7 de janeiro de 2021

Resenha | Crazy Stupid Bromance - Lyssa Kay Adams

Autora: Lyssa Kay Adams

Série: Bromance Book Club #3

Número de páginas: 352

Ano: 2020

Editora: Headline Eternal

Skoob: AQUI

Compre: Amazon

Sinopse: Alexis Carlisle e seu cat café, ToeBeans, ficaram famosos depois que ela se apresentou como vítima do assédio sexual de um famoso chef. Quando uma nova cliente se aproxima para desabafar com ela, a última coisa que Alexis espera é que a mulher diga que elas são irmãs. Sem saber o que fazer, Alexis se volta para o único homem em quem ela confia - seu melhor amigo, Noah Logan.

O gênio da computação Noah deixou seu passado de hacker adolescente rebelde para se tornar um especialista em segurança computacional. Agora ele só usa suas antigas habilidades para a causa certa. Mas Noah tem um segredo: ele está perdidamente apaixonado por Alexis. Quando ela pede sua ajuda, ele se pergunta se será o momento certo para confessar sua paixão.

Os amigos de Noah no The Bromance Book Club estão mais do que dispostos a compartilhar seus amados "manuais" para ajudá-lo a passar de amigo a namorado. Mas ele deve decidir se vale a pena contar a verdade e arriscar a melhor amizade que já teve.

He wasn't friend-zoning himself. He was being a friend.

Ele não estava se colocando na friendzone. Ele estava sendo um amigo.


Alexis Carlisle teve um ano e tanto. Quando resolveu denunciar o assédio que sofrera nas mãos de um famoso chef de cozinha, não imaginava que ela e seu estabelecimento, o ToeBeans Cat Café, se tornariam um refúgio para vítimas do mesmo crime que sofrera. Uma vez por semana, ela cede o espaço de seu café para que essas mulheres façam atividades e durante a semana é comum vê-las passando um tempo por lá por ser um lugar que lhes transmite segurança.

Já fazia um tempo que Alexis vinha notando uma jovem que sempre ia ao café e ficava a observando. A principio, Alexis pensa se tratar de alguém que quer desabafar sobre também ter sofrido um assédio, mas se surpreende quando ela finalmente toma coragem para abordá-la. A jovem diz que seu nome é Candace Vanderpool e, para espanto de Alexis, fala que elas são irmãs. Como se não bastasse esta bomba, Candace diz que está ali porque precisa urgentemente da ajuda de Alexis em um caso de vida ou morte.

Alexis foi criada pela mãe e o pai nunca fez parte da equação, ela nem sabia quem ele era. Com o falecimento de sua mãe, o mais próximo de uma família para ela eram seus amigos, sendo um deles Noah Logan. E é com ele que ela vai contar para passar por este mais novo turbilhão.

Noah é um gênio da informática que, após passar por um período nebuloso, conseguiu se consolidar no ramo e agora é dono de uma empresa de segurança computacional que não para de crescer. Ele teve papel fundamental na exposição do assediador de Alexis e desde então os dois construíram uma profunda amizade.

A relação dos dois é de muito carinho e cumplicidade e se fortalece com o passar do tempo. Eles estão sempre juntos e têm uma rotina confortável que até já conta com algumas tradições. Quem está de fora consegue ver o que os dois relutam em admitir: que eles estão apaixonados um pelo outro. E é aí que o Bromance Book Club entra em cena. Os rapazes querem ajudar Noah a lidar com esta situação e para isso fazem a sua já famosa intervenção. Noah reluta em aceitar ajuda, mas os rapazes garantem que o livro Coming Home vai ajudá-lo a compreender e a lidar melhor com seus sentimentos.

Enquanto está ajudando Alexis a lidar com uma difícil decisão, os dois acabam se envolvendo e a relação parece que vai evoluir... até que não evolui.

Vale a pena trocar a certeza de uma amizade pela incerteza de um amor?

"Noah is one of the best things in my life. I can't lose that."
"The best love affairs start as friendships."
"But that friendship is way too important to risk."
... "Maybe he wants to take the risk too."


"Noah é uma das melhores coisas da minha vida. Não posso perder isso."
"Os melhores casos de amor começam como amizades."
"Mas essa amizade é importante demais para arriscar."
... "Talvez ele também queira correr o risco."

••••••••••

Semana que vem, mais precisamente dia 15 de janeiro, está previsto o lançamento da edição brasileira de Clube do Livro dos Homens, livro que abre a série da qual o livro resenhado hoje faz parte. Para quem ainda não conhece a proposta das histórias, sugiro a leitura da resenha do primeiro livro, pois nela eu explico mais detalhadamente o que é o Bromance Book Club e qual é o seu objetivo. 😉

Antes de começar minhas considerações, gostaria de destacar algo muito bacana que a autora vem fazendo ao longo desta série. Todos sabem que cada gênero literário possui uma certa quantidade de tropes. Tropes, em bom português, são os clichês que são trabalhados ao longo das histórias. Na série Bromance Book Club, Lyssa Kay Adams vem trabalhando tropes muito famosos, e quando paramos para pensar que esta é uma série onde os livros têm papel de destaque, isto fica ainda mais interessante.

The Bromance Book Club (Clube do Livro dos Homens) aborda o trope da reconquista. Undercover Bromance, o segundo volume, trabalha o famoso enemies-to-lovers, ou seja, aquele famoso jogo de gato e rato que todo mundo adora. Crazy Stupid Bromance, foco desta resenha, tem como trope o enredo dos melhores amigos que se apaixonam. E por fim, Isn't It Bromantic, quarto volume da série com previsão de lançamento no exterior para o dia 20 de julho, tem como ponto de partida o trope do casamento por conveniência. Bacana, né?

Assim como os dois livros que o precedem, Crazy Stupid Bromance é uma delicinha, aquele tipo de história que não dá vontade de largar. Alexis e Noah são personagens que ganharam destaque no segundo livro, onde Alexis tem um papel importante e cujos acontecimentos estão diretamente ligados aos acontecimentos deste volume quando levamos em consideração os dramas da protagonista. Eles se aproximaram em decorrência de uma situação muito complicada, mas que serviu para consolidar a amizade dos dois; amizade esta que, aos poucos, vai ganhando outros contornos.

Um diferencial bacana neste relacionamento é que é Noah o primeiro a admitir seus sentimentos. Ele está apaixonado por Alexis há algum tempo, mas sabe que o que ela precisa no momento é de um bom amigo. Já Alexis é mais relutante, pois se por um lado ela fica balançada quando suas amigas levantam a possibilidade de Noah sentir algo por ela, por outro há o medo de perder a amizade dele, algo que para ela é muito importante. Quando Candace entra em cena, a já caótica vida de Alexis ganha contornos ainda mais dramáticos. Noah, mais uma vez, se vê tendo que adiar uma declaração visando o bem-estar de sua melhor amiga.

Alexis é uma personagem muito altruísta, mas o altruísmo dela extrapola um pouco a linha do bom senso. Acho que na vida para tudo há um limite, por isso não consegui encarar muito bem algumas decisões da protagonista. Alexis é doce, boa, gentil e empática, o que é maravilhoso, mas ela tinha o direito de ser um pouco egoísta e de não ceder tão facilmente. Longe de mim querer problematizar um plot como o que foi abordado no livro, mas não consegui engolir muito bem a condução de toda a situação. 

E se o bom senso é algo que falta em Alexis, em Noah sobra. Ele é muito racional, e foi graças a seu papel de mediador de crises que eu não passei ainda mais raiva. Ele sabe a linha que ele não pode ultrapassar quando o assunto são as decisões de Alexis, mas não deixa de lutar para que, no final, os interesses de Alexis estejam em primeiro lugar. Todavia, se por um lado ele consegue se posicionar quando o assunto é a felicidade de Alexis em toda a confusão que envolve os Vanderpool, o mesmo não pode ser dito quando o assunto é ele mesmo e sua organização familiar. 

E aqui eu levanto mais um ponto que me incomodou, pois este é o terceiro livro da série e é o terceiro livro onde temos problemas relacionado a pais ou, no caso de Noah, figuras paternas. Isso não tinha me incomodado até aqui, mas Marsh é péssimo e não acredito que uma mãe amorosa como a de Noah seria conivente com aquilo. Foi um plot mais heterogêneo e ele ficou meio deslocado dentro da narrativa.

Como casal, Alexis e Noah funcionam, mas não há nenhuma explosão de química e desejo como foi com os casais dos dois livros anteriores, o que é estranho se levarmos em consideração que o tesão que eles sentiam um pelo outro ficou em banho-maria por tanto tempo. No fim das contas, isso não chega a ser um problema, pois a cumplicidade que eles possuem compensa a falta de fogo e acho que, neste volume especificamente, isto era o mais importante.

Voltando aos pontos que deixaram um pouco a desejar, assim como aconteceu no segundo volume, o manual da vez, ou seja, o livro Coming Home, é subaproveitado na história. Um dos diferenciais mais bacanas do primeiro volume era ver o quanto a história de Courting the Countess se emaranhava com a história de Thea e Gavin, mas isto se perdeu no segundo volume e neste terceiro está ainda mais ausente.

O Bromance Book Club não tem tanto destaque na trama de Crazy Stupid Bromance, mas ainda há bons momentos de risadas garantidas. Vlad, um dos meus personagens favoritos da série, é responsável pela maioria delas. Aliás, será ele o protagonista do quarto volume. Como a Lyssa Kay Adams vai escrever um livro sobre um enorme jogador de hóquei no gelo que possui sérios problemas intestinais? Só lendo pra saber. Estou ansiosa, mas também estou apreensiva, pois em toda cena esse homem quer ir ao banheiro! 😂😂😂 E também não posso deixar de mencionar Mack com seus preparativos para o seu casamento dos sonhos... é hilário!

Ahhh, e não posso deixar de elogiar o fato de Lyssa seguir desconstruindo o conceito de masculinidade. Todos os personagens da autora provam que é possível um homem ser consciente de seus privilégios e até mesmo discutir sobre padrões ultrapassados que já não estão com nada.

"The so-called friend zone is nothing but a social construct designed to give a man an excuse to justify why a woman might not want to have sex with him. It’s a bullshit lie, and we all know that.”


"A chamada friendzone nada mais é do que uma construção social projetada para dar a um homem uma desculpa para justificar por que uma mulher pode não querer fazer sexo com ele. É uma grande besteira, e todos nós sabemos disso.”

De personagens secundários nós temos os rapazes do BBC, Liv e Thea em participações pontuais, mas quem rouba mesmo a cena é Beefcake, o gato de Alexis que odeia qualquer outro ser humano a não ser sua dona! Colton, um dos membros do clube, ganhou um certo destaque, por isso acredito que ele também possa ganhar um livro para chamar de seu. O núcleo do transplante não é nada carismático e nem Candace se salva. Nenhuma desculpa dada pelos membros da família Vanderpool me convenceu e nenhuma demonstração de afeto me pareceu genuína, por isso, na minha humilde opinião, Alexis estaria melhor sem eles.

Visto que fiz a leitura do livro digital, não posso falar muito sobre a edição. A capa é linda, minha preferida até o momento. Aliás, fiquei muito satisfeita da Arqueiro ter mantido a capa do primeiro volume, agora é torcer para ele ser um sucesso por aqui para que eu possa ter essas belezinhas na estante. A escrita de Lyssa Kay Adams segue impecável e acompanhamos a história de Alexis e Noah ao longo de trinta e um capítulos e um epílogo narrados em terceira pessoa.

No mais, apesar das ressalvas, Crazy Stupid Bromance foi uma boa e divertida leitura. Espero que vocês curtam quando ele for lançado por aqui! 😘


16 comentários

  1. Oi!

    Achei super interessante essa abordagem "diferente" de um romance que nasce da amizade. Esse tipo de livro é bem fofinho de ler, né? E a sua resenha está completíssima, adorei.

    Até!
    https://nsmoraes.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Tamires.
    Como amante de gatos eu amei essa capa hehe. Estou bem ansiosa pela leitura desses livros e fiquei mais interessada nesse que nem foi lançado porque casamento por conveniência é meu clichê favorito hehe. Acho que vou passar raiva com ela também na questão da doação porque li e já pensei, só procurou porque precisou né hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Tami, pois é.. apesar das ressalvas foi um livro fofo e to agora querendo saber o que ela vai aprontar no livro do Vlad
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  4. Oi, Tamires. Como vai? Menina que resenha maravilhosa, parabéns! Posso imaginar o quão agradável e prazeroso é a leitura deste livro, principalmente para os amantes deste gênero literário. Que bom que você gostou do que leu, espero que o próximo seje ainda melhor. Muito legal esta série ter diferentes plots para cada volume, isto sem dúvida torna a leitura muito mais interessante. Bom fim de semana. Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oii, ja amei a capa😺 Não conhecia esse livro. Parece ser um clichêzinho bem gosto de ler.
    Beijos!
    https://deliriosdeumaliteraria.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  6. Oi Tami, tudo bem?
    Confesso que a premissa em si não me chamou tanto a atenção, mas eu adorei a forma que você explicou cada clichê da série. Isso me deixou mais curiosa que a trama em si! Vou deixar essa série no radar. =)
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal a parte dos clichês, né? Que bom que ficou curiosa. :)

      Excluir
  7. Oi Tami,
    Já li sua resenha até mais animada, porque sei que a Arqueiro vai publicar a série por aqui. Acho que será uma ótima experiência de leitura para mim.
    Estou de olho nas promoções do 'Clube do Livro dos Homens' que está em pré venda já!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. This sound like a really great story! And how could it not be with cat café <3

    LackaDaisy

    ResponderExcluir