12 de janeiro de 2021

Netflix | Bridgerton - 1ª Temporada

Título original: Bridgerton

Lançamento: 25 de dezembro de 2020

Episódios: 8

Duração média: 1h

Criador: Chris Van Dusen

Gênero: Romance, Drama

Elenco: Phoebe Dynevor, Regé-Jean Page, Jonathan Bailey, Nicola Coughlan, Claudia Jessie, Luke Thompson, Ruby Barker, Luke Newton, Adjoa Andoh, Julie Andrews, entre outros.

Saiba mais: IMDb - Filmow

Sinopse: O duque de Hastings, Simon Basset, acaba de retornar a Londres depois de anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Para se livrar dessas mulheres, o duque vai contar com a ajuda de Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo Anthony, que, apesar de encantadora, parece atrair somente homens nada interessantes. Assim, os dois se juntam num plano: o duque fingirá que a corteja para, de uma só vez, afastar dele as jovens obcecadas pelo casamento e atrair para ela vários pretendentes adequados.


Bridgerton estreou embrulhado pra presente. Bem no dia de Natal, fomos agraciados com esta tão aguardada produção. E que delícia de adaptação! Não vou me ater a resumir o enredo, pois creio que a esta altura do campeonato todos conhecem a trama principal de O Duque e Eu, obra majoritariamente utilizada como base nesta primeira temporada. Caso você não conheça, você pode ler a resenha AQUI.

Todo leitor, quando descobre que um livro querido vai ser adaptado, espera apenas uma coisa: fidelidade em relação a obra original. Sabemos que isto nem sempre acontece, mas Chris Van Dusen felizmente conseguiu manter toda a essência da obra de Julia Quinn. Houve algumas mudanças pontuais, mas nada que descaracterizasse a história como um todo ou que prejudicasse seu desenvolvimento.

© 2020 Netflix, Inc.

Todo o arco de Daphne (Phoebe Dynevor) e Simon (Regé-Jean Page) foi muito bem conduzido. Em tela temos todas as fases do relacionamento, indo desde a implicância mútua ao amor arrebatador e complicado. Daphne é uma personagem que cresce ao longo da série. Acompanhamos sua transição de menina a mulher e Phoebe Dynevor conseguiu conduzir muito bem essa evolução. Rége-Jean Page calou a boca dos racistas haters e entregou um Simon maravilhoso! Ele flutuou bem entre os momentos de descontração e os momentos mais sombrios do personagem e eu não consigo mais desassociar o Simon dele, tamanha foi sua compatibilidade com o papel.

Muito se especulou a respeito de como seria o nível de erotismo de Bridgerton, visto que os livros têm sua cota de cenas eróticas. Digamos que estamos bem servidos e que talvez não seja muito confortável assistir a produção ao lado dos pais. 😂😂😂 Brincadeiras à parte, as cenas sensuais entre Daphne e Simon demoram a acontecer, mas são muito envolventes graças a química latente entre Phoebe e Réje-Jean.

Não posso deixar de mencionar a fatídica cena do estupro, pois sim, aquilo foi um estupro, e na série, ainda que a atitude de Daphne continue sendo extremamente condenável, houve uma suavização que foi bem-vinda. Sigo esperando o dia em que Julia Quinn irá de desculpar por tamanho equívoco. Vamos aguardar...

Acho que a personalidade de Anthony (Jonathan Bailey) na série pegou muita gente de surpresa. Ele está muito mais ranzinza, mau humorado e irritante, mas isto não chegou de fato a me incomodar. Bridgerton deixa claro que ser responsável pela família é um fardo para ele, então seu comportamento faz sentido. É apenas ao lado de Siena (Sabrina Bartlett) que ele se desarma e deixa vir à tona um lado mais leve e descontraído. E por falar em Siena, não sei se gostei ou não deste relacionamento. Nada contra ela, muito pelo contrário. Achei interessante termos a perspectiva de uma mulher que estava ali no limite entre a aceitação e a rejeição. Se por um lado temos a cantora de ópera cuja voz é admirada, por outro temos a mulher que os homens desejam e as mulheres desprezam. O plot deles, ainda que breve, agrega no quesito dramalhão, mas fico pensando no impacto que este envolvimento fugaz terá na história de Kathony.

