23 de setembro de 2020

Resenha | Quase Noiva - Nancy Warren

Autora: Nancy Warren

Tradutora: Luisa Lopes

Série: Quase Noivas #1

Número de páginas: 175

Ano: 2020

Editora: Cherish Books

Skoob: AQUI

Compre: Amazon

Sinopse: Kate Winston-Jones está prestes a se casar com um dos solteiros mais cobiçados da América. Edward Carnarvon III é rico, bonito e pertence a ela. Mas no ajuste final do vestido de noiva, uma das costureiras a espeta e uma pequena mancha de sangue aparece no tecido escandalosamente caro. Sua famosa estilista demite a moça desajeitada na hora, e esta amaldiçoa o vestido e sai em disparada.

Kate não acredita em maldições. Ela é moderna, americana e apaixonada pelo cara perfeito. O que poderia dar errado? Mas naquela mesma noite, ela conhece um homem que a faz questionar seu futuro. E então ela descobre que Edward estava escondendo um segredo ou dois... e antes que possa perceber, está fugindo de Edward, sua família, sua mãe, os paparazzi e a pessoa que pensava ser.

Quando ela se apaixona por um investigador particular sexy, decide que é hora de deixar para trás seu bom senso, assim como os sapatos de cetim que ela não usará. Buscar algo seguro não foi a melhor escolha. Talvez seja a hora de seguir um novo conjunto de regras. As regras dela. Kate descobre que às vezes o Sr. Perfeição não é tudo aquilo que ela pensou que ele era.


O que ela iria fazer? E a maior questão de todas: quem era ela de verdade? E o que queria?

Kate Winston-Jones está prestes a se tornar esposa de um dos melhores partidos dos Estados Unidos. Edward Carnarvon III é o sonho de onze entre dez mulheres, então porque Kate não se sente feliz e realizada? A cerimônia de casamento não terá nada a ver com ela e o vestido muito menos. Em uma de suas últimas provas, ela não poderia estar mais desanimada. Para completar a equação, algo muito estranho acontece: uma das costureiras a espeta sem querer, manchando o valioso tecido da magnífica criação da estilista Evangeline, que demite a funcionária no mesmo instante. Com raiva, a costureira amaldiçoa o vestido, o que deixa Kate muito assustada.

Naquele mesmo dia, mais tarde, Kate sai para jantar com Edward e o encontro sai como de costume: com ele distante, se importando apenas com a cartela de vinhos. No meio da refeição, Edward atende uma ligação e diz que precisa trabalhar. Kate protesta, mas ele a convence a ficar no restaurante para terminar o jantar.

Para a surpresa de Kate, um belo estranho assume o lugar de Edward à mesa. Ele diz tudo o que Kate gostaria de ouvir de Edward e ela se pega, de repente, confusa. Ela sabe que precisa sair do restaurante e assim o faz. O estranho a segue porta afora faz um pedido inesperado: que ela não se case com o noivo. Kate fica mexida, mas sabe que não pode se deixar levar e que foi apenas coisa de momento. Ela decide esperar Edward em sua casa, mas chegando lá, para sua surpresa, se depara com uma reunião onde o assunto é ela mesma e seu mundo desaba

Sentindo o gosto amargo na traição, ela informa aos participantes do complô que não haverá mais casamento. Eles, no entanto, parecem não levar seu rompante muito a sério. Para provar que não está de brincadeira, Kate resolve desaparecer. Ela troca de carro com a melhor amiga e forja algumas situações para pelo menos confundir seus algozes. Só que tem uma pessoa que ela não consegue enganar: o estranho do restaurante

Nick é um investigador particular muito competente no que faz. Ele está acostumado a ter o controle de tudo, por isso o fato de não conseguir tirar Kate da cabeça está mexendo com ele. Quando fica sabendo de seu desaparecimento, Nick decide que vai encontrá-la. E dessa vez ele não vai deixar Kate fugir dele novamente.

Ele a beijava como se tivesse todo o tempo do mundo, como se não tivesse mais nada a fazer nesta eternidade ou na próxima, a não ser continuar a beijá-la.

••••••••••

Pela minha nota vocês devem ter percebido que Quase Noiva não funcionou comigo. Eu já comecei a ler sabendo que se tratava de uma leitura despretensiosa, afinal, são apenas cento e setenta e cinco páginas. Já estou acostumada com histórias curtas, elas são ótimas para dar uma quebrada em leituras mais longas e pesadas, por isso esperava que Quase Noiva fosse me entreter neste sentido, porém, o livro não teve história e isso acabou me deixando um pouco frustrada.

Não vou ser injusta e por isso devo mencionar que a escrita de Nancy Warren é muito boa. Ela conseguiu dividir bem a história e a mesma possui uma coerência dentro da proposta, mas foi essa proposta em questão que não funcionou comigo. Quase Noiva parte da premissa de um "vestido amaldiçoado" que na verdade é só um pretexto para o início da liberdade da protagonista que precisava de um empurrãozinho para conseguir enxergar a cilada onde estava se metendo. A questão é que a história se sustentava sozinha sem este artifício, e este fio acaba se perdendo e se destoando do restante da trama, visto que não há desenvolvimento algum neste aspecto. Imagino que o vestido em questão aparecerá mais vezes nos demais livros da série, todavia, neste primeiro volume, senti falta de algo que despertasse minha vontade de seguir a jornada do vestido, mas isso não aconteceu.

A mensagem que o livro quer passar é boa. Kate começa o livro presa em uma gaiola de ouro. Ela está noiva de um bom partido, faz tudo o que esperam que ela faça, se comporta do jeito que as pessoas esperam que ela se comporte e no meio do caminho acabou perdendo a própria essência. Quase Noiva desenvolve essa libertação da personagem; acompanhamos seu grito de independência e sua necessidade de um novo começo. Por ser um livro muito curtinho, essa liberdade é logo sobreposta pelo seu novo relacionamento com Nick, porém, se formos parar para analisar, para sermos livres não precisamos estar sozinhas, podemos ser livres ao lado da pessoa certa, aquela pessoa que nos dá asas ao invés de podá-las. Kate foi corajosa, pois seu relacionamento com Edward não envolvia apenas ele, envolvia também o peso do nome Carnarvon e ela não pensou duas vezes: entre sua dignidade e desapontar uma das famílias mais poderosas do país, ela escolheu a primeira opção.

Sobre Edward nem vou me estender. Um filhinho de papai acostumado a ter tudo de mão beijada. Ele se esconde atrás de uma fachada de virilidade, mas morre de medo da opinião do papai e da mamãe. Digno de pena.

Agora Nick... tive um problema bem sério com ele. Ele começa todo doce, diz todas as coisas certas, mas na hora mais imprópria deu um chilique que só me fez perder toda a simpatia por ele. Isso sem mencionar o modo stalker que ele ativa, né? Cobrar afeto é uma das piores coisas que existem, eu ojerizo isso. Ele grita, esperneia, cobra... e ele mal conhecia Kate. Que direito ele tinha? Nenhum.

Uma outra coisa que me incomodou em Quase Noiva foram os diálogos. Achei que em alguns momentos eles não fizeram muito sentido e em outros poderiam ter sido melhor trabalhados. Em uma história desse tamanho um bom texto é muito importante, porém, como eu disse lá no início das minhas considerações, a escrita da autora é boa, mas me corrijo que é mais no sentido da fluidez da mesma, os diálogos propriamente ditos deixam a desejar.

Os personagens secundários são poucos e não vou discorrer sobre eles, até porque nem tenho o que falar. Vou apenas pontuar que o próximo volume será protagonizado por Ashley, prima de Edward que aparece umas duas vezes neste primeiro volume. 

Eu sou completamente apaixonada pelo trabalho de capa da Cherish Books. As meninas têm arrasado e com a capa de Quase Noivas não foi diferente. Amei as cores e a composição, ficou linda demais. O eBook, como vocês já sabem quando se trata da Cherish, está disponível no Kindle Unlimited e a qualidade do arquivo está muito boa. Encontrei alguns errinhos de revisão, porém, nada grave.

Se você está à procura de uma leitura despretensiosa, Quase Noiva foi feito para você. Não se assuste com minha nota e nem se deixe levar pela minha opinião, ambos só dizem respeito a minha experiência para com o livro. A sua pode ser muito melhor, ok?




16 comentários

  1. Oi, Tamires como vai? A capa deste livro é lindíssima, ficou deslumbrante! Que pena que a obra não tenha funcionado para você. A premissa é até interessante, mas ao que parece faltou uma certa harmonia no conteúdo, talvez o fato de ter poucos personagens secundários tenha contribuído significativamente para a nota baixa que você deu. Cobrar afeto não dá não é mesmo! É uma situação que também me causa ojeriza, embora eu saiba que existam muitas pessoas assim, infelizmente. Que bom que a escrita de autora é boa não é mesmo, senão fosse este fato, sua leitura teria sido bastante desagradável, consequentemente a nota teria sido ainda mais baixa. Que resenha bem feita, parabéns! A propósito você resenha muito bem, viu. Dá gosto de ler resenhas bem elaboradas como as que você escreve. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Amei a resenha. Eu me assustei um pouco com a nota no começo, mas te entendi e quero muito ler esse livro. Vou só abaixar as expectativas e tudo vai dar certo.
    Essa capa está muito linda, eu amei.
    beijos
    https://www.dearlytay.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Tami, tudo bem?

    O problema com histórias curtas é que nem sempre o autor consegue desenvolver as coisas de um jeito que façam sentindo.

    Eu já tinha lido um resenha desse livro e achei o conjunto como um todo interessante. Mas a sua ressalva sobre o comportamento do protagonista e os diálogos confusos já me desanimaram um pouco.

    Acho melhor baixar as minhas expectativas.

    Beijos;*
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  4. Quando eu li o título, já me apaixonei. Amo histórias assim hahaha! Mas é ruim quando não nos conquistam por inteiro, né? Fico chateada em relação a esses diálogos e imagino que eu vá detestar o Edward hahaha. E o que você falou, tá mega certo: às vezes a experiência com a história pode ser diferente com cada leitor. Anotei a dica aqui e quando eu ler, te conto. :) E achei a capa bem linda, me lembrou a série literária "O quarteto de noivas". Já leu?

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, Tami!

    Achei interessante a premissa, a capa é mesmo muito linda, mas se um dia for me arriscar na leitura, já vou com cautela e sem grandes expectativas hahaha adorei a resenha!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Tami!
    Pela capa achei que fosse um romance de época e ao ler a sinopse achei que era um chick-lit haha, errei duas vezes!
    Poxa achei que o vestido teria mais participação na narrativa! Tinha sido o ápice da premissa :(
    Já fiquei com raiva desse Nick só pela resenha haha. O Edwar então.. sem comentários!

    Estante Bibliográfica

    ResponderExcluir
  7. Oii, como vai?

    Ando tendo zero saco para livros desse tipo já tem um bom tempo e pelo visto para esse nem tu teve kkkk Não é meu tipo de leitura e pela sinopse eu também não leria. É uma pena quando vários pontos durante a leitura nos incomodam a ponto de prejudicar a leitura.

    Abraço ♥
    Larissa - Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  8. Olá, Tamires.
    Então concordo em tudo com você e vou além. Eu não entendi a questão do vestido, porque ter aquele começo com maldição se não ia fazer diferença na história. A sensação que tive é que a autora não sabia o que queria escrever. Depois ficou dividida entre focar no autoconhecimento da protagonista ou no instalove e antes dela decidir o livro terminou.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahah tipo isso. Mas talvez ela já tinha a ideia da série em mente e o vestido meio que ia ser itinerante, mas nesse primeiro volume não fez a menor diferença.

      Excluir