in church, how everything's Eve's fault for not expelling her magic when she had the chance, but I still can't understand why the girls don't get a say. Sure, there are secret arrangements, whispers in the dark, but why must the boys get to decide everything? As fas as I can tell, we all have hearts. We all have brains. There are only a few differences I can see, and most men seem to think with that part anyway.
Eles nos chamam de sexo frágil. Isso é repetido para nós todos os domingos na igreja, como tudo é culpa de Eva por não se livrar de sua magia quando ela teve a chance, mas eu ainda não consigo entender por que as garotas não têm voz. Claro, existem arranjos secretos, sussurros no escuro, mas por que os garotos devem decidir tudo? Até onde posso dizer, todos nós temos corações. Todos nós temos cérebros. Existem apenas algumas diferenças que eu posso ver, e a maioria dos homens parece pensar com essa parte de qualquer maneira.

trinta e três jovens de dezesseis anos disponíveis e apenas doze jovens rapazes procurando uma esposa. Durante toda sua vida, as meninas são moldadas para este momento. Aquelas que não forem escolhidas serão enviadas para prestarem os mais diversos tipos de serviço, é por isso que, ao longo dos anos, elas fazem de tudo para chamar a atenção dos rapazes. Ou melhor, quase todas fazem isso. Tierney James é a exceção.

Tierney sempre teve um espírito livre. Ela nunca compreendeu as regras do Condado e, ao contrário das demais, não consegue policiar sua mente a não sonhar. Há vários anos ela sonha com uma menina que lhe fala coisas sobre o Ano da Graça, mas Tierney não consegue compreender o significado de tudo aquilo. Ao contrário das demais jovens, a ambição de Tierney sempre foi trabalhar nos campos, viver da terra, por isso ela se empenhou bastante em se tornar a pior candidata a esposa possível.

Quando chega o dia da Cerimônia do Véu, Tierney está certa de que não será escolhida, afinal, ela trabalhou duro para causar uma má impressão. Porém, para sua surpresa e revolta, ela é uma das doze escolhidas e o pior, quem a escolhe é a última pessoa que ela imaginava.

Após a cerimônia, as meninas são escoltadas até o acampamento, onde permanecerão durante um ano inteiro. Elas não sabiam o que esperar, já que falar sobre o Ano da Graça é proibido no Condado, porém, com certeza elas não esperavam que o maior perigo que teriam que enfretar não seriam os caçadores que ficam à espreita para capturá-las. O maior perigo que teriam que enfrentar seria uma a outra.

À medida que o tempo passa, a situação no acampamento vai ficando cada mais mais complicada e perigosa para Tierney. Quando ela é banida, passa pelas mais diversas provações, chegando a ficar à beira da morte. Quando se vê fora dos limites do acampamento, Tierney pensa que finalmente chegou a sua hora. Porém, para sua surpresa, ela é salva por um dos caçadores, um homem que deveria matá-la sem pensar duas vezes.

I used to wonder how the women could turn a blind eye to things in the county, things that were happening right in front of them, but some truths are so horrifying that you can't even admit them to yourself.
Eu costumava me perguntar como as mulheres podiam fechar os olhos para as coisas no Condado, coisas que estavam acontecendo bem na frente delas, mas algumas verdades são tão horríveis que você não pode sequer admiti-las para si mesmo.

Quem era esse caçador? Por que ele salvou sua vida? Por que as meninas estavam descontroladas no acampamento? Quem era a menina que aparecia em seus sonhos? Qual era a verdade por trás de tudo aquilo que estava acontecendo? Tierney tem muitas perguntas e apenas uma certeza: o Ano da Graça tem que acabar!

••••••••••

Gostaria de começar as minhas considerações fazendo um anúncio que muitos de vocês estavam esperando desde que eu falei sobre o livro nos stories do Instagram: The Grace Year será publicado no Brasil! \õ/ Entrei em contato com a própria autora e ela, super fofa e atenciosa, me informou que os direitos de publicação foram comprados pela Globo Livros. Provavelmente o livro sairá pelo selo GloboAlt, vamos aguardar o anúncio oficial!

Considerado uma mistura de O Conto da Aia e Jogos Vorazes, The Grace Year - ou O Ano da Graça em tradução livre - foi uma leitura muito surpreendente. Cheguei a comentar com vocês que não levo muita fé quando são feitas comparações deste tipo, mas desta vez deu muito certo. The Grace Year tem a própria identidade, ele apenas bebe destas fontes de uma maneira muito inteligente e instigante.

Há poucos dias, Neal Shusterman, um dos meus autores favoritos, disse que distopias eram escritas para servirem de precaução, não para servirem de manual de instrução. Ler um livro como The Grace Year em tempos onde vemos líderes cada vez mais misóginos e machistas chegando ao poder é muito importante; importante para abrir nossos olhos, para mostrar como as coisas podem piorar se não ficarmos atentos e são não lutarmos contra todas as formas de preconceito, segregação e subjugação.

Aqui nós conhecemos o Condado de Garner, um lugar onde as mulheres são subjugadas e tratadas como seres inferiores. Sua utilidade? Casamento e procriação. Caso não haja o nascimento de um filho homem, elas são trocadas como um simples objeto com defeito. Como se não bastasse o fato de terem que se sujeitar aos desejos masculinos, elas ainda são consideradas perigosas. Meninas inocentes, são vistas como "feiticeiras" apenas por possuírem algo natural e inofensivo: feminilidade.

Assim que começam a desabrochar, as meninas são banidas. Ao invés de não desejarem meninas, de não as enxergarem como simples objetos sexuais e reprodutores, os homens do Condado de Garner as mandam embora para que, quando retornem, elas sejam apenas sombras daquilo que foram e não ofereçam o perigo da tentação. Para que elas voltem mutiladas. Traumatizadas. O quão doentio é isso? Apesar de não parecer, no meu resumo eu não contei absolutamente nada da história. Percebam que eu esmiucei a sinopse e nada mais. The Grace Year é um livro complicado de ser resenhado porque creio que muitas coisas são absorvidas de uma maneira muito pessoal, sabe? Há muitos outros pontos que eu gostaria de abordar, mas para isso eu teria que entrar em méritos muito específicos, o que comprometeria a leitura de vocês.

Tierney é uma personagem que possui uma ótima ascensão ao longo da narrativa. Ela tem um início tímido, sendo apenas a menina que queria sempre passar despercebida, até que vê todos os seus planos irem por água abaixo. Seu crescimento é gradativo, ela evolui a medida que compreende os pormenores que envolvem o ano da graça. E quando finalmente atinge seu máximo potencial, descobrimos que ela é apenas a faísca de uma revolução que não tardará.

Quando as meninas chegam ao acampamento, a história dá uma guinada e faz a gente desconfiar das nossas deduções. Pois coisas estranhas começam a acontecer e fica aquela dúvida no ar: será que é uma histeria coletiva ou será que realmente, por algum motivo, está havendo alguma manifestação mística entre elas?

Há alguns personagens secundários interessantes como Michael Welk, melhor amigo de Tierney que, por ter lutado com tanto afinco para se tornar uma candidata a esposa ruim, acabou afastando possíveis amizades femininas. Kiersten Jenkins também merece destaque, já que ela é uma das que acreditam veementemente no objetivo do Ano da Graça e não possui um caráter muito admirável. Outra menina que possui uma função interessante dentro da história é Gertrude Fenton, que é rejeitada por ser diferente e acaba criando um vínculo bonito com Tierney ao longo da história. E por último temos Ryker, que é uma pessoa muito importante na jornada de Tierney, mas não posso dizer o porquê. 🙊

The Grace Year será lançado no início de outubro e eu recebi a ARC através da NetGalley. O livro não possui capítulos, o que deixa a leitura um pouco mais lenta. Como as meninas passam um ano fora, a história é dividida em estações - outono, inverno, primavera, verão - e ainda há um capítulo mostrando o retorno delas ao Condado. A história é narrada por Tierney e em alguns momentos não há muitos diálogos, mas eu não me incomodei com este detalhe. Eu só não favoritei o livro porque algumas coisinhas mereciam um aprofundamento maior, outras poderiam ter sido melhor explicadas, mas essas pequenas ressalvas de forma nenhuma desmerecem o todo, que é ótimo.

Vale lembrar que The Grace Year vai ser adaptado e quem vai produzir e dirigir o filme será Elizabeth Banks, conhecida por seu envolvimento em histórias que mostram a força das mulheres.

The Grace Year foi uma das minhas melhores leituras até o momento. Com certeza haverá um segundo livro, já que este termina com um cliffhanger promissor! Espero muito que vocês curtam esta história quando ela chegar por aqui.


32 comentários

  1. Amei sua indicação, livros assim me trazem uma agonia, saber que as mulheres eram tão reprimidas, né? Mas, foi um livro que me chamou atenção. Já o coloquei na minha lista!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, temos que tomar cuidado para não acontecer novamente.

      Excluir
  2. Uhu! Vai ser publicado no Brasil!! Desde que fiquei sabendo desse livro queria logo poder lê-lo no meu idioma. Amei a resenha, só me aguçou ainda mais a vtd de ler o livro, haha.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viu, agora é só torcer para que ele não demore muito a ser publicado por aqui.

      Excluir
  3. Adorei e já estou ansiosa para ler! parece ser muito bom!

    Beijo,
    Thuany Barbosa

    ResponderExcluir
  4. Oie.
    Caramba que livro fantástico. Adorei a resenha, enquanto estava lendo notei sim algumas semelhanças com O Conto da Aia. Mas também sendo meio distopia JV leva a leitura à outro nível.
    Adorei conhecer.
    Mal posso esperar para o lançamento no Brasil.
    Beijos.
    Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
  5. Oi Tami!
    Conheci o livro por aqui e agora quero datas de quando chega no BR, rs
    Já que a comparação com O conto da Aia e Jogos Vorazes não foi absurda, deve ser uma história excelente msm!
    Ah, dei uma olhada nos posts anteriores que perdi, e estou bem curiosa com o novo livro do Gustavo Ávila e o da sua nova autora parceira!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Tamires.
    Já fiquei feliz com a noticia de que vai ser publicado por aqui, porque desde que vi você falando sobre o livro lá nos stories, que fiquei morrendo de vontade de ler ele. E pelo enredo o livro pareceu ser bem original, mesmo com essa comparação com os outros livros. Já estou aqui na curiosidade para saber o que acontece no tal acampamento hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Adorei a resenha, super aniosa para ler!! Que bom que vai sair por aqui :))

    ResponderExcluir
  8. Ahh adorei a resenha e que bom que será publicado aqui, já quero ler também <3

    Beijo
    http://www.leiapop.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi, Tami!
    Realmente lembra um pouco O Conto da Aia com Jogos Vorazes, mas pelo que você comentou só parece mesmo.
    Vou tentar me arriscar no NetGalley e conseguir essa ARC, que eu fiquei interessadíssima!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  10. Oi Tami, eu não sou muito fã de livros do gênero, confesso, mas a história desse parece tão boa que fiquei bem curiosa. Espero gostar assim como vc!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  11. Oi Tami,
    Fico muito feliz que mais livros nesse estilo estejam sendo publicados, e adaptados... que venham mais!
    Que ótimo que vão lançar por aqui, fiquei bem curiosa pra saber o que acontece quando "as regras" são quebradas e toda força da protagonista em cima disso. As partes na floresta, parecem tensas demais.

    P.S.: A senhora trate de ler e resenhar Lacrymosa, pois estou muito curiosa, viu?
    Sobre Booksmart, ele é um filme indie... recebeu um pouco mais de louros que esperado kkkk lindamente aclamado. A campanha era dos criticos indies revoltados com a Disney, como sempre...

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  12. Oi Tami,
    É a segunda resenha que leio desse livro e que me faz ficar com vontade de lê-lo.
    Essa mistura inusitada e O Conto da Aia e Jogos Vorazes é interessante e só quero ver como seria a experiência de ler sem capítulos.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Tami! Já tinha visto pelo sei Insta o quanto o livro mexeu com você e estou com muita vontade de conferir a história. Acho que tem uma premissa forte e com certeza mexe com as emoções.
    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  14. Oi Tami.
    Apesar de não ser muito de ler este gênero, fiquei curiosa sobre o enredo e já que vai ser publicado no Brasil vou deixar a sua dica anotada.
    Bjus

    ResponderExcluir
  15. Oi Tami!
    Eu fiquei curioso pra saber mais e vim ver a resenha KKKKKK. Gente quero muito ler ja. Ja pode lançar por aqui. Parece pesado e intenso. Amo! Manda! KKKKKKKKK

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Oii Tami

    Fiquei super curiosa com essa resenha, porque realmente tem vários elementos que prometem uma grande leitura. Muito feliz em saber que os direitos já foram comprados pela Globo, espero que eles publiquem logo né?

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  17. Oi, Tami!

    A premissa parece bastante com O Conto de Aia, fiquei contente em saber que o livro vai ser adaptado e logo estará nas telonas, são histórias importantes de serem retratadas, fiquei curiosa em ler!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Oi, Tamires!

    Adoro distopias e essa junção tornou o enredo incrível. Fiquei super curiosa para ler o livro.

    Beijos
    Construindo Estante

    ResponderExcluir
  19. Oi Tami,

    Só pela premissa distópica que lembra Jogos Vorazes e o Conto da Aia já me apaixonei pela história.
    Fico feliz em saber que vai sair por aqui assim já posso colocar ele na lista de leitura.
    Espero que não demore muito ♥

    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Conheça o Instagram

    ResponderExcluir
  20. oi
    acho que já li uma resenha desse livro e que bom que ele vai ser publicado por aqui aqui, espero que mantenham a capa original.
    Essa história chama muito a atenção até porque pelo que percebi o ano da graça é a menstruação né?
    Fiquei curiosa para saber o que acontece nesse acampamento com as garotas e o proposito de tudo.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você deve ter lido minha postagem anterior. Hahaha

      Excluir
  21. Só tenho uma palavra para a sua resenha e este livro! Uau!!!

    Beijos Mila

    Daily of Books Mila

    ResponderExcluir