13 de julho de 2020

Resenha | O Duque Que Eu Conquistei - Scarlett Peckham


eBook cedido em parceria com a editora.

Autora: Scarlett Peckham

Tradutora: Geni Hirata

Série: Segredos de Charlotte Street #1

Número de páginas: 297

Ano: 2020

Editora: Arqueiro

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Depois de superar a ruína financeira, redimir o nome de sua família e se tornar o mais lendário investidor de Londres, o duque de Westmead precisa garantir a continuidade de seu título e de sua fortuna. A única forma de fazer isso é gerar um herdeiro.

Para isso ele tem que arranjar uma esposa que não interfira nos anseios sombrios que ele satisfaz na calada da noite nem faça exigências ao seu coração trancado para o amor.

Poppy Cavendish, a ambiciosa florista contratada pela irmã de Westmead para decorar seu salão de baile, não é esse tipo de mulher. Ela sempre lutou contra as convenções sociais para manter a própria independência e, por isso, o matrimônio nunca esteve em seus planos.

Mas agora Poppy precisa de capital para expandir seu negócio de plantas exóticas. E a atração que sente pelo duque é tão irresistível que, quando um escândalo acidental torna o casamento com ele o único meio de salvar seu ganha-pão, ela teme querer mais do que o título que ele oferece.


A primeira chicotada foi um choque, embora ele já esperasse recebê-la e a desejasse. Pressionou a palma das mãos no chão e arqueou as costas para o golpe seguinte. Sua mente clareou. Pela primeira vez em muitos dias ele sorriu. Fechou os olhos de alívio e sentiu que finalmente começava a despertar.

Poplar Elizabeth Cavendish, ou melhor, Poppy Cavendish, está correndo contra o tempo. Neta de um visconde, filha de uma lady, mas que no presente não faz parte da aristocracia e é considerada uma mulher excêntrica no condado onde vive. Nos últimos anos, Poppy viveu sob a tutela de seu tio Charles, que acaba de falecer, e agora encontra-se na iminência da chegada do herdeiro do mesmo à Bantham Park, propriedade onde mantém seu amado horto. A jovem precisa transportar todas as suas plantas para um novo local, mas há dois problemas: ela não possui nem mão de obra e nem dinheiro para fazer isso.

Lady Constance Stonewell, entretanto, parece ter a resposta para todos os seus problemas.

O mundo não fora feito para moças solteiras ambiciosas. Era preciso ser bastante exigente e impopular se quisesse uma chance de sucesso.

A irmã de Archer Stonewell, duque de Westmead, planeja um baile em Westhaven, a propriedade ducal, e quer contratar os serviços de Poppy, pois planeja transformar o salão da imponente residência em uma floresta. Poppy inicialmente reluta, pois há muito trabalho a ser feito na mudança do horto, mas a persistência de Constance a faz mudar de ideia; isso e também o pagamento de 600 libras e a promessa de que o duque vai disponibilizar seus homens para ajudá-la na mudança.

Desde o início, Poppy sente que estar na presença de Archer não será nada fácil. Há alguma coisa que ela não compreende, uma reação involuntária que responde a qualquer interação que aconteça entre eles, e ela não está sozinha nisso.

Archer tem um passado obscuro. Seu pai criou uma má fama que acompanha o nome da família e ainda há uma tragédia pessoal que ele não consegue superar. Apesar de ter jurado nunca se envolver novamente com nenhuma mulher, o ducado de Westmead precisa de um herdeiro, caso contrário, sua irmã e os arrendatários ficarão à mercê de um homem extremamente inapropriado.

O baile organizado por Constance tem um único objetivo: encontrar uma duquesa.

O que ele queria era uma mulher que o visse como um título e um cofre de banco. O tipo de esposa que, quando desfrutasse de certos confortos invejáveis, lhe daria um herdeiro e não esperaria que ele tivesse mais do que um interesse estritamente legal no processo. O tipo de mulher que não exigiria um investimento emocional que ele não estava apto a oferecer.

Quando uma nota sensacionalista ameaça destruir a reputação de Poppy, Archer tem uma ideia. Para ajudá-la a não perder tudo com as fofocas recentes, ele lhe propõe casamento. Como dois negociantes, eles poderiam encarar este acordo como um contrato onde cada um receberia aquilo que precisa. Ele, um herdeiro. Ela, a expansão de seus negócios. Só que Poppy chega como um sol na vida de Archer, levando luz onde antes só havia escuridão, e o duque de Westmead, que há treze anos não se permitia sentir, se assusta ao ter que lidar com as sensações que surgem quando está na presença da jovem botânica.

Acontece que Archer guarda um segredo, algo escandaloso que a maioria das pessoas não entenderia e que ele não está disposto a dividir com Poppy. Ela, por sua vez, sente-se magoada, pois mesmo sabendo que o casamento começara como um acordo, está cada vez mais apaixonada pelo marido.

Há esta parte dele que é inalcançável e sombria, e isso poderá ser a gota d'água que colocará um fim a este negócio.

Eu estou lhe dando permissão para fazer o que quiser. Você pode ser misericordiosa ou me fazer sofrer. Recusar prazeres ou dá-los em tamanha abundância que seja uma tortura. Quero que você me use de qualquer maneira que possa imaginar.

••••••••••

Não é de hoje que eu estava de olho em Scarlett Peckham. Quando a aquisição da série foi anunciada em um dos eventos da editora, logo de cara me animei para conhecer este Romance de Época com toques de BDSM. Cheguei a adquirir o eBook deste livro em inglês, mas acabei esquecendo ele no Kindle. Quem nunca? Como o lançamento aqui no Brasil estava muito próximo, resolvi esperar. Assim que recebi o arquivo, parei tudo o que eu estava fazendo e comecei a devorá-lo. E amei! 😍

O Duque Que Eu Conquistei é o debute de Scarlett Peckham e traz um frescor muito bem-vindo ao gênero. A autora optou por ambientar sua história em meados do século XVIII, mas não se engane achando que isso torna a trama ainda mais antiquada. O primeiro volume da série Segredos de Charlotte Street não conseguiria ser mais moderno.

Poppy é uma mulher de negócios e é muito boa no que faz. Ela é obstinada, inteligente e sabe tudo o que precisa fazer para prosperar, mas a falta de recursos é um fator limitante. A personagem é muito racional e consegue enxergar quando algo pode lhe beneficiar, o que é o caso do baile na mansão do duque de Westmead. Já Archer poderia ser aquele típico protagonista do gênero cujo passado doloroso serve como justificativa para agir com estupidez e arrogância, porém, o personagem não poderia ser mais sensível. Ele carrega sim seus demônios, a diferença é que ele desconta sua dor em si próprio ao invés de descontá-la nas pessoas que o rodeiam.

Scarlett Peckham conduziu o envolvimento entre Poppy e Archer com uma cadência perfeita! São personagens maduros, com dilemas interessantes que vão muito além daquilo que costumamos ver no gênero. Temos uma mulher empreendedora que luta pela sobrevivência de seu negócio e um investidor nato que enxerga um potencial real em sua parceira sem nunca duvidar de sua capacidade. Archer em nenhum momento tenta mudar ou moldar Poppy, o que é maravilhoso.

A autora coloca muitos percalços no caminho do casal, mas Archer e Poppy, como dois adultos, conversam e passam por cima da maioria deles. O fator que tem potencial real de separá-los não chega a ser um mal-entendido, e sim um segredo muito bem guardado. Por isso, acompanhar o livro não se torna algo cansativo, já que os personagens dialogam ao invés de ficarem remoendo as situações.

O Duque Que eu Conquistei possui uma história bastante original mesmo partindo daquele que considero ser o maior clichê dos Romances de Época: o casamento por conveniência. Porém, até mesmo este fator é rodeado por trocas interessantes, já que ambos são bem diretos acerca de seus interesses e aspirações. E quando o assunto é o que acontece entre quatro paredes, os dois são sangue, fogo e labareda! 🔥 O toque BDSM não é escandaloso e aqui, mais uma vez, Scarlett Peckham empodera Poppy, pois mostra a personagem segura sobre seu corpo e sua sexualidade. A autora acerta também ao mostrar que masculinidade nada tem a ver com dominação, muito pelo contrário; é nos momentos em que está mais vulnerável que Archer mais brilha como homem.

Há alguns personagens coadjuvantes, mas apenas Constance, irmã de Archer e protagonista do próximo volume da série, tem destaque. Ela é uma jovenzinha muito espevitada que se faz de inocente, mas está sempre tramando alguma coisa em nome daquilo que ela considera ser o bem maior. Além disso, Constance não tem nenhuma pena de torrar o dinheiro do irmão e isso rende momentos engraçados. Seu respectivo livro, O Conde Que Eu Arruinei, tem tudo para ser ótimo, pena que só será lançado no próximo ano. 😕

Fiquei muito satisfeita da Arqueiro ter conseguido manter a capa original, que tem tudo a ver com a história. A modelo parece estar em uma estufa e está rodeada por plantas, o que é algo super Poppy! Fiz a leitura no formato digital e o arquivo está impecável tanto no quesito formatação quanto no quesito revisão. Assim que eu puder e o dinheiro der vou adquirir meu exemplar físico, pois quero esta belezura na minha estante.

Felizmente, O Duque Que Eu Conquistei foi uma aposta certeira da editora e superou minhas expectativas. É uma história ágil, espirituosa e cheia de sapequice das boas. Vocês vão adorar!


32 comentários

  1. Eu amo romances de época, mas quando vi o anúncio desse livro fiquei com os dois pés atrás, não conseguia ver um RE com BDSM dando certo... Mas com as propagandas da Frini e seu empurranzinho, adquiri o livro e fiz a leitura!! E que grata surpresa, a autora soube encaminhar muito bem a história, os personagens são cativantes e a introdução do BDSM foi muito bem feita!! Já estou muito ansiosa para o livro da Constance, mal posso aguentar para saber o que vai rolar no livro e que surpresas nós nós esperam!! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não dá pra imaginar quando a gente pensa em Romance de Época e BDSM junto, né? Hahahah Felizmente deu super certo!

      Excluir
  2. Oi Tami,

    Quando vi esse livro na lista de lançamentos também me animei e confesso que depois da sua resenha estou bem empolgada para ler.
    Vou esperar aparecer um dinheirinho e vou tentar adquirir o exemplar o quanto antes, pois tenho certeza que vou adorar a história da Poppy.

    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica de olho no Submarino, vira e mexe estão fazendo promoções. ;)

      Excluir
  3. Oi Tami!
    De fato que casamento arranjado é o troço mais batido nesse tipo de livro, mas que bom ne, que a autora conseguiu ir além do clichezão. Parece envolvente, não vou mentir. Quem sabe um dia eu nao de uma chance.

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Tamires como vai? Que bom que a estória deste livro tenha lhe agradado. A capa é muito bonita. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oiii Tami

    Apesar de não ser muito de romances de época, gostei do que vc contou do livro, esse romance super sensual do casal e mais ainda o fato de que apesar de trazer um tema já recorrente do gênero, o casamento por conveniência, aqui o casal age diferente, deixa tudo às claras em quanto as intenções. São bem diretos pra dizer o minimo.
    Ás vezes manter a capa original faz todo o sentido mesmo e a editora acerta total quando faz isso, quem bom que a Arqueiro manteve a capa, é linda aliás.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, Tami! Tudo bom?
    Eu te vi comentando sobre esse livro no twitter e ri demais com a ideia de um romance de época com BDSM, parece muito inusitado e divertido. Não me lembro de ter visto nenhum do gênero com essa abordagem. É legal ver as autoras se reinventando nos clichês.
    Só a capa que achei meio... Nhé? Faltou alguma coisa.

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, eu achei a capa maravilhosa. Mais a ver com o livro impossível. HAHAHAHAH

      Excluir
  7. Olá, Tamires.
    Eu já tinha colocado ele na minha lista de desejados ó por causa da capa, nem tinha lido a sinopse ainda hehe. E agora que vi que tem casamento de conveniência um dos meus clichês favoritos é claro que vou querer ler ele com certeza. E ainda mais por ver seus elogios ao livro hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Olá Tamires,
    Acredita que não conhecia a autora? Também ainda não estava sabendo do livro mas adorei a premissa e a sua resenha. O tanto que a leitura te encantou foi contagiante, fiquei mega curiosa.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o primeiro livro dela publicado por aqui e ela escreve há pouco tempo, talvez por isso você não a conhecia ainda.

      Excluir
  9. Ahhh, eu estava doida pra ler uma resenha desse livro. Eu tinha colocado na minha lista de desejados, mas acabei retirando quando vi os avisos e alertas da autora na sinopse original em inglês. Fiquei com o pé atrás e com medo de não gostar, por isso retirei da lista e resolvi esperar pra Ver a opinião de quem já tinha lido. Eu fiquei super interessada novamente. Eu pensava que seria uma coisa mais dark (que não curto). Vou correndo lá na Amazon colocar novamente o livro na minha listinha, hehe! ♥

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir
  10. Oi Tami! Eu queria ver mesmo a opinião de alguém que confio sobre este livro e adorei as suas considerações. Não comprei o livro em uma promoção e agora me arrependi, acho que a história é ótima e cheia de elementos diferentes para um romance de época. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  11. Juntou romance de época com uma pitada de erótico e eu já quero! Essa capa meio que não me chamou tanta atenção, achei que fosse ser uma história sóbria demais mas me enganei. Com certeza vou adicionar na lista, e espero gostar tanto!
    Beijo
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá...
    Ainda não conhecia essa autora, mas, fiquei animada com sua resenha! Confesso que não curto muito essas cenas quentes, que acabam me afastando desse gênero, mas, ainda assim fiquei curiosa pra conhecer o desenvolvimento da história.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Oi Tami, tudo bem?

    Eu estava achando que esse era mais um daqueles romances de época clichês que tanto gosto, mas sua resenha me surpreendeu. Fiquei bastante curiosa agora, tanto que acho que vou passar O Duque que Conquistei na frente de outros livros (rs...).

    Beijos;*
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  14. Oi, Tami!
    Apesar de o toque moderno da história ter me interessado, acho que não ia gostar dessa pitada de BDSM hahaha.
    Acompanhei seus comentários no twitter desse livro, mas nem tinha me tocado que era um romance de época! Chocada :O
    Que bom que gostou da leitura!

    Estante Bibliográfica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahhhaha eu tava só comentando as chicotadas por lá!

      Excluir
  15. Eu até que gostei da imagem da capa, mas essas fontes aí eu trocaria (sou a louca das fontes mesmo kkkkk)
    Ele vai ser lido logo logo já que to bem curiosa desde que tu me falou do lance do BDSM
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  16. Oi Tamires,
    Super curti sua indicação, já vai pra lista. Obrigada pela resenha.
    Bjos
    http://www.kelenvasconcelos.com.br/

    ResponderExcluir