24 de setembro de 2019

Netflix | Crush à Altura

Oi, povo. Tudo bom? Vocês devem ter percebido que o blog anda beeeeeem paradinho, né? Infelizmente estou passando por uma ressaca monumental. A coisa está tão feia que está afetando até minha vontade de postar no blog. 😭 Vou fazer uma forcinha para postar mais essa semana, mas não desistam de mim, ok? 💜

Título original: Tall Girl

Lançamento: 13 de setembro de 2019

Duração: 1h 41 min

Direção: Nzingha Stewart

Gênero: Comédia, Romance

Elenco: Ava Michelle, Griffin, Sabrina Carpenter, Paris Berelc, Luke Eisner, Clara Wilsey, Angela Kinsey, Steve Zahn, Anjelika Washington, entre outros.

Saiba mais: IMDb - Filmow
Sinopse: Jodi, a garota mais alta da escola, sempre se sentiu desconfortável em sua própria pele. Mas depois de passar anos sendo desleixada, ridicularizada e de evitar atenção a todo custo, Jodi finalmente decide encontrar a confiança necessária para se aceitar.


Não é de hoje que a Netflix vem apostando em rom-coms adolescentes. Entre erros e acertos, não podemos negar que o serviço de streaming deu um novo gás a um gênero que estava um pouquinho esquecido no churrasco. Sua mais nova aposta é Crush à Altura, que estreou no último dia 13 e conquistou meu coração.


Nesta história vamos conhecer Jodi (Ava Michelle), uma adolescente que não lida muito bem com seus 1,85m de altura. Como se não bastasse todo o bullying que enfrenta na escola, a jovem ainda precisa lidar com a obsessão que seu pai, Richie (Steve Zahn), tem por sua saúde. Helaine (Angela Kinsey), sua mãe, é um pouco relapsa e presta mais atenção em Harper (Sabrina Carpenter), sua linda irmã mais velha e aspirante a miss.

Jodi tem dois melhores amigos, a confiante Fareeda (Anjelika Washington) e o hilário Dunkleman (Griffin Gluck), que é apaixonado por ela desde a infância. Como já é complexada com sua altura, Jodi não quer chamar ainda mais atenção se relacionando com uma pessoa mais baixa que ela. A jovem acredita que em algum momento vai aparecer alguém de sua altura e esse dia finalmente chega quando Stig (Luke Eisner), um aluno intercambista da Suécia, chega à escola.

Sendo carne nova, bonita e estrangeira no mercado, Stig logo se torna o centro das atenções. Jodi, que sempre tentou se camuflar atrás de roupas masculinas e de sua pouca vaidade, decide que dessa vez vai lutar por esse garoto. No processo, porém, ela descobre algo muito mais significativo e valioso: o seu valor.

Crush à Altura tem um enredo super simples e às vezes até medíocre, confesso. Porém, a Tamires de 15 anos, com seus 1,81m de altura, se sentiu extremamente representada e foi impossível não gostar da história. Eu ouvia as mesmas piadinhas, dispensava meninos mais baixos que eu e cheguei a pesquisar cirurgias de encurtamento de membros inferiores. Então sim, os dilemas de Jodi são reais. A adolescência não é uma fase fácil. Ser um adolescente "fora dos padrões" é ainda mais complicado. Tenho esta altura desde os doze anos e o meu processo de aceitação foi lento, mas hoje em dia finalmente enxergo esta minha característica como algo belo e elegante, e não como uma aberração.


O início da virada de Jodi começa sim por causa de um menino como vi muita gente reclamando, mas isso não é nada absurdo. Adolescentes... descobertas... hormônios. É natural que ela queira ser notada pelo - neste caso - sexo oposto, ou não? Mas seu crescimento não gira ao redor de Stig, seu crescimento gira ao redor dela mesma. Acredito que sua virada poderia ter acontecido um pouco antes para assim aproveitarmos melhor sua nova fase, mas fiquei satisfeita com a condução da história.