Falando brevemente sobre os demais Bridgertons, temos Colin (Luke Newton) e Benedict (Luke Thompson) com personalidades trocadas, pois sim, parecia que um estava habitando o corpo do outro. Como Colin passa a temporada inteira sem comer? Como não houve sequer uma piada a respeito disso? Inaceitável! 😅 Já Benedict está mais descontraído na série do que no livro, o que não é algo ruim. A performance de Luke Newton e Luke Thompson, apesar do pouco tempo em tela, é satisfatória. Violet Bridgerton (Ruth Gemmell), por sua vez, me decepcionou um pouco. Nos livros é ela quem dita as regras da família e na série ela é totalmente submissa ao Anthony, tendo apenas um momento onde o coloca em seu devido lugar.

Agora, quem rouba mesmo a cena é Claudia Jessie com sua Eloise! 💜

Assistir as interações de Eloise é uma delícia, desde os momentos mais dramáticos, onde ela confidencia suas frustrações a Benedict, até os mais divertidos, com suas indagações inapropriadas. Eloise não está nada satisfeita com o papel da mulher na sociedade londrina e não tem nenhum problema em externalizar isso. Claudia Jesse está ótima no papel e eu espero de verdade que a série sobreviva para contar a sua história.

Sobre os demais personagens, curti que as Featheringtons tiveram uma trama paralela e não foram somente a piada pronta da temporada. E por falar nelas, devo destacar que Nicola Coughlan está fofíssima como Penelope, a atriz conseguiu transmitir toda a doçura da sonhadora personagem. A trama de Marina (Ruby Barker) foi uma adição muito bem vinda ao núcleo, pois dá muito mais profundidade para a tragédia futura da personagem, algo que não acontece nos livros. 

Nigel Berbrooke (Jamie Beamish) foi promovido de paspalho dos livros para um vilão atrapalhado, o que foi bom, pois o tom abobalhado das páginas não combinaria com a produção. Já Lady Danbury (Adjoa Andoh) peca pela falta de bengaladas e comentários afiados, foi outra que perdeu um pouco de suas melhores características, por outro lado, gostei de vê-la como figura materna na vida de Simon.

E ainda temos Lady Whistledown (voz de Julie Andrews), a Gossip Girl do século XIX. Muito se debateu sobre se foi ou não um acerto a revelação de sua identidade. Inicialmente eu tinha achado precoce, mas quando a gente para pra analisar que é uma produção que poderia ou não funcionar, faz sentido a revelação para a obra não ficar "inacabada". Isso sem mencionar o fato de que basta dar um Google para a pessoa descobrir a verdadeira identidade da famosa fofoqueira, né? Então a revelação não é o problema, a questão é como vão conduzir as demais temporadas a partir de agora.

Vocês devem estar lembrados da polêmica acerca da escalação de atores pretos, não é? Muitos mascaram o preconceito sob a justificativa de isso não ser historicamente possível, mas não é bem assim. Há estudos que apontam a descendência africana da rainha Charlotte e tantos outros que falam sobre a história do povo preto nos séculos XVIII e XIX. Nesta thread e neste vídeo isso é abordado um pouco mais, vale a pena ler e assistir. Eu amo Romances de Época, mas não fecho meus olhos para o embranquecimento das narrativas e para o apagamento da história do povo preto, então acho excelente que Shonda Rhimes e Chris Van Dusen tenham decidido seguir por este caminho.

© 2020 Netflix, Inc.

Gente, e o que falar da genial ideia de fazer versões instrumentais clássicas de sucessos contemporâneos como Thank U, Next, de Ariana Grande, Bad Guy, de Billie Eilish, Girls Like You, de Marron 5, entre outros? Eu amei!


Bridgerton é uma produção luxuosa! Inicialmente, o excesso de cores pode assustar, mas bastam alguns minutos para toda a riqueza da série assentar. É nítida a preocupação que tiveram com os mínimos detalhes, desde os cenários até os objetos pessoais. Os figurinos, que por sinal foram feitos todos à mão, estão belíssimos, e locações estão muito convidativas.

Bridgerton foi uma série muito esperada e ela não me decepcionou. Já assisti duas vezes e ainda não fiquei satisfeita! 😅 Ainda não houve anúncio oficial de sua renovação, mas ela já é dada como certa. Como a quinta produção original da Netflix mais assistida em todo mundo, Bridgerton agradou tanto os fãs da série de livros como aqueles que nunca tinham ouvido falar desta grande família. Um sucesso indiscutível!


18 comentários

  1. Eu tô completamente louca para assistir essa série, mas quero terminar The Crown primeiro e o final de semestre da faculdade não tá me ajudando. Acho que vou jogar tudo pro alto, fingir demência e passar o dia assistindo Bridgerton hahahaha

    Beijinhos
    Renata

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tamires. Como vai? Este seriado vem agradando em cheio os amantes de romance de época, não é mesmo! Que bom que você tenha gostado também. Sua resenha está impecável como de costume, parabéns! Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu assisti o último episódio sábado passado. Gostei demais da série e tô super ansiosa pela segunda temporada. Quando comecei a assisti, já abstraí a mente de que não seria igual ao livro, então as mudanças não me incomodaram muito. Só achei que a Violet ficou muito apagada na história. E concordo com vc em relação ao Anthony. Ele é o meu favorito nos livros, mas aqui ele ficou bem chato. De aparência eu amei, mas de personalidade não curti tanto, não. E tb não gostei dessa fixação dele pela Siena. Socorro! Espero que isso não seja um incômodo na relação dele com a Kate. Não mexam com o meu casal, pelo amor de Deus, hehe!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir
  4. Tenho ouvido falar tão bem que estou mega ansiosa por ver! <3
    . www.pimentamaisdoce.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá...
    Eu estou amando ver os comentários dos apaixonados por Os Bridgertons sobre a série! Particularmente, não pretendo assistir a série, pois, nem os livros ainda li, mas, pelos comentários que ando lendo os leitores parecem estar amando <3
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Tamires, tudo bem?
    Toda adaptação acaba sofrendo alguma mudança, então já assisto sabendo disso, mas achei que Colin ficou muito apagado, espero que na próxima temporada, ele se pareça mais com o Colin dos livros. Tirando esse detalhe eu gostei do resultado final e já estou curiosa pela história de Anthony.

    *bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Tami. Essa série é a definição de Aclamação! Não tem nada que eu mudaria, exceto as aparência dos personagens feios, mas sinceramente, tá tudo perfeito! Eu amei a forma como eles desenvolveram tudo e a trilha sonora é perfeita, casa muito bem com a série. Tudo foi muito bem reproduzido e estou ansiosa por uma segunda temporada.
    Beijo!
    http://www.capitulotreze.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  8. Oi, Tami!

    Bom, algumas opiniões minhas foram diferentes da sua haha não curti o tanto de cor, pareceu tudo bem forçado e fantasioso, nem um pouco como imaginei nos livros. As músicas sem dúvida ficaram maravilhosas. Realmente parece que trocaram a personalidade do Colin e do Benedict, achei o Colin tão bobinho e inocente. E o Anthony então, conseguiram piorar ainda mais ele. E sim, Violet também não foi muito bem colocada, ela possui um papel muito mais significante nos livros. Mas enfim, num geral a produção ficou mesmo boa, e o lado bom é que sem dúvidas vai ter segunda temporada pra nossa alegria

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos primeiros minutos eu fiquei um pouco zonza com tanta cor, mas depois gostei! hahahaha

      Excluir
  9. Mesmo com alguns pontos negativos, ainda assim eu amei a série e estou bem ansiosa pela segunda temporada.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir