17 de março de 2021

Resenha | Layla - Colleen Hoover

Autora: Colleen Hoover

Número de páginas: 304

Ano: 2020

Editora: Montlake Romance

Skoob: AQUI

Compre: Amazon
Sinopse: Quando Leeds conhece Layla, ele está convencido de que passará o resto de sua vida com ela - até que um ataque inesperado deixa Layla lutando por sua vida. Depois de semanas no hospital, Layla se recupera fisicamente, mas as cicatrizes emocionais e mentais alteraram a mulher por quem Leeds se apaixonou. A fim de colocar seu relacionamento de volta nos trilhos, Leeds leva Layla para a pousada onde se conheceram. Assim que eles chegam, o comportamento de Layla dá uma guinada bizarra. E essa é apenas uma das muitas ocorrências inexplicáveis.

Sentindo-se distante de Layla, Leeds logo encontra consolo em Willow - outra hóspede da pousada com quem ele estabelece uma conexão por meio de suas preocupações em comum. À medida que sua curiosidade por Willow aumenta, sua decisão de ajudá-la a encontrar respostas o coloca em conflito direto com o bem-estar de Layla. Leeds logo percebe que tem que fazer uma escolha porque não pode ajudar as duas. Mas se ele fizer a escolha errada, isso pode ser prejudicial para todos eles.

 

Silence is where all the mistakes happen.

No silêncio é onde todos os erros acontecem.

Leeds Gabriel está vivendo no piloto automático. Sua meta de vida era ser compositor, mas ele está acomodado tocando baixo na Garrett's Band, uma banda cujo som ele sequer curte. Certa noite, quando a banda está em uma pousada tocando em um casamento, Leeds fica fascinado por uma das convidadas que também é uma péssima dançarina. A jovem está seguindo o som da banda com os passos mais toscos que Leeds já viu na vida, e ele acha isso adorável.

Logo depois, Leeds descobre que a dançarina se chama Layla, que ela é irmã da noiva e que estava tentando chamar a atenção dele. Layla fala que ele parecia triste em cima do palco e isto é algo que lhe toca, pois ela conseguiu enxergar o que ele tenta esconder. Layla e Leeds passam horas conversando e se veem, de repente, envolvidos um pelo outro. Neste momento, um relacionamento super intenso se inicia. São meses de um namoro que vai de vento em popa, até o momento em que algo terrível acontece.

Layla sofre um atentado e toma um tiro, ficando entre a vida e a morte. Ela se recupera, porém, devido ao trauma, começa a sofrer lapsos de memória e passa a ter medo de tudo, e a jovem que outrora fora parece não existir mais. É aí então que Leeds, inconformado e desesperado para ter seu amor de volta, resolve levá-la de volta ao local onde se conheceram e se apaixonaram. 

I'm hoping going back to the place where Layla and I met will feel like a reset on our lives. I have this notion that if I take us back to the starting line, we'll never cross the finish line.


Espero que voltar ao lugar onde Layla e eu nos conhecemos seja como uma reinicialização em nossas vidas. Tenho a noção de que, se nos levar de volta à linha de partida, nunca cruzaremos a linha de chegada.

Ao chegarem na pousada, Leeds tenta fazer de tudo para deixar Layla o mais confortável possível. Além de tentar lidar com a namorada, Leeds ainda precisa enfrentar estranhos acontecimentos que começam a se manifestar. Com Layla cada vez mais distante, Leeds encontra consolo em Willow, outra hóspede da pousada que o compreende e ouve todas as suas lamúrias a respeito de Layla, assim como não questiona sua sanidade acerca das experiências paranormais que ele vem enfrentando.

A medida que estas experiências vão ficando mais claras e frequentes, mais Leeds se aproxima de Willow e mais ele se afasta de Layla. Ele só não esperava que uma reviravolta nos acontecimentos pudesse colocar em risco aquilo pelo qual ele vinha lutando há tanto tempo: a vida de Layla.

There's definitely some deceit going on here - I'm fully aware of that. But it's hard to know where to draw the line when the lines aren't even in the same world.


Definitivamente, há algo errado acontecendo aqui - estou totalmente ciente disso. Mas é difícil saber onde traçar a linha quando as linhas nem estão no mesmo mundo.

My gut is telling me this terrible decision will pay off when it's all said and done. Which means this is the moment I'll likely regret the most.


Meu instinto está me dizendo que esta terrível decisão vai valer a pena quando estiver tudo dito e feito. O que significa que este é o momento do qual provavelmente mais vou me arrepender.

* Sinopse e quotes traduzidas por mim.

••••••••••

Assim como sempre faço, a leitura de Layla foi feita logo que o livro foi lançado nas gringas. E também como sempre faço, cozinhei esta resenha o tanto quanto pude, pois sempre acho que nunca vou conseguir discorrer sobre as histórias de Colleen Hoover. Agora, com o iminente lançamento da versão BR do livro, chegou a hora de falar sobre ele.

Antes de mais nada, gostaria de dizer que haverá massivas omissões nesta resenha. Como eu sempre digo, é melhor pecar pela omissão do que pelo excesso. Layla é um livro muito difícil de ser resenhado e sugiro que vocês fujam de resenhas deste livro que se permitam ir muito além daquilo que a sinopse entrega. Acreditem em mim, o plot twist deste livro pode ser arruinado com apenas uma palavra. Então, àqueles que não gostam de spoilers: tomem cuidado.

Colleen Hoover tem se empenhado em mostrar sua versatilidade e vem conseguindo. Após o estrondoso sucesso de Verity, seu primeiro thriller, a autora se arriscou mais uma vez e escreveu o seu primeiro romance paranormal. E como era de se esperar, Colleen conseguiu criar uma história instigante e única; história esta que o leitor lê e fala: isso só poderia ter saído da cabeça de Colleen Hoover.

Layla é um livro com poucos personagens e cenários, o que acho essencial quando se trata do gênero. Deixar os personagens lidando sozinhos com acontecimentos inexplicáveis torna a leitura muito mais eletrizante, pois nos coloca na mesma perspectiva. E ao limitar o mundo que os personagens tinham ao seu redor, Colleen explorou um artifício muito utilizado no gênero que é o de transmitir uma sensação de impotência e claustrofobia. Para onde correr quando a situação fica insustentável se não há para onde ir?

Vi que muitas pessoas estão esperando por esse livro e estão questionando se ele será um novo Verity. Não, ele não será. Não cabe comparação e, apesar de eu ter gostado muito da história, considero que Verity encontra-se em um patamar acima.

O envolvimento de Leeds e Layla é muito intenso desde o início. O famoso instalove com o qual todos nós, leitores, estamos acostumados. Há aqueles que compramos e aqueles que não compramos, e eu comprei o de Leeds e Layla. Bom, até certo ponto. Sempre envoltos em conversas profundas sobre o ser e o existir, os protagonistas convencem o leitor de que há muito mais coisas envolvidas no relacionamento do que uma mera atração. 

Livre, divertida e espirituosa, esta é Layla. A personagem é muito leve, quase etérea, e nos conquista desde o primeiro momento. Com seus questionamentos sobre os mistérios da vida, Layla nos leva a fazer o mesmo, o que é bacana. Ela é uma personagem tão boa que causa até mesmo certa perda no leitor quando muda da água para o vinho.

Já Leeds, bom... lembram que mais acima eu disse que comprava o relacionamento até certo ponto? Eu disse isso porque certas atitudes, mesmo sob a justificativa do zelo e do amor, não são aceitáveis. Estas atitudes já seriam questionáveis se ele soubesse o que estava acontecendo ao tomá-las; tomá-las sem conhecimento torna tudo ainda pior, ainda que, no final, haja uma justificativa que transcende o lugar comum. Além disso, não há nenhum brilho no personagem. Ele é acomodado e desinteressante, e foi ele o grande responsável por este livro não ter entrado nos meus favoritos. 

E então temos Willow, a mulher que faz Leeds questionar tudo aquilo que sente por Layla. Willow é misteriosa, triste e solitária, o total oposto de Layla. É uma personagem complexa em diversos sentidos, mas não cabe a mim esmiuçá-los. Tanto Leeds quanto Willow chegam na pousada em busca de algo. Este algo eles encontram um no outro, mas e Layla? 

Quando os acontecimentos inexplicáveis começam a acontecer, há ainda mais incredulidade no que diz respeito ao comportamento de Leeds. Inicialmente, ele quer nos (e se) convencer de que não envolve Layla por conta de seu estado frágil, mas há o momento onde ele cruza a linha tênue entre a curiosidade e a obsessão. Willow não o julga, e esta compreensão desmedida faz com que ele coloque até mesmo o bem-estar de Layla em jogo.

Enfim, gente, não posso falar sobre a parte paranormal da história, mas tenham em mente que não é nada no estilo Poltergeist e nem nada que vai fazer o leitor morrer de medo, inclusive arrisco dizer que em Verity há momentos muito mais tensos. Todavia, enquanto em Verity as atitudes dos personagens têm origens psicológicas, em Layla elas são inexplicáveis. Isto é, claro, até o momento onde as explicações começam a aparecer.

Como eu disse no início das minhas considerações, esta é uma história que só poderia ter saído da cabeça de CoHo. É uma viagem super louca, mas que, no fim das contas, vai fazer sentido. E você não precisa ser crédulo para embarcar nesta história, Colleen não quer te convencer de nada. Apenas embarque na leitura esperando o inesperado. 

Os personagens, como também já mencionei, são enxutos, mas ainda temos Aspen e Chad, irmã e cunhado de Layla, Sable, ex-namorada de Leeds, e Randall Richard, um misterioso homem que se propõe a ajudar Leeds quando as coisas saem de seu controle. Aliás, já rolou dreamcast de Layla aqui no blog, se você não viu é só clicar AQUI.

O eBook de Layla está disponível gratuitamente no Kindle Unlimited no idioma original, e foi esta edição que eu li. A história é narrada integralmente por Leeds, o que não foi algo ruim apesar das minhas questões com o personagem, apenas senti falta de um POV de Layla e de Willow. São vinte e sete capítulos e um epílogo, além disso, há ainda transcrições de uma entrevista onde Leeds narra os acontecimentos da pousada.

A edição brasileira de Layla tem lançamento previsto para o dia 15 de abril. Fico aqui na torcida para que, mais uma vez, Colleen conquiste vocês com o que ela sabe fazer como ninguém: contar histórias.


43 comentários

  1. O Leeds é a própria caçamba de lixo radioativa. Layla merecia um macho melhor. Fora isso, foi uma história interessante kkkk
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Olá...
    Confesso que nem tava querendo ler esse livro por causa do seu lado paranormal, porém, como você disse que é bem tranquilo já fico mais animada. Fiquei mega curiosa sobre esse plot twist e já vou seguir sua dica e fugir de resenhas detalhadas desse livro.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se preocupe porque você não vai ficar sem dormir! Hahaha

      Excluir
  3. Gostei de Verity, mas como fã do gênero, não achei excepcional, tem outros livros por aí que são bem melhores. Agora, quanto a Layla... não sei se me arrisco na leitura. Pois, primeiro, tenho medo de me decepcionar, como foi com Verity, o hype foi tão grande e eu nem achei o livro "tudo isso", haha. Segundo, não gosto de ocultismo e paranormalidade, geralmente essas coisas são usadas em artificio de uma explicação que o autor não pode dar de forma lógica. Então, por mais que as resenhas sejam positivas, o livro ainda não me conquistou de forma que me motive a lê-lo.
    E se alguém não segurar a CoHo logo ela estará escrevendo até mesmo terror e tirando o posto de Stephen King, hahaha.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade achei que a explicação foi bem lógica, mas para isso a pessoa precisa entrar na onda. Se o leitor não acredita em acontecimentos paranormais não vai aproveitar a leitura mesmo.

      Excluir
  4. Oi, Tami! Tudo bem?
    Falou que é da Colleen Hoover eu já quero ler. Porém, às vezes tenho medo da cabeça dela, ainda mais nesse caso que envolve essa parte paranormal hahaha. Mesmo que não seja nada muito assustador, eu sou mais medrosa que as pessoas normais, então, fico preocupada kkkkkk. Mas quero ler assim mesmo e não vejo a hora de lançar a edição brasileira.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Tami, pela primeira vez fiquei interessada em um livro da Colleen Hoover. Se bem que Variety até me atraiu um pouco, mas este aí me deixou muito. Obrigada por alertar sobre os spoilers. Não vou ler mais nenhuma resenha, só a sua! Obrigada. Leitora Viciada

    ResponderExcluir
  6. Oi, Tamires. Como vai? Este livro está na minha lista de futuras leituras. Pelo que entendi a trama é bem contruída e o livro é muito bom de ser lido, embora não seja uma obra perfeita. A Colleen é mestra em criar histórias envolventes e instigantes para nos agraciar. Que bom que o livro tenha causado em você uma sensação boa e agradável. Sua resenha está maravilhosa. Espero o ler em breve. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi!

    A sua resenha está maravilhosa. Completíssima! Não é um livro que eu vou ler, mas para quem gosta, parece ser um prato cheio.

    Até!
    www.nsmoraes.com.br

    ResponderExcluir
  8. Tami, obrigada por fazer resenhas sem spoiler.
    Acho que todos os livros da Colleen se a pessoa fala um pouquinho mais perde metade da graça.
    Eu, com certeza, quero ler. Não tinha ouvido falar dele ainda, mas só por ser dela me interessei, fora que pela sinopse e sua resenha também.
    Adorei você dizer o "isso só poderia ter saído da cabeça dela". Hahahaha.

    Beijoooos

    Teca Machado
    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha mas é, aquela cabecinha é muito peculiar! Hahaha

      Excluir
  9. Olá,
    Eu gosto de histórias com um lado paranormal, então fiquei curiosa com o destino da Layla. Mas coitada o que aconteceu, logo quando parecia feliz.
    E não tem como não ficar com um pé atrás com o boy após ler a resenha.
    To achando que a Colleen vai ficar só nos thrillers e sobrenatural agora, ein. haha
    Achei a capa BR meio estranha.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai nada, depois de Verity ela lançou Heart Bones e agora tá escrevendo outro romance. Hahaha

      Excluir
  10. Oi Tami,

    Eu amei verity e estou bem ansiosa por Layla, apesar que acho que não vai superar Verity de jeito nenhum.
    Eu estou fugindo de spoilers e assim que eu comprar o livro vou ler ele sem ver mais resenhas, pois quero entender todo esse trabalho da autora na história.

    Bjs
    https://diariodoslivrosblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade eu acho que nem cabe essa comparação aí que estão fazendo com Layla, são gêneros diferentes. Mas entendo que rola uma expectativa, né? Mas como o povo quer saber se supera ou não, eu disse que não pq Verity realmente tá em outro patamar, já que eu acho que a ruindade das pessoas assusta muito mais do que manifestações paranormais. Hahahah

      Excluir
  11. É... dona CoHo está mesmo buscando novos horizontes... O povo nem conseguiu digerir o thriller de Verity e ela me vem com um romance paranormal?! o.0
    Que bom que te foi uma boa leitura e fiquei admirada em saber que um romance paranormal conseguiu ser menos assustador do que o thriller... rs
    Vamos ver se vai fazer o sucesso esperado aqui no Brasil.
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser que outras pessoas achem o Layla mais assustador de Verify, vai saber. Hahahaha

      Excluir
  12. Oi Tami,
    Colleen Hoover é o tipo de autora que eu me jogo sem medo de ser feliz (ou de sofrer, rs). Nem leio sinopse, apenas compro e maratono num final de semana! rs
    Ela é muito diva e mesmo não sendo muito fã de paranormal, eu quero conferir Layla logo logo!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Eu li apenas Verity, da autora, e gostei muito. Estou bastante curiosa sobre sua nova obra, mas minhas expectativas estão mornas.

    Bjs

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  14. Oi Tamires, tudo bem?
    Apesar de todos os comentários positivos, eu ainda não li nada da autora. Fiquei curiosa com o lado paranormal na trama e querendo entender o que aconteceu com Layla.

    *bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Olá, Tamires.
    Li a resenha interessada em saber de porque não ter dado cinco estrelas hehe. Eu não achei Verity tudo isso não, achei até bem fraco se comparado a outros que li do gênero. E até esperava me aventurar nesse. Mas sabe quando não bateu a vontade de ler?

    Prefácio

    ResponderExcluir
  16. Oi Tami, tudo bem?
    Fiquei com uma dúvida: você descreveu como romance paranormal, mas tem um quê de thriller nesse livro?
    Se for só romance mesmo, meu interesse acaba caindo hahahaha! Mas por ter adorado Verity, certamente leria se tivesse essa pegada aflitiva/angustiante.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Romance paranormal é romance paranormal. Rs Thriller tem outra pegada, o mistério vem de outro lugar

      Excluir
  17. Oi Tami! Nem todo livro da autora me agradou, mas admito que ela sabe mesmo contar histórias e sabe como prender o leitor. Eu quero sim conferir essse e obrigada pelo aviso para evitar spoilers. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  18. Oi Tami, tudo bem?

    Acho interessante a CoHo estar se arriscando em outros gêneros literários. Isso só reforça o quando ela é uma autora versátil que sempre pode nos surpreender.

    A premissa de Layla é bem interessante e agradeço a aviso para evitar spoilers. Lendo a sua resenha fiquei com a sensação que o Leeds não é bem quem demonstra ser e isso me deixou ainda mais curiosa para ler o livro.

    Beijos;***
    Ariane Gisele Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  19. Oi, Tami! Tudo bom?
    Acho que eu já declarei pro mundo que nem jesus me faz ler COHO de novo, né? :v HUSAUHSAUHSAUHSAHUSAUH passo longe atravesso a rua se ela estiver na mesma calçada que eu, etc. O ranço é forte.

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena. Pessoas evoluem, assim como o trabalho delas.

      Excluir
  20. Oi, Tami
    Imagina se não tivesse falando tudo hein KKKK Sua resenha ficou enorme. Eu confesso que esses livros de outras vertentes da Collen não me chamam atenção. É mais porque eu não consigo fazer a leitura fluir e não pela escrita, porque eu gosto muito das obras dela. Vamos ver se até o lançamento eu não me anime para encarar, mas provavelmente não lerei.
    Beijo!
    https://www.capitulotreze.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como se minhas resenhas fossem pequenas, né amiga? Hahahaha

      Excluir
  21. Oie Tami! Tuod bom?

    Olha, eu sou das pessoas que pegam o spoiler sem querer, tipo , to rolando a TL e PÁ
    NA MINHA CARA (leia isso ao som de pablo vittar kkkkk)
    mas jurei que fosse um novo Verity, mas bom saber porque assim não vou com essa expectativa
    Faz tempo que não leio algo paranormal, do jeito que eu sou medrosa, certeza que eu ia ficar naquele medinho e só ler de dia KKKKKKKKKKKKK

    Mas é CoHo, né? A gente aproveita a leitura, essa mulher gosta de contar histórias e muito bem ainda ♥

    Beijos!
    Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. seu Leeds é bonitão heinnnnnnnnnn RSRSRSRS

      Excluir
    2. Mulher, eu tava muito obcecada pelo Rége! Hahahahaha

      Excluir