Com exceção de Griffin Gluck e Sabrina Carpenter, as atuações do elenco jovem são bem medianas. Ava Michelle é novata do ramo e muitas vezes inexpressiva, mas seu desempenho não chega a comprometer a produção. Luke Eisner faz um Stig meio bobão deslumbrado que funciona, mas cansa. Já a personagem de Anjelika Washington, Fareeda, merecia mais tempo em tela, uma pena ela ter sido tão subaproveitada.

Crush à Altura é um filme super despretensioso que não vai mudar a sua vida, mas possui uma mensagem bonitinha sobre aceitação e amor próprio. Recomendo!



42 comentários

  1. Oi tudo bem ?
    Senti sua falta
    Embora faz pouco tempo que conheci seu blog eu percebi que voce estava postando menos
    Espero que tudo esteja bem com voce
    E nao nao desistiremos de voce e desejo que voce nao desista da gente

    ResponderExcluir
  2. Oi Tami, tudo bem? Eu até gostei do filme, bem sessão da tarde, mas me irrita demais o fato de ser praticamente um plágio do anime Lovely Complex....netflix poderia ter dado crédito...

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Olá Tamires, vi que vc tinha blog, quando fui comentar no Blog de Larissa (Parágrafo Cult).
    Esse filme da Netflix comecei a vê e não terminei.
    Não cheguei a vê a "volta por cima".
    Mas voltarei a vê.
    Abraço,

    ResponderExcluir
  4. Não desistiremos hahahhahaha, de vez em quando bate uma ressaca literária também. Mas, com o tempo tudo volta ao normal. E, gostei da dica, estou precisando parar e assistir alguns filmes, confesso que esse ano quase não assisti nada.
    Vou tentar desacelerar aqui e tirar um tempo e colocar em dia filmes e séries.
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Tami
    Eu ouvi falar dessa série e achei muito legal que o foco é em uma personagem alta. Eu sempre quis ser alta, mas só me presentearam com 1,63, mas vida que segue KKKK Eu conheço uma guria que tem 1,84cm, ela quase ultrapassa o namorado e muita gente zoa ela por isso, e eu acho que deve ser bem chato esse tipo de situação. Não pelo fato dela ser alta, ou baixa, mas porque o ser humano é muito mesquinho e inútil e gosta de reforçar esse tipo de estereótipo bem desnecessário né? Anotei a dica!
    Beijo
    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Ser alta não é um problema, o problema são as pessoas idiotas.

      Excluir
  6. Oi, Tami!
    A sua foi a primeira resenha positiva que leio. Não sei se as pessoas estão pegando muito no pé ou se por você ter passado pelo mesmo dilema que a protagonista, tenha sido uma experiência diferente pra você. Pretendo assistir ao filme para tirar minhas conclusões, até porque eu amo um clichê sessão da tarde, né hahaha
    E fica tranquila! Depois de tanto tempo se dedicando ao blog é comum se sentir distante e sem vontade de postar. Passei por isso e, como te disse, fiquei um ano longe e foi a melhor coisa que eu fiz. Só não deixa virar trabalho, sabe? Tire o tempo que precisar, pois quando voltar estaremos aqui pra te apoiar <3
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  7. Oi Tamires, tudo bem?
    Eu vi o trailer e fiquei curiosa, gosto de tramas estilo sessão da tarde. Espero vê-lo em breve.

    *Bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi
    eu curto o filme, que bom que gostou, mas confesso que li tanto comentário ruim do filme que me fizeram mal ter curtido o filme, pois eu assisti com um olhar despretensioso e leve para um dia cansativo e não tentando procurar algo muito profundo em uma história do tipo.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem nada que se sentir mal, o filme é super coerente com as inseguranças adolescentes.

      Excluir
  9. Ainda não conhecia, mas não curto muito temas assim. Ressaca é péssimo. Tenta ler algo mais leve e divertido para você melhorar.

    Beijo
    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  10. Oi Tami!
    Eu nao assisti mas quero. Pra mim ja e vantagem quando a netflix passa a mensagem certa pq desde Sierra Burges q eu ando com um baita pe atras em filmes adolescente deles. Se deu a mensagen certa entao ta ok. Veremos.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tirando o fato dela não ter sido punida pelo catfish, eu adorei Sierra Burguês!

      Excluir
  11. Oi Tami, tudo bem?
    Achei legal que o elenco seja diversificado, já que a Netflix tem a mania de ficar insistindo nas mesmas carinhas de sempre (chega de Noah!!! rs).
    Como mulher baixinha (tenho 1,55 haha) não consigo imaginar como deva ser para mulheres altas cruzarem a adolescência, um período naturalmente cheio de cobranças e inseguranças. Que bacana que tenha uma produção que fale sobre algo que pra muitos é um detalhe, mas que pra outras pessoas possa ser fonte de insegurança e tristeza.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é bem bacana o fato da Netflix estar tentando representar todo tipo de pessoa.

      Excluir
  12. É o típico clichê, né? Confesso que gosto de ver filmes assim! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  13. Olá, Tamires.
    Eu vi bastante gente descendo a lenha no filme por conta dela mudar por causa do garoto. Mas sei lá, acho que a coisa mudou tanto hoje em dia que ninguém mais lê e assiste só por diversão, tudo tem que passar uma mensagem. Mas eu entendo o dilema da garota. Sempre fui a mais alta da classe, era uns bons 20 centímetros mais alta que o garoto mais alto hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  14. Oi, Tami!
    Espero que encontre algo para sair logo dessa ressaca.
    Já vi esse filme no catálogo, mas não tinha despertado muito meu interesse, apesar de ter um assunto relevante. Talvez eu dê uma conferida em breve.

    Beijos
    Construindo Estante || Promoção no Instagram

    ResponderExcluir
  15. achei um clichê divertido de assistir, visto que a netflix tem lançado umas bombas ultimamente https://www.arwendaily.com/

    ResponderExcluir
  16. Eu gosto muitos de roms-coms clichês e esse está na minha listinha, porém ainda não assisti. Sei bem como a adolescência pode ser difícil para quem não está dentro dos padrões então acho que vou me identificar, apesar de que eu era fora do padrão por conta do peso rs
    E não acredito que tu pesquisou cirurgia para encurtar membros inferiores ç.ç

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  17. Oi, Tami!
    Menina, quando vi esse filme lembrei de ti #sorry
    Ainda não assisti e nem sei quando vou porque não ando muito de assistir rom-com adolescente
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio de aniversário Balaio de Babados e O que tem na nossa estante. Participe!

    ResponderExcluir
  18. Oi Tami!
    Eu tbm acho q a Netflix tá acertando muito na maioria desses filmes mais adolescentes.
    Crush a altura ainda não assisti mas já está na listinha, acho q vou gostar da mensagem q ele passa tbm!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Oi, Tami! Tudo bom?
    A Bibs e a Duda assistiram antes de mim e não gostaram muito, então acabei deixando de lado apesar de ter curtido a premissa - sei que se elas não curtiram, eu dificilmente vou gostar UHASUHASUHUHASUHASUHAS
    Mas garotas altas sofrendo por serem altas é o plot de toda a minha infância, então me identifico muito com a protagonista :v

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você se identifica não compreendo porque não poderia vir a gostar, mas ok. Hahaha

      Excluir
  20. Oi Tami,
    Lembro que antes de sair tinha um povo no meu Twitter tretando com esse filme, mas nem lembro muito o motivo.
    Fiquei com vontade de assistir, tem uns atores que eu curto, e o boy sueco, amooo hehe

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo é motivo de treta, nem leio mais que é pra não arrumar briga. Rs

      Excluir
  21. Oi Tami.
    Vi esse filme e concordo plenamente com você. É um clichê legal e não é ruim ela se descobrir por causa de outro. Na verdade, a gente ganha muito sentido quando estamos em sociedade. Eu gostei do filme, só achei meio absurdo em algumas partes.
    Beijos.
    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderExcluir